dezembro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Imagens impressionantes do Telescópio Espacial James Webb e do Observatório de Raios-X Chandra revelam segredos cósmicos

As quatro galáxias dentro do Pentagrama de Stefan (acima) passam por uma dança intrincada projetada pela gravidade

A NASA combinou dados de raios-X do Observatório de raios-X Chandra com dados infravermelhos do Telescópio Espacial James Webb para criar novas e fascinantes imagens compostas divulgadas hoje – mostrando as capacidades de ambos os instrumentos.

O objetivo da Agência Espacial James Webb, que divulgou suas primeiras imagens mundialmente aclamadas em julho, sempre foi trabalhar em parceria com outros telescópios e observatórios da NASA – tanto na Terra quanto no espaço.

Imagens recém-lançadas mostram as primeiras observações de Webb, incluindo Stephens Quintet, Cartwheel Galaxy, SMACS 0723..3-7327 e as encostas cósmicas da Nebulosa Carina.

O Chandra da NASA foi projetado especificamente para capturar emissões de raios X de regiões extremamente quentes do universo. Com os dados coletados do Chandra, um processo invisível de energia mais alta pode ser visto na visão infravermelha de James Webb.

O espelho primário de James Webb intercepta a luz vermelha e infravermelha que viaja pelo espaço e a reflete em um espelho secundário menor. O espelho secundário então direciona a luz para os instrumentos científicos onde ela é gravada.

As quatro galáxias dentro do Pentagrama de Stefan (acima) passam por uma dança intrincada projetada pela gravidade

Stephan quinteto

As quatro galáxias dentro do Pentagrama de Stefan passam por uma intrincada dança gravitacional.

“A imagem da Web (vermelho, laranja, amarelo, verde e azul) deste objeto contém detalhes sem precedentes dos resultados dessas interações, incluindo caudas de varredura de gás e explosões de formação estelar”, explica a NASA.

Os dados do Chandra (em azul claro) para este sistema revelaram uma onda de choque que aquece o gás a dezenas de milhões de graus, à medida que uma galáxia passa pela outra a uma velocidade de cerca de 3 milhões de quilômetros por hora.

Este novo composto também inclui dados infravermelhos do agora aposentado Telescópio Espacial Spitzer da NASA.

galáxia da roda do carrinho

A Galáxia Cartwell Wheel obteve sua forma de uma colisão com outra galáxia menor há cerca de 100 milhões de anos.

“Quando esta galáxia menor perfurou a roda de Kartwell, fez com que as estrelas se formassem em torno de um anel externo e em outros lugares da galáxia”, afirmou a NASA em um post no blog.

De acordo com a agência espacial dos EUA, os raios-X vistos pelo Chandra (azul e roxo) vêm de gás superaquecido, estrelas explodindo individuais, estrelas de nêutrons e buracos negros puxando material de estrelas companheiras.

A visão infravermelha do Webb (vermelho, laranja, amarelo, verde e azul) mostra a galáxia Cartwheel, bem como duas galáxias companheiras menores – que não fazem parte da colisão – contra o fundo de muitas das galáxias distantes mais próximas.

Dados da web mostram o aglomerado de galáxias SMACS J0723, localizado a cerca de 4,2 bilhões de anos-luz de distância, e contendo centenas de galáxias individuais.

Dados da web mostram o aglomerado de galáxias SMACS J0723, localizado a cerca de 4,2 bilhões de anos-luz de distância, e contendo centenas de galáxias individuais.

SMACS 0723.3-7327

Dados da web mostram o aglomerado de galáxias SMACS J0723, localizado a cerca de 4,2 bilhões de anos-luz de distância, e contendo centenas de galáxias individuais.

No entanto, aglomerados de galáxias contêm muito mais do que suas próprias galáxias sozinhas. Como algumas das maiores estruturas do universo, elas são preenchidas com enormes reservatórios de gás aquecido que são vistos apenas na luz de raios-X, NASA Notas.

Nesta imagem, os dados do Chandra (em azul) revelam gás com temperatura de dezenas de milhões de graus, com uma massa total de cerca de 100 trilhões de vezes a massa do Sol, várias vezes maior que a massa de todas as galáxias do aglomerado. A agência espacial explica que a matéria escura invisível compõe uma porção maior da massa total do aglomerado.

NGC 3324, Encostas Cósmicas da Nebulosa Carina

Os dados do Chandra para ‘falésias cósmicas’ (em rosa) revelam mais de uma dúzia de fontes individuais de raios-X.

Estas são principalmente estrelas localizadas na região externa de um aglomerado estelar na Nebulosa Carina e têm entre 1 e 2 milhões de anos, e são muito jovens em termos estelares.

Estrelas jovens são mais brilhantes em raios-X do que estrelas mais velhas, tornando os estudos de raios-X uma maneira ideal de distinguir estrelas na Nebulosa Carina das muitas estrelas de diferentes idades da nossa Via Láctea ao longo de nossa linha de visão até a nebulosa.

A emissão difusa de raios-X na metade superior da imagem provavelmente vem do gás quente das três estrelas mais quentes e massivas do aglomerado estelar. Todos estão fora do campo de visão da imagem Webb. A imagem de Webb usa as seguintes cores: vermelho, laranja, amarelo, verde, ciano e azul.

Chandra orbita acima da Terra a uma altitude de 86.500 milhas (139.000 km) e o Smithsonian Astrophysical Observatory em Cambridge, Massachusetts, hospeda o centro que opera o satélite, processa os dados e os distribui para cientistas de todo o mundo para análise.

James Webb da NASA começou a enviar sua primeira imagem neste verão e espera-se que forneça aos cientistas muitos anos de descobertas sobre os primeiros momentos do nosso universo – logo após o Big Bang.

Telescópio James Webb: o telescópio de US $ 10 bilhões da NASA construído para detectar a luz das estrelas e galáxias mais antigas

O Telescópio James Webb foi descrito como uma “máquina do tempo” que poderia ajudar a desvendar os segredos do nosso universo.

O telescópio será usado para observar as primeiras galáxias nascidas no universo primitivo há mais de 13,5 bilhões de anos e observar as fontes de estrelas, exoplanetas e até mesmo as luas e planetas do nosso sistema solar.

O enorme telescópio, que já custou mais de US$ 7 bilhões (£ 5 bilhões), é considerado um sucessor do Telescópio Espacial Hubble.

O Telescópio James Webb e a maioria de seus instrumentos têm uma temperatura de cerca de 40 K – cerca de menos 387 graus Fahrenheit (menos 233 graus Celsius).

É o maior e mais poderoso telescópio espacial em órbita do mundo, capaz de olhar para trás 100-200 milhões de anos após o Big Bang.

O observatório infravermelho em órbita foi projetado para ser cerca de 100 vezes mais poderoso que seu antecessor, o Telescópio Espacial Hubble.

A NASA gosta de pensar em James Webb como um sucessor do Hubble em vez de um substituto, já que os dois trabalharão lado a lado por um tempo.

O Telescópio Hubble foi lançado em 24 de abril de 1990, através do ônibus espacial Discovery do Kennedy Space Center, na Flórida.

Ele orbita a Terra a cerca de 17.000 milhas por hora (27.300 quilômetros por hora) em órbita baixa da Terra a uma altitude de cerca de 340 milhas.