abril 15, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Guerra na Ucrânia: manifestação de apoio de Zelensky, presidente Wagner ‘não’ na Bielo-Rússia, campanha anti-Wagner

Guerra na Ucrânia: manifestação de apoio de Zelensky, presidente Wagner ‘não’ na Bielo-Rússia, campanha anti-Wagner

Todos os últimos desenvolvimentos da guerra na Ucrânia.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, continuou a angariar apoio para suas esperanças de receber um convite formal para ingressar na OTAN.

Poucos dias antes da cimeira de Vilnius, o líder ucraniano transmitiu a sua mensagem à Bulgária, onde agradeceu o apoio recebido face à agressão russa.

Embora o parlamento búlgaro tenha aprovado uma declaração de apoio à adesão da Ucrânia à OTAN, o presidente Rumen Radev falou em paz.

“Gostaríamos de ser o esforço pioneiro pela paz”, disse ele. Não usamos todos os meios de diplomacia no momento.”

Zelensky estava programado para realizar outra reunião em Praga na quinta-feira e se reunirá com autoridades turcas em Istambul na sexta-feira.

Prigozhin em movimento

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, disse que o chefe do Wagner, Yevgeny Prigozhin, não está mais na Bielo-Rússia e voltou para a Rússia, ao contrário dos relatos.

O chefe de Wagner chegou à Bielo-Rússia há pouco mais de uma semana a convite de Lukashenko, negociando um acordo para acabar com a insurgência do Grupo Wagner.

“Ele está em São Petersburgo. Não no território da Bielo-Rússia”, disse Lukashenko a repórteres na quinta-feira.

O acordo também retirou as acusações criminais contra Prigozhin, permitindo que ele se mudasse para a Bielo-Rússia.

Pelo que ele sabe, os caças Wagner ainda estão em suas bases, acrescentou Lukashenko, acrescentando que a questão da transferência não foi resolvida.

Lukashenko disse que a oferta para abrigar alguns dos mercenários de Wagner ainda está de pé porque eles não representam uma ameaça para a Bielo-Rússia.

Nenhuma das alegações de Lukashenko foi verificada e Prigozhin não foi visto em público desde o motim de quase duas semanas atrás.

READ  Dentro de um laboratório suíço de alta segurança tentando parar a próxima pandemia

Cinco civis foram mortos em um ataque de míssil russo em Lviv

Várias pessoas foram mortas e feridas na quinta-feira no maior ataque à infraestrutura civil em Lviv desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no ano passado.

Pelo menos cinco pessoas morreram e 36 ficaram feridas, disse o ministro do Interior, Ihor Klimenko, enquanto trabalhadores do serviço de emergência procuravam por mais pessoas presas sob os escombros.

Infelizmente, há feridos e mortos. Minhas condolências aos familiares. Certamente haverá uma resposta ao inimigo. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse em um vídeo da reação postado no Telegram.

Zelensky também postou imagens de drones mostrando os prédios destruídos de cima.

O míssil destruiu andares inteiros de um prédio de apartamentos bombardeado, deixando as ruas abaixo cobertas de escombros.

A Força Aérea da Ucrânia disse ter interceptado sete dos 10 mísseis de cruzeiro Kalibr lançados pela Rússia do Mar Negro em direção à região de Lviv, no oeste da Ucrânia, e regiões mais amplas na quinta-feira.

O prefeito Andrej Sadovy disse que cerca de 60 apartamentos e 50 carros foram danificados na área da greve.

Sadovy se dirigiu aos residentes em uma mensagem de vídeo, dizendo que o ataque foi o maior na infraestrutura civil em Lviv desde o início da invasão em grande escala no ano passado.

Centenas de milhares de refugiados de guerra ucranianos buscaram segurança em Lviv de outras regiões a leste.

Rússia intensifica campanha contra Wagner

A televisão estatal russa criticou o chefe exilado de Wagner, Yevgeny Prigozhin, como um “traidor” em um programa transmitido na quarta-feira.

O canal de TV Rússia-1 revelou que a investigação sobre a desobediência fracassada do grupo mercenário continua e pode levar a um processo criminal contra Prigozhin.

READ  Protesto em massa em Israel contra as mudanças judiciais do governo de direita | Israel

Wagner começou sua “marcha por justiça” em 23 de junho, capturando as cidades de Rostov-on-Don e Voronezh no sul da Rússia antes de parar a caminho de Moscou, após um acordo mediado pelo presidente bielorrusso Alexander Lukashenko.

O programa 60 Minutes consistia em filmagens que pretendiam mostrar luxos no escritório e residência de Brogozhin em São Petersburgo.

O Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos Estados Unidos, disse recentemente que Moscou está tentando desacreditar o líder mercenário aos olhos da população russa.

Imagens de batidas policiais no escritório e na residência de Prigozhin mostraram caixas cheias de rublos russos e dólares americanos, um helicóptero pessoal e o infame conjunto de marretas do Grupo Wagner.

O programa também acusou o chefe de Wagner de possuir vários passaportes, todos com nomes diferentes.

“Uma pessoa comum não pode carregar tantos passaportes”, disse o jornalista Eduard Petrov, o convidado especial da transmissão.

Petrov culpou Prigozhin por alimentar propaganda pró-Wagner para se retratar como o herói do povo.

“Precisamos descobrir quem estava do lado de quem [in the mutiny]. “Precisamos puni-los e processá-los”, disse ele, acrescentando que os meios de comunicação afetados por Prigozhin foram fechados após seu exílio.

O Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos Estados Unidos, disse na quarta-feira que o diretor-geral da agência de notícias russa TASS foi substituído.

Autoridades ucranianas disseram que a medida pode ter sido resultado da desaprovação do Kremlin de como a rebelião de Wagner foi relatada.

A Rússia substitui as forças de Wagner por combatentes chechenos e condenados

A Rússia planeja enviar combatentes chechenos e mais prisioneiros para a Ucrânia para preencher o vácuo deixado pela retirada do Grupo Wagner.

READ  Vietnã condena à morte o magnata do setor imobiliário Truong My Lan no maior caso de fraude de todos os tempos

O Bloomberg, com sede nos Estados Unidos, citando autoridades de inteligência europeias, disse que o contra-ataque ucraniano contra Bakhmut poderia levar a uma expansão do alcance das unidades russas.

“A Rússia enviou um grande número de tropas para Bakhmut depois que Wagner anunciou sua retirada da cidade no final de maio, deixando uma escassez nas áreas ocupadas do sul da Ucrânia”, disseram as autoridades.

Estima-se que cerca de 15.000 condenados já estejam lutando na guerra na Ucrânia e o Ministério da Defesa da Rússia planeja aumentar esse número.

O presidente da Chechênia, Ramzan Kadyrov, disse em maio que 7.000 soldados chechenos estão posicionados em zonas de guerra, com 2.400 soldados recebendo treinamento de guerra.

O Grupo Paramilitar Wagner retirou-se da linha de frente após se recusar a assinar contrato com o Ministério da Defesa.

No entanto, sua retirada do campo de batalha não mudará o curso da guerra, de acordo com os oficiais de inteligência, que falaram sob condição de anonimato.

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou uma lei que facilita a libertação antecipada de condenados que concordam em lutar na Ucrânia no mesmo dia em que o chefe de Wagner, Prigozhin, foi para a Bielo-Rússia no exílio.