agosto 10, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Irã se candidata para se juntar à China e Rússia no clube dos BRICS

Irã se candidata para se juntar à China e Rússia no clube dos BRICS
  • Irã solicita adesão ao BRICS
  • Rússia diz que o Ocidente está falhando
  • Argentina também se candidatou ao BRICS – Rússia

DUBAI/LONDRES (Reuters) – O Irã, que tem a segunda maior reserva de gás do mundo, se inscreveu no grupo BRICS de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que Pequim e Moscou veem como uma alternativa poderosa para os mercados emergentes. Para o oeste.

O termo “BRIC” foi cunhado pelo economista do Goldman Sachs Jim O’Neill em 2001 para descrever a surpreendente ascensão do Brasil, Rússia, Índia e China. Os países do BRIC realizaram sua primeira cúpula em 2009 na Rússia. A África do Sul aderiu em 2010.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã disse que a adesão do Irã ao grupo BRICS “levará a valores agregados para ambos os lados”. A Rússia disse que a Argentina também se candidatou à adesão.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Rússia apresentou os pedidos como evidência do fracasso do Ocidente liderado pelos EUA em isolar Moscou após a invasão da Ucrânia.

“Enquanto a Casa Branca estava pensando no que poderia parar ou estragar o mundo, Argentina e Irã se candidataram para se juntar ao BRICS”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

Autoridades argentinas não foram encontradas para comentários imediatos, mas o presidente Alberto Fernandez, que está atualmente na Europa, reiterou nos últimos dias seu desejo de que a Argentina se junte ao BRICS.

A China tem de longe a maior economia do grupo BRICS, respondendo por mais de 70% do poder econômico coletivo de US$ 27,5 trilhões do grupo. Segundo dados do FMI, a Índia representa cerca de 13%, e a Rússia e o Brasil, cada um, cerca de 7%.

READ  Os principais legisladores renovam o pedido para que o DHS IG deixe de lado a investigação de textos desaparecidos, relata a CNN

Os países BRICS representam mais de 40% da população mundial e cerca de 26% da economia global.

Desde que a Revolução Iraniana de 1979 removeu do poder o xá Mohammad Reza Pahlavi, apoiado pelos EUA, o Irã foi condenado ao ostracismo pelo Ocidente e sua economia prejudicada por inúmeras sanções. Detém cerca de um quarto das reservas de petróleo do Oriente Médio.

poder chinês

O presidente chinês Xi Jinping se juntou ao presidente russo Vladimir Putin e outros líderes do BRICS em uma cúpula virtual na semana passada.

Xi criticou o “mau uso” das sanções internacionais, enquanto Putin repreendeu o Ocidente por provocar a crise global, com os dois líderes pedindo maior cooperação com os BRICS. Consulte Mais informação

Putin disse que as relações com a China são as melhores que já estiveram, e ele está apresentando uma parceria estratégica com a China destinada a combater a influência dos EUA.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que o Ocidente está em guerra com governos autoritários como China e Rússia.

Os Estados Unidos e as potências europeias culpam a decisão de Putin de invadir a Ucrânia por fazer com que as relações com o Ocidente se deteriorem ao seu nível mais baixo desde a crise dos mísseis cubanos de 1962 – incluindo as sanções mais severas da história moderna.

Mas Putin diz que o Ocidente quer destruir a Rússia, que as sanções econômicas são como declarar guerra econômica e que a Rússia construirá relações com outras potências como China, Índia e potências do Oriente Médio.

Putin, que descreveu a guerra da Ucrânia como uma “operação militar especial”, culpa os Estados Unidos por insultar a Rússia após a queda da União Soviética em 1991 e a ameaça de Moscou de expandir a aliança militar da Otan.

READ  Putin da Rússia recebe apoio chinês para permanecer no G20

A Rússia enviou tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro para minar as capacidades militares de seu vizinho do sul, erradicar pessoas que descreveu como nacionalistas perigosos e defender a língua russa em duas regiões do leste da Ucrânia.

A Ucrânia diz que a Rússia lançou uma apropriação de terras no estilo império e não cederá seu território à Rússia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagens de Paris Hafezi em Dubai e Lydia Kelly em Melbourne). Reportagem adicional de Adam Jordan em Buenos Aires. Edição por Richard Bolena e Alison Williams

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.