maio 29, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Ikea e H&M na Rússia

Ikea e H&M na Rússia
A IKEA, a maior empresa de móveis do mundo, tem 17 lojas na Rússia. companhia luta disse Ele tem “enorme impacto humano” e “leva a sérias interrupções na cadeia de suprimentos e nas condições de negócios”. Como resultado, decidiu interromper todas as operações de fabricação e varejo na Rússia, bem como todo o comércio com a Rússia e sua aliada Bielorrússia.
Dezenas de empresas ocidentais saíram ou interrompeu as operações na Rússia em resposta à invasão, resultando em sanções e interrupção de suprimentos.

A IKEA disse que 15.000 trabalhadores seriam diretamente afetados pela paralisação na região. Mas a empresa continuará pagando, pelo menos por um tempo.

A empresa disse em um comunicado: “As ambições dos grupos da empresa são de longo prazo, e trabalhamos para garantir estabilidade de emprego e renda no futuro próximo e fornecer apoio a eles e suas famílias na região”.

A IKEA também anunciou uma “doação imediata de € 20 milhões (US $ 22 milhões) para assistência humanitária aos deslocados à força como resultado do conflito na Ucrânia”, em resposta a um apelo de emergência do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

A empresa-mãe Ingka Group é uma das maiores operadoras de shopping centers na Rússia. Ele disse que seus “mega” shoppings continuarão operando para fornecer alimentos, roupas e bens aos russos.

H&M

empresa de roupas Grupo H&M . (HNNMY)A , que tem 168 lojas na Rússia, disse na quarta-feira que também decidiu fechar temporariamente a loja na Rússia.

“O H&M Group se preocupa com todos os colegas e se une a todos aqueles que defendem a paz em todo o mundo”, disse a varejista de moda sueca em comunicado. Roupas e outras necessidades foram doadas pela empresa.

Ikea e H&M juntam-se a um Um número crescente de empresas globaisIncluindo uma maçã (AAPL)E a Disney (dis) E a fortaleza (F)que está se retirando das operações na Rússia devido à invasão da Ucrânia.

Chris Liakos, da CNN, contribuiu para este relatório.