junho 16, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Chips dificultam saída dos Estados Unidos da China

Chips dificultam saída dos Estados Unidos da China

Em maio, a fabricante de chips Micron Technologies, com sede em Idaho, foi duramente atingida como parte da guerra tecnológica entre os EUA e a China. O governo chinês proibiu as empresas que lidam com informações confidenciais de comprar chips Micron, dizendo que a empresa falhou em uma revisão de segurança cibernética.

Micron disse A mudança pode destruir aproximadamente um oitavo de sua receita global. No entanto, em junho, a fabricante de chips anunciou que aumentaria seu investimento na China – acrescentando US$ 600 milhões para expandir uma instalação de empacotamento de chips na cidade chinesa de Xi’an.

“Este projeto de investimento demonstra o compromisso inabalável da Micron com seus negócios e equipe na China”, disse um anúncio publicado na conta de mídia social chinesa da empresa.

As empresas globais de semicondutores encontram-se em uma posição muito difícil ao tentar abrir uma brecha crescente entre os Estados Unidos e a China. A indústria de semicondutores tornou-se o marco zero da rivalidade tecnológica entre Washington e Pequim, com novas restrições e medidas punitivas impostas por ambos os lados.

Autoridades dos EUA dizem que os produtos dos EUA alimentaram programas militares e de vigilância chineses que vão contra os interesses de segurança nacional dos EUA. Eles impuseram limites cada vez mais rígidos sobre o tipo de chips e equipamentos de fabricação de chips que podem ser enviados para a China e estão oferecendo novos incentivos, incluindo subsídios e isenções fiscais, para fabricantes de chips que optarem por construir novas operações nos Estados Unidos.

Mas pode levar anos para construir fábricas, e as relações entre as empresas permanecem fortes. A China é um importante mercado para chips, pois abriga muitas fábricas que fabricam produtos ricos em chips, incluindo smartphones, lava-louças, carros e computadores, que são exportados para todo o mundo e comprados por consumidores na China.

READ  BMW apresenta carro elétrico para competir com Tesla e chinesa BYD

No geral, a China responde por quase um terço das vendas globais de semicondutores. Mas para alguns fabricantes de chips, o país responde por 60% ou 70% de sua receita. Mesmo quando os chips são fabricados nos EUA, eles geralmente são enviados à China para montagem e teste.

“Não podemos simplesmente apertar um botão e de repente dizer que é preciso tirar tudo da China”, disse Emily S. Weinstein, pesquisadora do Georgetown Center on Security and Emerging Technology.

A dependência da indústria em relação à China destaca como o relacionamento econômico próximo – mas altamente contencioso – entre Washington e Pequim representa desafios para ambos os lados.

Essas tensões se refletiram durante a visita da secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, a Pequim esta semana, onde ela tentou caminhar sobre uma linha tênue ao criticar algumas das práticas da China enquanto insistia que os Estados Unidos não procuram romper os laços com o país.

A Sra. Yellen criticou as recentes medidas punitivas da China contra empresas estrangeiras, incluindo a limitação da exportação de alguns metais usados ​​para fabricar chips, e sugeriu que tais medidas foram a razão pela qual o governo Biden tentou tornar os fabricantes americanos menos dependentes da China. Mas ela também enfatizou que a relação entre os Estados Unidos e a China é estratégica e importante.

“Deixei claro que os Estados Unidos não buscam uma dissociação completa de nossas economias”, disse Yellen durante uma mesa redonda com empresas americanas que operam na China. Buscamos diversificação, não separação. A dissociação das duas maiores economias do mundo desestabilizaria a economia global e seria praticamente impossível fazê-lo.”

O governo Biden está se preparando para começar a investir pesadamente na fabricação de semicondutores dos EUA para atrair fábricas para fora da China. Ainda este ano, espera-se que o Departamento de Comércio comece a distribuir fundos para ajudar as empresas a construir instalações de chips nos Estados Unidos. O dinheiro virá com condições: as empresas que recebem financiamento devem abster-se de expandir as instalações de fabricação de alta tecnologia na China.

READ  Crash do Bitcoin (BTC) devido à escalada das tensões entre a Rússia e a Ucrânia

O governo também está considerando mais restrições aos chips que podem ser enviados para a China, como parte de um esforço para expandir e acabar com as restrições abrangentes emitidas em outubro passado.

Essas medidas podem incluir possíveis restrições às vendas para a China de chips avançados usados ​​em inteligência artificial, novas restrições ao acesso de empresas chinesas a serviços de computação em nuvem dos EUA e restrições a investimentos de capital de risco dos EUA no setor de chips chinês, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. planos.

O governo também está considerando suspender as licenças que concedeu a alguns fabricantes de chips dos EUA que lhes permitiram continuar vendendo produtos para a empresa chinesa de telecomunicações Huawei.

O Japão e a Holanda, sede de empresas que fabricam equipamentos avançados de fabricação de chips, também impuseram novas restrições às suas vendas para a China, em parte por insistência dos Estados Unidos.

A China emitiu suas próprias restrições, incluindo novos controles sobre as exportações de metais usados ​​para fabricar chips.

Em meio a regulamentações mais rígidas e novos programas de incentivo dos Estados Unidos e da Europa, as empresas globais de chips estão cada vez mais olhando para fora da China enquanto escolhem os locais para seu próximo grande investimento. Mas é provável que essas instalações demorem anos para serem construídas, o que significa que qualquer mudança no mercado global de semicondutores aparecerá gradualmente.

John Neufer, presidente da Associação da Indústria de Semicondutores, que representa a indústria de chips, disse em um comunicado que a escalada contínua de controles representa um risco significativo para a competitividade global da indústria dos EUA.

“A China é o maior mercado mundial de semicondutores, e nossas empresas simplesmente precisam fazer negócios lá para continuar crescendo, inovando e ficando à frente dos concorrentes globais”, disse ele. “Pedimos soluções que protejam a segurança nacional, evitem danos inadvertidos e permanentes à indústria de chips e evitem futuras escaladas”.

READ  Amazon anuncia divisão de ações de 20 por 1 e recompra de ações de US$ 10 bilhões