julho 13, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

De volta a Nova Jersey, onde o universo começou

De volta a Nova Jersey, onde o universo começou

A poucos quilómetros de distância, o físico Robert Dick, da Universidade de Princeton, e os seus alunos começaram a investigar as condições sob as quais o Universo poderia ter começado, se assim fosse. Eles concluíram que qualquer explosão tão grande teria que ser quente o suficiente para sustentar reações termonucleares, a milhões de graus, a fim de sintetizar os elementos pesados ​​a partir do hidrogênio primordial.

Eles perceberam que esta energia ainda deve estar lá. Mas à medida que o Universo se expandia, a bola de fogo primordial teria arrefecido alguns graus Kelvin acima do zero absoluto, o que, calcularam, colocaria a radiação cósmica na região das micro-ondas do espectro electromagnético. (O grupo não sabia, ou esqueceu, que o mesmo cálculo tinha sido feito vinte anos antes pelo físico George Gamow e seus colaboradores na Universidade George Washington.)

Dr. Dick recrutou dois estudantes de pós-graduação – David Wilkinson, um instrumentista talentoso, e James Peebles, um teórico – para tentar detectar essas microondas. Enquanto o grupo se reunia para decidir um plano de ação, o telefone tocou. Era o Dr. Penzias. Quando o Dr. Dick desligou, ele se voltou para sua equipe. Ele disse: “Pessoal, acabamos de ser um alvo”.

As duas equipes se reuniram e escreveram dois artigos, que foram publicados consecutivamente na Physical Review Letters. O grupo do Bell Labs descreveu o ruído de rádio, e o grupo de Princeton sugeriu que poderia ser o calor residual do Big Bang – “talvez cada lado pense, bem, o que fizemos está certo, mas o outro pode não estar”, diz o Dr. Wilson disse.

Ele acrescentou: “Acho que Arnold e eu queríamos deixar em aberto a ideia de que havia outra fonte de entusiasmo”. “Mas é claro que não deu certo.”

READ  A NASA está trabalhando para resolver uma falha no computador da Voyager 1 a bilhões de quilômetros de distância