fevereiro 28, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Dezenas de palestinos foram mortos em ataques israelenses a Rafah

Dezenas de palestinos foram mortos em ataques israelenses a Rafah

Ataques aéreos israelenses mataram pelo menos 44 palestinos – incluindo mais de uma dúzia de crianças – na cidade de Rafah, no sul de Gaza, no sábado, horas depois de o primeiro-ministro israelense ter dito que havia pedido ao exército que planejasse a evacuação de centenas de milhares de pessoas lá com antecedência. de cronograma. Terra Invadir.

Benjamin Netanyahu não forneceu detalhes nem cronograma, mas o anúncio gerou pânico e alertas por parte dos diplomatas. Mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza estão amontoados em Rafah, muitos deles tendo cumprido as ordens de evacuação israelitas que agora cobrem dois terços da Faixa. Não está claro para onde eles poderão correr em seguida.

Israel diz que Rafah, que faz fronteira com o Egito, é o último reduto remanescente do Hamas em Gaza depois de mais de quatro meses de guerra desencadeada pelo bloqueio. Ataque do Hamas em 7 de outubro.

O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shoukry, alertou que qualquer ataque terrestre israelita a Rafah teria “graves consequências” e sublinhou que Israel pretende, em última análise, forçar os palestinianos a sair das suas terras.

Shoukry disse também que o Egipto está a trabalhar para colmatar o fosso entre as partes em conflito para chegar a um cessar-fogo permanente e libertar os restantes reféns que foram feitos em 7 de Outubro em troca da libertação de prisioneiros palestinianos em Israel. Ele acrescentou: “As negociações são complicadas”.

Há cada vez mais atritos entre Netanyahu e os Estados Unidos, cujos responsáveis ​​disseram que invadir Rafah sem um plano para a população civil levaria ao desastre.

Israel realiza ataques aéreos em Rafah quase diariamente, mesmo depois de ter dito aos civis nas últimas semanas para procurarem abrigo lá para escapar dos actuais combates terrestres em Khan Yunis, ao norte.

Da noite para o sábado, três ataques aéreos contra casas na área de Rafah mataram 28 pessoas, de acordo com uma autoridade de saúde e jornalistas da Associated Press que viram corpos chegando a hospitais. Cada ataque matou vários membros de três famílias, incluindo 10 crianças, a mais nova das quais tinha 3 meses de idade.

Fadel Al-Ghanem disse que um dos ataques destruiu os corpos de seus entes queridos. Ele perdeu o filho, a nora e quatro netos.

Ele teme que o pior seja uma invasão terrestre de Rafah e disse que o silêncio do mundo permitiu que Israel avançasse. Ele acrescentou: “Até hoje, o mundo não tem sido justo conosco”.

Mais tarde no sábado, um ataque aéreo israelense contra uma casa em Rafah matou pelo menos 11 pessoas, incluindo três crianças, segundo Ahmed Al-Sawaf, prefeito de Rafah. Os mortos foram transferidos para o Hospital Abu Youssef Al-Najjar, de acordo com um jornalista da Associated Press. Duas outras batidas mataram dois policiais e três policiais civis de alto escalão, segundo autoridades municipais.

Em Khan Yunis, as forças israelenses abriram fogo contra o Hospital Nasser, o maior hospital da região, matando pelo menos duas pessoas e ferindo outras cinco, segundo a instituição de caridade médica Médicos Sem Fronteiras.

Ahmed Al-Mughrabi, médico do hospital, disse num post no Facebook que tanques israelenses chegaram aos portões do hospital na manhã de sábado.

O porta-voz do Ministério da Saúde, Ashraf Al-Qudra, disse que os funcionários do hospital não podiam mais se movimentar entre os edifícios devido à intensidade do incêndio. Ele acrescentou que 300 profissionais de saúde, 450 pacientes e 10 mil deslocados estão abrigados lá.

O exército israelita disse que as forças não estavam actualmente a operar dentro do hospital e descreveu a área circundante como uma “zona de combate activa”.

Quase 80% da população de Gaza foi deslocada e a região mergulhou no caos Crise humanitária Com a escassez de alimentos e serviços médicos.

Palestinos inspecionam a destruição após um ataque israelense a Rafah, na Faixa de Gaza, sábado, 10 de fevereiro de 2024.

Fátima Shabir/AP


Fadel Al-Ghannam perdeu o filho, a nora e quatro netos num dos ataques. Parado entre os escombros, ele disse que o ataque despedaçou os corpos de seus entes queridos.

Ele temia ainda pior, com uma iminente invasão terrestre de Rafah, e disse que o silêncio do mundo permitiu a Israel avançar. Ele acrescentou: “Até hoje, o mundo não tem sido justo conosco e não nos deu os nossos direitos”.

Mais tarde no sábado, um ataque aéreo israelense contra uma casa em Rafah matou pelo menos 11 pessoas, incluindo três crianças, segundo Ahmed Al-Sawaf, prefeito de Rafah. Os mortos foram transferidos para o Hospital Abu Youssef Al-Najjar, de acordo com um jornalista da Associated Press. Duas outras batidas mataram dois policiais e três policiais civis de alto escalão, segundo autoridades municipais.

Em Khan Yunis, as forças israelenses abriram fogo contra o Hospital Nasser, o maior hospital da região, matando pelo menos duas pessoas e ferindo outras cinco, segundo a instituição de caridade médica Médicos Sem Fronteiras.

Ahmed Al-Mughrabi, médico do hospital, disse num post no Facebook que tanques israelenses chegaram aos portões do hospital na manhã de sábado.

O porta-voz do Ministério da Saúde, Ashraf Al-Qudra, disse que os funcionários do hospital não podiam mais se movimentar entre os edifícios devido à intensidade do incêndio. Ele acrescentou que 300 profissionais de saúde, 450 pacientes e 10 mil deslocados estão abrigados lá.

O exército israelita disse que as forças não estavam actualmente a operar dentro do hospital e descreveu a área circundante como uma “zona de combate activa”.

O número de mortos continua a aumentar

O Ministério da Saúde de Gaza disse no sábado que os corpos de 117 pessoas mortas em ataques aéreos israelenses foram transferidos para hospitais nas últimas 24 horas, elevando o número total de mortos no ataque para 28.064, a maioria mulheres e crianças. O ministério disse que mais de 67.000 pessoas ficaram feridas.

Israel declarou guerra depois de vários milhares de combatentes do Hamas atravessarem a fronteira para o sul de Israel em 7 de outubro, matando 1.300 pessoas e fazendo 250 reféns. Nem todos eles ainda estão vivos.

Israel responsabiliza o Hamas pelas mortes de civis porque luta dentro de áreas civis, mas as autoridades americanas apelaram a mais ataques cirúrgicos. O presidente Joe Biden disse esta semana que a resposta de Israel foi “exagerada”.

O gabinete de Netanyahu afirma que é impossível eliminar o Hamas enquanto quatro brigadas afiliadas ao Hamas permanecerem em Rafah.

O Egito alertou que qualquer movimento palestino para o Egito ameaçaria o tratado de paz de quatro décadas entre Israel e o Egito. A passagem fronteiriça de Rafah, que está praticamente fechada, é o principal ponto de entrada da ajuda humanitária.

A população de Rafah antes da guerra era de cerca de 280 mil pessoas, e as Nações Unidas dizem que hoje é o lar de cerca de 1,4 milhão de pessoas adicionais que fugiram dos combates em outros lugares.

A ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, alertou que um ataque israelita a Rafah seria uma “catástrofe humanitária em formação”, acrescentando no X que “as pessoas em Gaza não podem desaparecer no ar”.

Um palestino salva sua propriedade após um ataque israelense a Rafah, na Faixa de Gaza, sábado, 10 de fevereiro de 2024.

Fátima Shabir/AP


Destruição no norte de Gaza

O ataque israelita causou destruição generalizada, especialmente no norte de Gaza, e centenas de milhares de pessoas já não têm casa.

No bairro de Tal al-Hawa, na Cidade de Gaza, dois paramédicos do Crescente Vermelho Palestino foram encontrados mortos no sábado dentro de uma ambulância destruída, após terem desaparecido há 12 dias. Eles correram para resgatar Hind Rajab, de 6 anos, que viajava com sua família para atender às ordens de evacuação.

Os Comitês de Resistência Popular já haviam divulgado a gravação de uma ligação da prima de Hind, na qual ela dizia que o carro havia sido atacado e apenas ela e Hind sobreviveram. O primo ficou em silêncio no meio da ligação.

Os Comitês de Resistência Popular disseram que a missão de resgate foi coordenada com o exército israelense, que não fez comentários.

READ  Macron diz que pode "contar com Xi para chegar a um entendimento com a Rússia", enquanto a Europa busca se reaproximar de Pequim