maio 28, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Como a Rússia pode tentar contornar as sanções petrolíferas da UE

Como a Rússia pode tentar contornar as sanções petrolíferas da UE

A proibição parcial imposta pela União Européia abrange o petróleo russo trazido para o bloco por via marítima, com exceção concedida para importações entregues por oleoduto após oposição da Hungria.

Átila Kispendek | Afp | Imagens Getty

Moscou poderia responder às sanções europeias ao petróleo russo procurando outros compradores de seu petróleo ou cortando a produção para manter os preços altos. Suas ações terão um impacto econômico global – a menos que a Opep intervenha.

Os líderes da União Europeia concordaram na segunda-feira em proibir 90 por cento do petróleo russo até o final do ano como parte do sexto pacote de sanções do bloco contra a Rússia desde a invasão da Ucrânia.

“Está claro que a resposta russa será observada de perto”, disse Helima Croft, chefe de estratégia global de commodities da RBC Capital Markets, em nota na terça-feira.

Rússia O terceiro maior produtor de petróleo do mundo Depois dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, é o segundo maior exportador de petróleo bruto depois da Arábia Saudita, segundo a Agência Internacional de Energia.

“O que está acontecendo agora mudará o comércio de petróleo e gás natural no futuro. Os preços do petróleo não cairão tão cedo, e os efeitos das sanções russas serão sentidos por alguns anos”, disse Hussein Al-Askari, um professor da Universidade George Washington. Escola de Negócios da Universidade. Os Estados Unidos deveriam ter usado fortes sanções preventivas à Rússia e sido mais duros com os produtores de petróleo da OPEP para aumentar a produção de petróleo.

Leia mais sobre energia da CNBC Pro

Encontre outros compradores

Se a Rússia pode descarregar o petróleo sancionado e quanto pode vender afetará os preços do petróleo globalmente. Aproximadamente 36% das importações de petróleo da UE vêm da Rússia.

Mikhail Ulyanov, representante permanente da Rússia em organizações internacionais em Viena, disse que seu país procurará outros compradores para seu petróleo.

“Como ela disse ontem, a #Rússia encontrará outros importadores”, disse Ulyanov via Twitter, referindo-se à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Se esses barris encontrarem casas na Índia, China e Turquia, pode depender se a UE optar por direcionar serviços de transporte e seguros e se os EUA optarem por impor sanções secundárias ao estilo do Irã”, escreveu Croft, do RBC.

Moscou já tem dois potenciais compradores para seu petróleo: China e Índia. Países estavam comprando petróleo russo com desconto Observadores da indústria dizem que isso deve continuar.

Enquanto a Índia tradicionalmente importa muito pouco petróleo bruto da Rússia – apenas 2% a 5% ao ano, De acordo com observadores do mercado Suas compras aumentaram nos últimos meses.

A Índia comprou 11 milhões de barris em março, e esse número saltou para 27 milhões em abril e 21 milhões em maio, segundo dados da empresa de dados de commodities Kpler. Isso contrasta fortemente com os 12 milhões de barris que comprou da Rússia em todo o ano de 2021.

A China já era o maior comprador individual de petróleo russo, mas suas compras de petróleo também aumentaram. De março a maio, comprou 14,5 milhões de barris – um aumento de três vezes em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Kpler.

cortes de produção

A Rússia também poderia reduzir sua produção e exportações de petróleo bruto para amortecer o golpe em suas finanças. O vice-chefe da petrolífera russa Lukoil, Leonid Fedun, disse no domingo que o país deve reduzir a produção de petróleo em até 30% para elevar os preços e evitar a venda de barris com desconto.

“As autoridades em Washington expressaram preocupação de que Moscou possa agir para reverter o declínio ordenado do fim do ano cortando as exportações durante o verão para infligir o máximo de dor econômica à Europa e testar a determinação coletiva dos Estados membros de defender a Ucrânia”, disse Croft. Terça-feira.

Ela acrescentou que, dado o estoque “alarmantemente baixo” e a escassez de capacidade de refino, uma interrupção preventiva da produção russa pode ter um impacto econômico muito prejudicial neste verão.

“Para a Rússia, acreditamos que o impacto dos menores volumes de exportação este ano será compensado principalmente por preços mais altos”, escreveu Edward Gardner, economista de commodities da Capital Economics, em nota na terça-feira. Ele espera que a produção e as exportações de petróleo da Rússia diminuam cerca de 20% até o final do ano.

Práticas de envio “enganosas”

Desde o início da Guerra Russo-Ucraniana, houve 180 mudanças na propriedade de navios de entidades russas para não russas, de acordo com a empresa de inteligência artificial naval Windward, que citou seus próprios dados.

Essas mudanças, registradas em apenas três meses, foram na verdade mais da metade das mudanças de propriedade de navios russos em todo o ano de 2021, disse Windwards.

Muitos dos navios russos foram vendidos para empresas sediadas principalmente em Cingapura, Turquia, Emirados Árabes Unidos e Noruega, de acordo com Windward.

READ  As forças israelenses resgatam dois reféns em um ataque dramático a Gaza que matou pelo menos 67 palestinos.