fevereiro 5, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Guetta, comandante militar do Mali, perdoa 49 soldados marfinenses | Notícias das Nações Unidas

O perdão em massa ocorre uma semana depois que Mali condenou 46 soldados marfinenses a 20 anos de prisão.

O chefe militar do Mali perdoou 49 soldados da vizinha Costa do Marfim que foram presos em julho e acusados ​​de serem mercenários, disse a presidência do Mali em um comunicado.

Os 49 foram presos após chegarem ao aeroporto de Bamako, no Mali. A Costa do Marfim disse que os soldados faziam parte de uma missão de paz das Nações Unidas no Mali e foram contratados para trabalhar para uma empresa privada contratada pelas Nações Unidas.

As prisões dos soldados e as acusações contra eles provocaram uma disputa diplomática entre o Mali e a Costa do Marfim.

O coronel Abdoulaye Maiga, porta-voz do governo do Mali, disse em um comunicado que a anistia concedida pelo presidente do Mali, coronel Asimi Goita, “demonstra mais uma vez seu compromisso com a paz, o diálogo, a unidade africana e a preservação das relações fraternas e seculares com os países da região, particularmente entre o Mali e a Costa do Marfim.”

Guetta chegou ao poder no Mali em dois golpes, primeiro em 2020 e depois no ano seguinte, quando assumiu o poder após demitir o presidente e o primeiro-ministro no governo de transição.

O perdão em massa ocorre uma semana depois que 46 soldados marfinenses foram condenados a 20 anos de prisão. Três outros réus, que foram libertados em setembro, mas foram julgados à revelia, foram condenados à morte.

O promotor Ladji Sara disse em um comunicado na época que os 49 foram considerados culpados de “atacar e conspirar contra o governo” e tentar minar a segurança do Estado. O julgamento começou na capital, Bamako, em 29 de dezembro e foi concluído no dia seguinte.

READ  AIEA diz que criação de zona de segurança nuclear em torno de usina da Ucrânia é 'urgente'

Depois que os soldados marfinenses foram presos, a ONU reconheceu alguma “disfunção” processual em uma nota ao governo do Mali e disse que “certos procedimentos não foram seguidos” em seu destacamento para o Mali.

A presidência da Costa do Marfim havia admitido em setembro que havia “falhas e mal-entendidos” quanto à chegada de seus soldados ao Mali.

A declaração na sexta-feira anunciando o perdão descreveu a medida como uma “decisão independente” simbolizando o compromisso do presidente com a boa governança e “preservando as relações fraternas” com os países da região, especialmente a Costa do Marfim. Não especificou quando os soldados deixariam a prisão.

Não foi possível obter comentários do governo da Costa do Marfim. Ele disse anteriormente que seus soldados estão sendo mantidos como reféns e fez repetidos apelos para sua libertação. As autoridades da Costa do Marfim também alertaram que a “tomada de reféns” levaria a “consequências”.

O Mali tornou-se cada vez mais isolado desde que oficiais militares derrubaram o governo em 2020 e não cumpriram as promessas eleitorais, levando a sanções do principal bloco político e econômico da África Ocidental, a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Vários países, incluindo a Costa do Marfim, decidiram retirar as tropas enviadas para ajudar a combater uma revolta de uma década no Mali neste ano devido à colaboração do governo militar com mercenários russos.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, contra a qual o governo do Mali é cada vez mais hostil, também ameaçou impor novas sanções ao país se os soldados marfinenses não forem libertados.

O presidente do Togo, Faure Gnassingbe, que tem mediado a crise, encontrou-se com Guetta em Bamako na quinta-feira antes de seguir para a Costa do Marfim. Em sua declaração na sexta-feira, o governo do Mali agradeceu a Gnassingbe “por seus esforços incansáveis ​​e compromisso contínuo com o diálogo e a paz na região”.

READ  Revés na batalha COVID de Xangai, enquanto Pequim aumenta testes em massa

A declaração também denuncia a “postura agressiva” do líder da CEDEAO, Umaro Sissoko Embalo.