julho 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

China insta Israel a cumprir as leis internacionais

China insta Israel a cumprir as leis internacionais
  • O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, teria dito ao seu homólogo israelita, Eli Cohen, num telefonema na segunda-feira, que “todos os países têm o direito à autodefesa, mas todos os países devem respeitar o direito humanitário internacional e proteger a segurança dos civis”.
  • Wang manteve contactos com Cohen e o seu homólogo na Autoridade Nacional Palestiniana, Riyad al-Maliki, antes de conversações com o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e o conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, em Washington.

Uma visão geral dos edifícios destruídos durante os ataques aéreos israelenses no sul da Faixa de Gaza em 23 de outubro de 2023 em Khan Yunis, Gaza.

Ahmed Hasaballah | Notícias da Getty Images | Imagens Getty

A China instou Israel a respeitar o direito humanitário internacional e a proteger a segurança dos civis palestinos na sua guerra contra o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), e apelou à realização de conversações de paz entre os dois lados.

“Todos os países têm direito à autodefesa, mas todos os países devem respeitar o direito humanitário internacional e proteger a segurança dos civis”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, numa chamada telefónica com o seu homólogo israelita, Eli Cohen, na segunda-feira.

“enquanto [any resolution] Conduz à paz e a China irá apoiá-la fortemente. contanto que [any resolution] Ele acrescentou: “Se isso levar à reconciliação palestino-israelense, a China fará todos os esforços”. Leia a ligação de Wang com Cohen.

A guerra israelita contra o Hamas entrou na sua terceira semana e surge depois de o grupo armado palestiniano ter lançado um ataque surpresa ao sul de Israel, em 7 de Outubro. Em resposta, Israel bombardeou a Faixa de Gaza controlada pelo Hamas.

Até agora, o conflito matou pelo menos 1.400 pessoas em Israel e os ataques aéreos de retaliação mataram mais de 5.000 pessoas na Faixa de Gaza. A CNBC não conseguiu verificar esses números de forma independente.

READ  Moradores de Tucson espalhados na Polônia para prestar assistência a refugiados ucranianos

“O atual conflito palestino-israelense afeta o mundo inteiro e envolve grandes escolhas entre guerra e paz”, disse Wang, evitando qualquer referência explícita e pública ao Hamas.

A China também apelou à realização de uma cimeira de paz internacional “mais credível, ampla e eficaz” o mais rapidamente possível. A proposta visa “retomar as negociações de paz para formular um cronograma e um roteiro para a paz entre a Palestina e Israel”, segundo informou a Reuters. Leituras Numa chamada separada na segunda-feira, Wang reuniu-se com o seu homólogo da Autoridade Nacional Palestiniana, Riyad al-Maliki.

O Hamas é uma das duas principais forças políticas nos territórios palestinianos, sendo a outra a Fatah, anteriormente conhecida como Movimento de Libertação Nacional Palestiniana. A Fatah mantém o controle da Autoridade Nacional Palestina na Cisjordânia ocupada por Israel.

Mais cobertura da CNBC sobre a guerra entre Israel e o Hamas

As ligações de Wang na segunda-feira ocorreram enquanto ele se prepara para ir a Washington no final desta semana para reuniões com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e com o conselheiro de segurança nacional do presidente Joe Biden, Jake Sullivan.

Wang disse ao Ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Faisal bin Farhan Al Saud, numa chamada separada em 15 de Outubro, que as acções de Israel “foram além da autodefesa” e que deve responder ao apelo da comunidade internacional para parar a sua “punição colectiva”. Pessoas em Gaza.