junho 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Chevron compra petrolífera norte-americana Hess por 53 mil milhões de dólares

Chevron compra petrolífera norte-americana Hess por 53 mil milhões de dólares

Abra o Editor’s Digest gratuitamente

A Chevron concordou em comprar a produtora norte-americana de petróleo e gás Hess num negócio de ações no valor de 53 mil milhões de dólares, no mais recente passo no impulso ao setor energético dos EUA.

O acordo avalia as ações da Hess em US$ 53 bilhões, com o valor total do negócio, incluindo a dívida da empresa, em US$ 60 bilhões. Isso ocorre depois que a ExxonMobil adquiriu a Pioneer Natural Resources no início deste mês por um valor empresarial de US$ 64 bilhões.

O acordo surge num momento em que as empresas energéticas dos EUA procuram explorar os enormes lucros criados pela crise energética para impulsionar um sector que enfrenta desafios a longo prazo, à medida que os países desenvolvidos tentam reduzir drasticamente a sua dependência dos combustíveis fósseis.

Mas as principais empresas energéticas dos EUA, como a Chevron e a Exxon Mobil, atribuíram em grande parte o seu futuro à resiliência a longo prazo da procura de petróleo e gás, e estão ansiosas por construir escala na área de xisto dos EUA, ao lado da região fronteiriça da Guiana, em rápido crescimento.

A sua posição contrasta com a de algumas grandes empresas energéticas europeias, como a BP e a TotalEnergies, que estão a aumentar os investimentos em energias renováveis ​​a um ritmo mais rápido do que os seus homólogos dos EUA.

Numa entrevista antes do anúncio da aquisição, o CEO da Chevron, Mike Wirth, defendeu os planos da empresa de continuar a aumentar a sua produção de petróleo e gás, argumentando que a Chevron “não está a vender um produto mau. Estamos a vender um bom produto”.

READ  Ações, dados, notícias e ganhos

Criticou também as previsões da Agência Internacional de Energia, o órgão fiscalizador da energia no mundo desenvolvido, que mostram que a procura por combustíveis fósseis atingirá o pico antes do final desta década.

“Não creio que eles estejam certos”, disse Wirth ao Financial Times. “Você pode construir cenários, mas vivemos no mundo real e temos que alocar capital para atender às demandas do mundo real.”

O acordo “posiciona a Chevron para melhorar o nosso desempenho a longo prazo e melhorar ainda mais o nosso portfólio premium através da adição de ativos de classe mundial”, disse Wirth num comunicado.

Os ativos de Hess incluem uma participação de 30% em um projeto de exploração de petróleo offshore de 6,6 milhões de acres e 11 bilhões de barris na Guiana, e um projeto de xisto de 465.000 acres em Bakken, Dakota do Norte.

O CEO da Hess, John Hess, que deverá ingressar no conselho da Chevron, disse que a fusão criaria uma “empresa líder de energia integrada”.

Hess tem “um dos melhores portfólios de crescimento do setor, incluindo a Guiana, a maior descoberta de petróleo do mundo nos últimos 10 anos, e os campos de xisto de Bakken, onde somos um produtor líder de petróleo e gás”, disse ele.

Como parte do acordo, a Chevron disse que emitiria cerca de 317 milhões de ações ordinárias. A empresa disse que espera que as receitas da venda de ativos aumentem para entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões até 2028, antes dos impostos. O orçamento de despesas de capital da empresa combinada varia entre US$ 19 bilhões e US$ 22 bilhões.

As empresas disseram que esperam obter economias de custos de cerca de US$ 1 bilhão dentro de um ano após o fechamento.

READ  Bitcoin [BTC] As chances de uma recuperação a curto prazo parecem sombrias graças a...

Antes do anúncio, Wirth disse ao Financial Times que os grandes negócios eram “hoje mais difíceis”, observando que as empresas eram mais bem geridas do que quando a Chevron comprou a Texaco por 36 mil milhões de dólares em 2000.

“Isso poderia acontecer? Acho que provavelmente aconteceria”, disse ele, mas acrescentou que os desafios regulatórios aumentaram e reunir grandes empresas poderia ser complicado.

A Chevron foi assessorada pelo Morgan Stanley e pela Evercore no negócio, enquanto a Hess foi assessorada pelo Goldman Sachs e pelo JPMorgan.

Os advogados envolvidos no acordo foram Paul, Weiss, Rifkind, Wharton & Garrison para a Chevron e Wachtel, Lipton, Rosen e Katz para a Hess.