outubro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

EUA e Europa impulsionam cadeia alimentar após proibição da Índia às exportações de trigo

PARIS – Os Estados Unidos e a União Europeia estão explorando como melhorar a cadeia de fornecimento de alimentos com restrições à exportação na Índia e em outros países, disse o chefe de comércio da UE à CNBC.

Os ministros das Relações Exteriores do G-7 alertaram no fim de semana que a guerra na Ucrânia está aumentando o risco de uma crise global de fome. Isso ocorre porque a Ucrânia é incapaz de exportar grãos, fertilizantes e óleo vegetal, enquanto o conflito destrói campos de cultivo e impede uma estação normal de plantio.

A dependência de países em outras partes do mundo para esses produtos aumentou. Mas alguns desses países impuseram restrições às exportações porque estão preocupados com mercadorias para seus próprios cidadãos. Na Índia, por exemplo, anunciou no sábado que proibiria a venda de trigo “para administrar a segurança alimentar geral do país”.

“Esta é uma questão de grande preocupação”, disse o chefe de comércio da UE, Valdis Dombrovskis, à CNBC no domingo sobre as novas medidas de exportação.

“Concordamos com os Estados Unidos em cooperar e coordenar nossas abordagens nessa área, porque … em resposta à agressão da Rússia contra a Ucrânia e às preocupações com os preços dos alimentos e a segurança alimentar associadas a ela, os países começaram a tomar medidas de controle de exportação. disse Dombrovsky.

Ele disse que essas medidas, como a proibição da Indonésia às exportações de óleo de palma, “pioram as coisas”.

As restrições às exportações aumentarão o preço dos bens, assim como os custos dos alimentos. Quanto à UE, é comida a preços acessíveis, explicou Domprovsky.

oceano Atlântico

Os Estados Unidos e a União Europeia estão na França na segunda-feira para conversas sobre seu conselho conjunto de comércio e tecnologia, ou TTC. Após as tarifas e divergências comerciais da era Trump, o grupo se reuniu em 2021 para restaurar os laços marítimos atlânticos.

No entanto, a missão da TTC agora foi além de seu escopo, como a escassez de semicondutores, para integrar os problemas geopolíticos atuais e encontrar soluções.

Sua primeira reunião, no final de 2021, foi obscurecida por um acordo dos EUA para vender submarinos nucleares para a Austrália – onde Canberra decidiu desistir de um acordo comercial com a França, para desgosto das autoridades europeias. Agora, sua segunda reunião está lidando com choques de oferta na sequência da ocupação não provocada da Ucrânia pela Rússia.

Falando à CNBC no domingo, Margrethe Vestager, rival da Europa, disse que não achava que o TTC discutiria sanções contra a Rússia.

“Eu não esperava que isso viesse. Achei que a TTC iria focar mais em todas as outras coisas… por exemplo, como integrar organizações sustentáveis, como garantir uma aliança para as pessoas. Como ser selecionado nas empresas, como trabalhar nas cadeias de suprimentos”, disse Vestager.

“Acho que estamos na geopolítica diante de nós agora, sabe, se não tivéssemos o TTC, deveríamos ter descoberto”, disse Wester.

O líder rival da União Europeia já foi chamado de “senhora dos impostos” da Europa pelo ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e foi frequentemente criticado por ir atrás da Big Tech. No entanto, ele diz ter notado uma mudança recente na relação atlântica com o exterior.

“As coisas são muito diferentes do que vimos 2, 4, 6 anos atrás”, disse ele.

Quando perguntado se a invasão da Ucrânia pela Rússia ajudaria a renovar o Oceano Atlântico, ele disse: “Eu certamente acho que sim”.

“Ele simplesmente veio ao nosso conhecimento então [nations] Temos que nos unir”, disse.

READ  Os vencedores do Prêmio Ambiental do Príncipe William Earthshot foram anunciados