fevereiro 4, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

China diz que surto de Covid infectou 80% da população | notícias da pandemia de coronavírus

Um importante cientista diz que é improvável que a corrida do Ano Novo Lunar leve a um aumento nos casos de COVID porque a maioria das pessoas já foi infectada.

Um cientista sênior do governo disse que a possibilidade de um ressurgimento em larga escala do COVID-19 na China nos próximos meses é remota, já que 80% da população do país foi infectada.

Wu Zunyu, epidemiologista chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, disse no sábado que o movimento em massa de pessoas durante o atual feriado do Ano Novo Lunar pode espalhar a epidemia, aumentando as infecções em algumas áreas, mas esta é uma segunda onda improvável de COVID no país. Os próximos dois a três meses.

Isso ocorre porque a onda contínua da pandemia – principalmente impulsionada por vários sub-ramos da cepa Omicron – “já infectou 80% da população”, foi citado na plataforma de mídia social Weibo.

A declaração de Wu ocorreu no momento em que centenas de milhões de chineses viajam pelo país para o feriado de reencontro, que foi suspenso devido às restrições recentemente aliviadas do COVID-19.

Com cerca de cinco bilhões de viagens de passageiros esperadas, aumentaram os temores de novos surtos em áreas rurais menos equipadas para lidar com o alto número de infecções.

Mas o governo agiu para acalmar os temores, com a Comissão Nacional de Saúde dizendo na quinta-feira que a China ultrapassou o pico de pacientes com COVID-19 em clínicas de febre, salas de emergência e em casos críticos.

Quase 60.000 pessoas com COVID-19 morreram no hospital em 12 de janeiro, de acordo com dados do governo, quase um mês depois que a China desmantelou abruptamente sua política de ausência de COVID.

READ  Uma baleia beluga resgatada do rio Sena foi sacrificada enquanto estava em trânsito, segundo autoridades francesas

Mas alguns especialistas disseram que esse número pode ter sido muito menor do que o efeito total, porque exclui aqueles que morrem em casa e porque muitos médicos disseram que desencorajam mencionar o COVID-19 como a causa da morte.