abril 14, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Especialistas alertam que os ataques no Mar Vermelho fazem parte de uma conspiração do “eixo de resistência” iraniano para derrotar os Estados Unidos

Especialistas alertam que os ataques no Mar Vermelho fazem parte de uma conspiração do “eixo de resistência” iraniano para derrotar os Estados Unidos

Notícias

Especialistas alertam que os ataques intensificados a navios comerciais no Mar Vermelho por parte dos rebeldes Houthi são um esforço coordenado e alarmante do Irão para “derrotar os Estados Unidos” e “espalhar a revolução islâmica do Irão”.

“Fingimos que não estamos em guerra. Mas os iranianos e os Houthis estão em guerra connosco”, disse Bill Roggio, membro da Fundação para a Defesa das Democracias, ao jornal na quarta-feira.

Na terça-feira, militantes apoiados pelo Irão lançaram um novo ataque a outro navio no Mar Vermelho – uma artéria marítima vital – e atacaram um navio porta-contentores a caminho da Arábia Saudita para o Paquistão com mísseis navais.

Um alto funcionário militar dos EUA disse na semana passada que o grupo lançou pelo menos 100 ataques a 14 navios mercantes e comerciais diferentes no Mar Vermelho no mês passado. CNN relatou.

Mas afundar navios não é o objetivo final dos ataques, segundo Roggio.

O especialista militar disse: “O processo de seleção de alvos por si só é suficiente”.

Ele acrescentou: “Os Houthis e os iranianos são quem determinam a travessia de navios de guerra em alto mar. “Isso é inacreditável e o mundo parece impotente para impedi-lo.”

Um rebelde Houthi armado a bordo do cargueiro Galaxy Leader, que foi apreendido pelo grupo extremista Houthi em novembro. Yahya Arhab/EPA-EFE/Shutterstock

As forças Houthi intensificaram os seus ataques a navios que passavam pelo Estreito de Bab al-Mandab – a entrada sul do Mar Vermelho e um corredor vital para o comércio no Mediterrâneo – após o ataque do Hamas a Israel em 7 de Outubro e a guerra que se seguiu em Gaza, alegando que eles tinham como alvo apenas navios destinados à nação judaica.

READ  Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo

Mas o grupo disparou repetidamente contra navios, e até abordou-os, sem qualquer ligação clara com Israel.

Os ataques tornaram-se um problema tão grande que cinco das maiores companhias marítimas do mundo, incluindo a Maersk, a BP e a MSC Mediterranean, suspenderam as operações no Mar Vermelho.

Roggio disse que ditar os termos para a passagem por uma das rotas marítimas mais importantes do mundo e perturbar o comércio em todo o mundo é o verdadeiro objetivo dos Houthis – e parte de uma conspiração iraniana para expulsar os Estados Unidos do Médio Oriente.

“Tudo isto faz parte de um plano iraniano mais amplo para derrotar os Estados Unidos, para fazer com que os Estados Unidos abandonem o Médio Oriente, para que possam espalhar a revolução islâmica iraniana no Iraque e na Síria, e no Líbano. Ele explicou que derrotar Israel significa derrotar os sauditas.

“Os Houthis estão desempenhando o seu papel.”

Navio de carga MSC Mediterrâneo no Canal de Suez. A companhia marítima é uma das várias cujas operações foram interrompidas no Mar Vermelho. Mohamed Hossam/EPA-EFE/Shutterstock

Os Houthis controlam a capital do Iémen desde 2015 e estão a travar uma guerra civil contra as forças apoiadas pela Arábia Saudita pelo controlo total do país.

Eles são apenas um dos muitos grupos extremistas na região – incluindo o Hamas e o Hezbollah do Líbano – que recebem o seu apoio e ordens do Irão e se autodenominam “Eixo da Resistência”.

“São milícias, principalmente milícias xiitas, que são apoiadas, financiadas e treinadas pelos iranianos. Roggio disse: Milícias iraquianas e milícias sírias atacando bases americanas no Iraque e na Síria.

Se os Houthis conseguirem perturbar o comércio na região de forma significativa o suficiente para forçar os Estados Unidos a convencer Israel a abandonar a sua campanha para eliminar completamente o Hamas em Gaza, seria uma grande vitória para a influência iraniana no mundo.

READ  Moradores de Tucson espalhados na Polônia para prestar assistência a refugiados ucranianos

Roggio explicou: “Se o Hamas sobreviver a esta guerra, será uma derrota para Israel, uma vitória para o eixo da resistência e uma vitória para o Irão”.

Ele acrescentou: “Eles provarão que o Irão e os seus aliados são capazes de dirigir os resultados políticos das guerras no Médio Oriente”.

Um navio da Marinha dos EUA intercepta mísseis e drones lançados pelos Houthis no Mar Vermelho em outubro. Marinha dos EUA/AFP via Getty Images

Os Estados Unidos responderam à escalada de ataques no Mar Vermelho enviando o grupo de ataque do porta-aviões USS Eisenhower para a região como parte da Operação Prosperity Sentinel, lançada em 18 de dezembro.

Na terça-feira, as forças dos EUA derrubaram uma barragem de mísseis Houthi e atacaram drones durante um ataque de 10 horas no Mar Vermelho.

Mas Roggio alerta que esta estratégia de defesa, sem agressão, é inútil.

Ele disse que a relutância do governo Biden em responder com força é uma vitória para o Irã.

“Ensinamos aos nossos inimigos e oponentes que não somos sérios e que não devemos ser levados a sério”, disse ele.

Roggio acrescentou que, em vez de os Estados Unidos temerem a escalada, Biden precisa fazer com que os iranianos temam os Estados Unidos.

“Não temos de travar uma guerra total com o Irão. Mas temos certamente a capacidade de fazer com que os iranianos paguem o preço.”

Se os iranianos quiserem jogar esse jogo, você terá que desmascarar o blefe deles. Caso contrário, eles continuarão. O que eles estão fazendo agora está funcionando, é interromper o transporte internacional. Por quanto tempo vamos lidar com isso?”

Carregue mais…




https://nypost.com/2023/12/27/news/red-sea-attacks-a-part-of-iranian-axis-of-resistance-plot-to-defeat-us-experts-warn/?utm_source =url_sitebuttons&utm_medium=site%20buttons&utm_campaign=site%20buttons

Copie o URL de compartilhamento