maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Cientistas resolvem o mistério do combustível desaparecido de Marte

Cientistas resolvem o mistério do combustível desaparecido de Marte

Por quase dois anos, os engenheiros da NASA estavam preocupados com o fato de que o suprimento de combustível da Mars Odyssey estava acabando. O que traz um fim trágico para a preciosa espaçonave. Mas, ao que parece, eles calcularam mal o que sobrou no tanque de gasolina do orbitador e que não havia problema em ficar por mais dois anos, de acordo com NASA.

A Mars Odyssey orbita o Planeta Vermelho há mais de duas décadas, percorrendo o equivalente a 1,37 bilhão de milhas (2,21 bilhões de quilômetros) no espaço. Quando foi lançado em 2001, o orbitador tinha 500 libras (225,3 kg) de propelente de hidrazina para movê-lo em sua órbita. viagens sobre Marte. No entanto, o que a Odyssey não faz seja medidor de combustível, tornando difícil para os controladores de missão Para determinar Exatamente quanto combustível está em órbita deixado em seu armário.

Para verificar o abastecimento de combustível do orbitador, a equipe por trás da missão vai aquecer os dois tanques de combustível da espaçonave e ver quanto tempo leva para atingir uma determinada temperatura. “Assim como um bule de chá, um tanque de combustível quase vazio aquecerá mais rápido do que um tanque cheio”, escreve a NASA. Não é perfeito, mas ainda dá ao Controle da Missão uma boa estimativa de quanta gasolina resta no tanque, por assim dizer.

No verão de 2021, as estimativas de combustível pareciam indicar que o Odyssey estava acabando com cerca de 11 libras (5 quilos) de propulsor restante. Mais tarde, em janeiro de 2022, os cálculos da equipe mostraram que restavam apenas 6 libras (2,8 kg) de hidrazina, de acordo com a NASA. Isso significa que a missão ficará sem combustível em menos de um ano, mais cedo do que a equipe esperava.

READ  A primeira imagem foi tirada de um buraco negro no centro da Via Láctea

A Odyssey tirou esta imagem de uma duna marciana em 2006.
foto: NASA/JPL-Caltech/Universidade Estadual do Arizona

Os engenheiros da expedição estavam perdidos; Ou a espaçonave estava vazando combustível ou seus cálculos estavam simplesmente errados. Eles passaram meses tentando descobrir antes de contratar um consultor externo, Boris Endler, especialista em estimativa de combustível de espaçonaves.

Depois de estudar o funcionamento interno da Odyssey, Endler determina a razão por trás do desaparecimento do Fuel. O orbitador usa aquecedores para evitar que suas partes congelem nas profundezas do espaço, e um de seus aquecedores, que conecta os tanques de combustível, vem fazendo com que o propelente aqueça em um ritmo mais rápido do que o esperado. Como resultado, as tentativas da equipe de estimar quanto combustível restava no Odyssey foram frustradas, pois o propelente esquentou mais rápido do que o esperado, levando-os a acreditar que havia menos combustível no tanque do orbitador.

“Nosso método de medição foi bom. O problema é que a dinâmica dos fluidos que ocorre a bordo do Odyssey é mais complexa do que pensávamos”, disse Jared Cole, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia, no comunicado. Quero dizer, isso soa um pouco defensivo, mas tudo bem.

A equipe por trás da missão voltou à prancheta, calculando quanto combustível restava no Odyssey enquanto contabilizava o excesso de calor. Acontece que o orbitador está pronto para ir até 2025. Mas isso não significa que é contente, A equipe ainda está trabalhando para melhorar as medições.

“É um pouco como o nosso processo de descoberta científica”, disse Cole. “Você está explorando um sistema de engenharia e não sabe o que vai encontrar. E quanto mais você olha, mais encontra do que esperava.”

Odyssey é um membro valioso da frota da NASA em Marte. A sonda não apenas transmite dados entre o centro de controle terrestre da NASA e seus dois rovers em Marte, mas também ajuda a detectar minerais, depósitos de gelo e possíveis locais de pouso no Planeta Vermelho. Esperançosamente, ainda resta algum gás em seu tanque para a espaçonave, continuando seu legado de 22 anos.

mais: O rover Curiosity descobre evidências claras de água antiga em Marte