julho 22, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Eleições no Irã: presidente enfrenta reformismo duro nas eleições

Eleições no Irã: presidente enfrenta reformismo duro nas eleições

fonte da imagem, Obturador

legenda da imagem, Dr. Masoud Bejeshkian (esquerda) contra Saeed Jalili (direita).

  • autor, Tom Bennet
  • estoque, BBC Notícias

Uma votação para eleger um novo presidente iraniano está em andamento, enquanto um conservador linha-dura enfrenta um reformista.

Depois de nenhum candidato ter obtido a maioria na primeira volta das eleições de 28 de junho, foi registada uma participação eleitoral historicamente baixa de 40%.

Um deles, o Dr. Massoud Pezeshkian, um antigo cirurgião cardíaco, critica a notória polícia moral do Irão – mas o seu rival, Saeed Jalili, apoia o status quo.

A eleição foi convocada depois que o anterior presidente do Irã, Ibrahim Raisi, morreu em um acidente de helicóptero em maio.

O Dr. Pezeshkian causou agitação depois de prometer acabar com a “unificação e harmonização” e o “isolamento” do Irão do mundo.

Ele apelou a “negociações construtivas” com as potências ocidentais sobre a renovação do acordo nuclear de 2015, no qual o Irão concordou em reduzir o seu programa nuclear em troca do alívio das sanções ocidentais.

Jalili, um antigo negociador nuclear com forte apoio entre a maioria das comunidades religiosas do Irão, é conhecido pela sua firme posição antiocidental e pela sua oposição à restauração do acordo nuclear, que, segundo ele, ultrapassa as “linhas vermelhas” do Irão.

Para se candidatarem, ambos os candidatos devem passar por um processo de verificação conduzido pelo Conselho Guardião, um órgão de 12 clérigos e juristas que exercem um poder considerável no Irão.

Esse processo eliminou 74 candidatos, incluindo muitas mulheres, da disputa.

legenda da imagem, O ex-cirurgião cardíaco Dr. Masoud Besheshkian é descrito como um candidato curinga

Após anos de agitação civil – culminando em protestos anti-regime que abalaram o país em 2022-23 – muitos iranianos jovens e de classe média desconfiaram profundamente do sistema e anteriormente recusaram-se a votar.

A apatia dos eleitores poderá ser um factor determinante na segunda volta, já que a participação na primeira volta é a mais baixa desde a revolução iraniana de 1979.

Nas redes sociais iranianas, a hashtag persa “minoria traidora” está a tornar-se viral, instando as pessoas a não votarem em nenhum candidato e chamando aqueles que o fazem de “traidores”.

Mas o Líder Supremo, Aiatolá Ali Khamenei, rejeitou sugestões de que a baixa participação sinalizava uma rejeição do seu governo.

“Há razões [behind the low turnout] E os políticos e sociólogos irão examiná-los, mas se alguém pensa que os não-eleitores são anti-establishment, está claramente enganado”, disse ele.

legenda da imagem, Em 2022-23, protestos contra o regime engolfaram o Irão

Numa atitude rara, reconheceu que alguns iranianos desaprovam o actual regime. “Nós os ouvimos, sabemos o que dizem, não é como se estivessem escondidos e invisíveis”, disse Khamenei.

Dentro do Irão, os meios de comunicação locais encorajaram as pessoas a votar.

O diário reformista Sasandegi disse que “o futuro está ligado ao seu voto”, enquanto o jornal Hammihan disse “agora é a sua vez”.

O diário Hamshahri, administrado pelo município de Teerã, publicou um artigo intitulado “100 razões para votar”, enquanto o diário Jam-e Jam, administrado pela emissora estatal, disse que o Irã estava “esperando pelo povo”.

A previsão é que os resultados preliminares sejam divulgados na manhã de sábado.