novembro 29, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Guerra Rússia-Ucrânia ao vivo: as últimas notícias da Polônia sobre mísseis e aeronaves MH17

Guerra Rússia-Ucrânia ao vivo: as últimas notícias da Polônia sobre mísseis e aeronaves MH17
vídeo

Um tribunal holandês condenou três homens ligados aos serviços de segurança russos à prisão perpétua por derrubarem um avião de passageiros sobre a Ucrânia em 2014, matando todas as 298 pessoas a bordo. Um quarto arguido foi absolvido.atribuído a eleatribuída a ele…Pirushka van de Woo/Reuters

AMSTERDÃ – Um tribunal holandês condenou nesta quinta-feira à prisão perpétua três homens ligados aos serviços de segurança da Rússia por… Derrubar um avião de passageiros Sobre o leste da Ucrânia em 2014, durante uma revolta separatista apoiada por Moscou, prenunciou Invasão total da Rússia do país. Um quarto arguido foi absolvido.

A decisão fornece uma medida clara de justiça para as 298 pessoas mortas na queda do avião, um serviço programado da Malaysia Airlines para Kuala Lumpur, Malásia, de Amsterdã: os homens – três russos e um ucraniano – nunca foram presos e acredita-se estar na Rússia ou território controlado pela Rússia, ele foi julgado à revelia.

Mas a guerra na Ucrânia deu mais importância ao assunto. O apoio aos separatistas no leste da Ucrânia foi uma parte importante do O álibi do presidente Vladimir Putin Quando ele deu a ordem de invasão em fevereiro deste ano, muitos dos parentes enlutados fizeram uma ligação direta entre a fuga abatida e a guerra. O árbitro também pode dar o exemplo para possíveis processos Crimes russos durante a guerra atual.

russo – Igor Girkin, ex-coronel do Serviço Federal de Segurança da Rússia, e Sergei Dubinsky, ex-oficial do GRU – condenados por homicídio e abate de avião. uma Um cidadão ucraniano – Leonid Kharchenko, que comandava uma unidade militar apoiada pela Rússia – foi condenado pelas mesmas acusações.

READ  Os ataques à usina nuclear ucraniana levaram o secretário-geral das Nações Unidas a pedir uma zona desmilitarizada

Um quarto homem, Oleg Bulatov, também ex-oficial do GRU, foi absolvido por não ter sido considerado suficientemente envolvido no incidente.

tentativas Foi inaugurado há mais de dois anos Como uma tentativa de atribuir responsabilidade pelo que parecia por muito tempo ser um crime com impunidade. Em 17 de julho de 2014, um míssil antiaéreo fornecido pelos militares russos às forças separatistas abateu o voo 17 da Malaysia Airlines, conhecido como MH17, no alto leste da Ucrânia. Todos a bordo foram mortos.

Logo depois que o veredicto foi proferido, os parentes enlutados expressaram alívio. “Conseguimos!” disse Ria van der Steen, uma holandesa que perdeu o pai e a madrasta no acidente, ao sair do tribunal.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, saudou a notícia como “uma importante decisão judicial”. Mas em Mensagem postada no TwitterEle acrescentou que os mandantes do ataque também devem ser julgados “porque a sensação de impunidade leva a novos crimes”.

A queda do voo MH17 encheu os campos de corpos e destroços, causando indignação global e levando os países ocidentais a buscarem responsabilizar a Rússia. A maioria vítimas Eles eram holandeses, mas o voo também transportava passageiros da Austrália, Grã-Bretanha, Malásia e vários outros países.

Tem havido muita especulação de que as pessoas que dispararam o míssil pensaram que estavam mirando em uma aeronave militar ucraniana, não em um avião de passageiros. Separatistas já derrubaram aviões ucranianos antes.

Mas a Rússia negou repetidamente a responsabilidade pela tragédia Provas de que o avião foi abatido com um míssil Buk terra-ar enviado ao leste da Ucrânia de uma base militar russa na fronteira, bem como ligações e mensagens interceptadas envolvendo separatistas apoiados pela Rússia.

READ  À medida que a operação militar de Putin continua e as sanções a afetam, a importância dos russos aumenta

Em vez disso, Moscou produziu uma série de contra-explicações implausíveis e teorias da conspiração que se concentraram principalmente em culpar a Ucrânia e atacar a legitimidade da investigação. Eles incluíam a possibilidade de que a CIA tivesse derrubado um avião carregado de cadáveres no leste da Ucrânia para contaminar Moscou.

Na quinta-feira, o tribunal considerou os cenários alternativos apresentados pela Rússia como não críveis, dizendo que pertenciam ao “reino da fantasia” e observando que as evidências apresentadas pela Rússia provaram repetidamente ser fraudulentas ou falsas.

Em um comunicado divulgado pela Agence France-Presse, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que a decisão do tribunal foi politicamente motivada. “O curso e o resultado dos procedimentos indicam que eles foram baseados em um imperativo político para promover a versão promovida por Haia e seus parceiros”, disse o comunicado.