maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Irã diz que jornalistas foram acusados ​​após reportagem da BBC sobre assassinato de manifestantes

Irã diz que jornalistas foram acusados ​​após reportagem da BBC sobre assassinato de manifestantes

Fonte da imagem, Atash Shukrami

Comente a foto, A família de Nika Chakarami rejeitou as alegações das autoridades de que ela se matou

  • autor, David Gretten
  • Papel, BBC Notícias

O poder judiciário iraniano apresentou acusações contra “vários jornalistas e ativistas” depois de publicar uma reportagem da BBC alegando que homens que trabalhavam nas forças de segurança atacaram sexualmente e mataram uma manifestante de 16 anos.

A agência de notícias Mizan, administrada pelo judiciário, descreveu a investigação da BBC sobre a morte de Nika Chakarami em 2022 como “espúria, incorreta e cheia de erros”.

A identidade das pessoas intimadas por supostamente “perturbar a segurança psicológica da sociedade” não foi identificada.

Mas dois jornalistas iranianos que comentaram o relatório online disseram que o Ministério Público abriu processos contra eles.

Um deles, Mohammad Parsi, escreveu no Twitter/X que o Ministério Público de Teerã o intimou por publicar “um artigo sobre Nika Shakarami e os detalhes de seu assassinato”.

Quanto à segunda, Marzia Mahmoudi, disse: “Nem as acusações nem os detalhes são conhecidos”.

O ministro do Interior, Ahmed Vahidi, rejeitou na quarta-feira as conclusões da investigação da BBC e descreveu-as como uma conspiração dos inimigos do Irão, tornando-se o primeiro funcionário a comentar publicamente.

A mídia estatal citou o ministro dizendo aos repórteres fora da reunião de gabinete: “Os inimigos e seus meios de comunicação recorreram a relatórios falsos e irreais para realizar operações psicológicas”.

Vahidi afirmou que foi uma “tentativa de desviar a atenção” dos actuais protestos pró-Palestina nos Estados Unidos, bem como do ataque de mísseis e drones do Irão a Israel no mês passado.

Nika Chakarami tornou-se um símbolo do movimento de protesto “Mulheres, Vida, Liberdade” que abalou a República Islâmica há dois anos.

Os protestos eclodiram em resposta à morte sob custódia, em 16 de setembro de 2022, de Mahsa Amini, uma mulher de 22 anos que foi detida pela polícia moral da capital por supostamente usar seu hijab “inadequadamente”.

Em 20 de setembro de 2022, Nika foi fotografada durante um protesto em Teerã colocando fogo em seu hijab, enquanto outros manifestantes gritavam “Morte ao ditador” – uma referência ao Líder Supremo, Aiatolá Ali Khamenei.

Ela desapareceu naquela noite depois de contar a um amigo que as forças de segurança estavam atrás dela.

Sua família finalmente encontrou seu corpo no necrotério, mais de uma semana depois. Eles alegaram que ela morreu devido a golpes na cabeça e rejeitaram as alegações das autoridades de que ela se matou saltando do telhado de um edifício.

A investigação da BBC, publicada na segunda-feira, baseou-se no que se entende ser um documento interno vazado que resume uma audiência sobre o caso Nika realizada pelo Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica.

Segundo o documento, o adolescente foi preso por membros de um grupo paramilitar destacado pela Guarda Revolucionária Iraniana como uma equipe secreta para monitorar os protestos em Teerã naquele dia.

O documento detalha uma série de eventos que supostamente ocorreram enquanto Nika estava amarrada na traseira de um caminhão congelador sem identificação com três membros da equipe. Esses incluem:

O relatório da BBC reconhece a existência de muitos documentos oficiais iranianos falsos em circulação, mas afirma: “Extensas investigações indicam que os documentos que obtivemos narram os movimentos recentes do adolescente”.

A BBC também apresentou estas alegações à Guarda Revolucionária Iraniana e ao governo iraniano antes de as publicar, mas estes não lhes responderam.