maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Impulsione a Broadway, por qualquer meio físico necessário

Impulsione a Broadway, por qualquer meio físico necessário

Isso deixa “Illinois”, um candidato difícil de classificar. Por um lado, é uma versão musical do álbum de Sufjan Stevens de 2005, mas também é um show de dança, coreografado e dirigido por Justin Peck, que imita as músicas e as incorpora em uma história. Como os outros indicados (exceto “Here Lies Love”), é uma história de amadurecimento. A ideia é que um grupo de jovens vulneráveis ​​se reúna junto a uma fogueira para ler em voz alta as entradas dos seus diários – contando histórias expressas através da dança.

Ter dançarinos conduzindo a narrativa enquanto músicos e cantores os acompanham é bastante comum em balés e concertos, mas não tem sido muito tentado na Broadway, uma exceção notável sendo “Movin’ Out” de Twyla Tharp. Isto significa que “Illinois” é o candidato mais ambicioso em termos de coreografia, e aquele que mais pede à dança.

O show criou uma estranha divisão na recepção crítica. Os críticos de teatro geralmente consideraram “Illinois” inovador e influente. Os críticos de dança consideraram-no decepcionantemente sentimental e cansativo.

Como essa divisão pode ser calculada? Pode ser uma questão de sensibilidade, embora os críticos de teatro tendam a ser cautelosos com o sentimentalismo em outras formas teatrais. Definitivamente é uma questão de familiaridade. Peck, que ganhou um prêmio Tony por coreografar o revival de “Carousel” em 2018, é o coreógrafo residente do New York City Ballet. Ele vem fazendo danças no final da adolescência, muitas vezes ao som da música de Stevens, há muito tempo. Para muitos críticos de dança, incluindo fãs de Beck como eu, ele ultimamente parece preso em uma espécie de desenvolvimento interrompido.

READ  Penguin publica livros 'clássicos' de Roald Dahl após reação

Nessa perspectiva, a coreografia de “Illinois” está errada. Embora organizado com habilidade e cuidado gentil, o idioma subjacente é contido, alternando freneticamente entre agarrar e comunicar. Os dançarinos parecem estar tentando escapar das restrições e do fracasso. Isso pode expressar um aspecto da adolescência, mas atrasa muito esses talentosos dançarinos, limitando seu alcance emocional. Pior ainda, Beck faz todos dançarem da mesma maneira, como se estivessem presos dentro dos avatares de Beck. Quando eles explodem, casualmente (o filme solo de Byron Teitel) ou em um colapso (o solo de Ricky Ubeda sobre a dor e a raiva), é um lampejo de potencial desperdiçado.

Uma linguagem partilhada cria uma comunidade, mas que parece artificial desde o início (onde, fora da terapia, os jovens se sentam para ler as suas revistas uns para os outros?), conseguida principalmente através de aplausos e abraços forçados. As grandes emoções que o espetáculo pode evocar vêm da música, apesar das limitações da coreografia.