outubro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Inspetores da ONU perto da usina nuclear ucraniana em missão para evitar um acidente

Inspetores da ONU perto da usina nuclear ucraniana em missão para evitar um acidente
  • A equipe da AIEA esperava que a inspeção começasse na quinta-feira
  • Não está claro por quanto tempo os inspetores poderão ficar
  • Ucrânia reivindica sucessos no contra-ataque militar
  • Rússia interrompe fluxo de gás através de grande gasoduto

Zaporizhia, Ucrânia (Reuters) – Inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) chegaram à cidade de Zaporizhia, no sul da Ucrânia, nesta quarta-feira, em uma missão para evitar um acidente nuclear em uma usina de energia ocupada pela Rússia, onde o bombardeio nas proximidades levantou temores globais de desastre.

A equipe da AIEA chegou à cidade, a 55 quilômetros da estação, onde provavelmente passará a noite antes de chegar às instalações na quinta-feira.

Embora os funcionários instalados pelos russos tenham indicado que a visita pode durar apenas um dia, a AIEA espera um período mais longo.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Se pudermos estabelecer uma presença permanente, ou uma presença contínua, isso será estendido. Mas a primeira parte levará alguns dias”, disse o presidente, Rafael Grossi, a repórteres em Zaporizhia.

“É uma missão que visa evitar um acidente nuclear”, disse ele.

A Rússia apreendeu o reator nuclear, o maior da Europa, no início de março, e seu poder militar está lá desde então, assim como a maior parte da força de trabalho ucraniana que teve que continuar operando a instalação, que fornecia 20% da eletricidade da Ucrânia.

Combates perto da usina e mais longe foram relatados na quarta-feira, com Kyiv e Moscou relatando sucessos no campo de batalha em meio a uma contra-ofensiva ucraniana para retomar o território do sul.

A Ucrânia repeliu as tentativas russas de lançar uma ofensiva na direção de Bakhmut e Avdiivka, duas cidades ao norte da cidade ocupada pelos russos de Donetsk, anunciou o Estado-Maior Geral das Forças Armadas na quarta-feira. Ela acrescentou que as forças leais a Moscou se concentraram em Bakhmut em seus esforços para estender seu controle sobre a região de Donbass.

READ  Rússia limita suas exportações de gases nobres, um dos principais componentes da fabricação de chips

A Reuters não conseguiu verificar esses relatórios de forma independente.

Longe da Ucrânia, a Rússia interrompeu o fornecimento de gás através da principal rota de abastecimento da Europa nesta quarta-feira, intensificando uma batalha econômica entre Moscou e Bruxelas que pode levar a uma recessão e racionamento de energia em alguns dos países mais ricos do continente. Consulte Mais informação

A vizinha Estônia anunciou planos para proibir a maioria dos russos de entrar no país dentro de semanas, se possível em coordenação com seus parceiros regionais, depois que a União Europeia estava dividida demais para concordar com uma proibição geral. Consulte Mais informação

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” para livrar a Ucrânia de nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa.

Kyiv e o Ocidente descrevem as ações da Rússia como uma guerra de agressão injustificada que fez milhões de pessoas fugirem e reduziram cidades a escombros.

alto risco

Há semanas, a Ucrânia e a Rússia se acusam de colocar em risco a segurança da fábrica de Zaporizhia por meio de ataques de artilharia ou drones, arriscando um desastre radiológico no estilo de Chernobyl.

Kyiv diz que a Rússia está usando a usina como escudo para atacar cidades, sabendo que seria difícil para a Ucrânia revidar. Também acusou as forças russas de bombardear a fábrica.

READ  Nas Nações Unidas, Amal Clooney faz lobby por justiça para crimes de guerra na Ucrânia

O Ministério da Defesa russo disse que os níveis de radiação na estação eram normais.

A Rússia negou as alegações ucranianas de seu comportamento imprudente e questionou o motivo do bombardeio de uma instalação onde suas forças estavam sendo guarnecidas, como chamou de segurança.

Moscou acusou os ucranianos de bombardear a estação em uma tentativa de provocar indignação internacional que Kyiv espera que leve a uma zona desmilitarizada.

O ministro da Energia da Ucrânia, German Galushenko, disse que a inspeção da AIEA foi um passo para “desmantelar e desmilitarizar o local”. A Rússia disse que não tem planos de retirar suas forças por enquanto. Consulte Mais informação

Questionado sobre uma zona desmilitarizada, Grossi, da Agência Internacional de Energia Atômica, disse que esta é uma questão política para os países envolvidos no conflito.

A Rússia disse que saudou a intenção declarada da Agência Internacional de Energia Atômica de estabelecer uma missão permanente na estação.

Mas Yevgeny Palitsky, chefe da administração russa na região, disse à agência de notícias Interfax que os inspetores da agência “deveriam ver o trabalho da estação em um dia”.

A fábrica está perto da linha de frente e as forças armadas ucranianas acusaram a Rússia na quarta-feira de bombardear a área e se preparar para retomar a ofensiva lá.

Não houve comentários imediatos de Moscou.

Enquanto isso, o ministro da Defesa da Alemanha, general Eberhard Zorn, alertou que o Ocidente não deve subestimar a força militar de Moscou, dizendo que a Rússia tem espaço para abrir uma segunda frente se assim o desejar. Consulte Mais informação

A Rússia capturou faixas do sul da Ucrânia perto da costa do Mar Negro nas primeiras semanas da guerra de mais de seis meses, incluindo a região de Kherson, que fica ao norte da Crimeia, anexada à Rússia.

READ  Como a Rússia está se preparando para anexar partes ocupadas da Ucrânia

A Ucrânia vê a recuperação do controle da região como crucial para evitar tentativas russas de conquistar mais território no Ocidente que possam eventualmente cortar seu acesso ao Mar Negro.

Ela instou os cidadãos da Crimeia a revelar onde vivem as forças russas e quem coopera entre a população local.

A Rússia negou relatos de avanço da Ucrânia e disse que suas forças derrotaram as forças ucranianas, nenhuma das quais pode ser verificada independentemente pela Reuters.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Andrew Osborne, Matthews Williams, William McLean e Costas Petsas; Edição por Philippa Fletcher, Angus McSwan e Bill Bercrot

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.