fevereiro 22, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Chefe do FMI diz que IA pode perturbar quase 40% do emprego global antes de Davos

Chefe do FMI diz que IA pode perturbar quase 40% do emprego global antes de Davos

Johannes P. Christou/Reuters

Um participante da reunião do FMI fica perto do logotipo do FMI em Bali, na Indonésia, em 2018.


Hong Kong
CNN

Quase 40% dos empregos em todo o mundo poderão ser afetados pela ascensão da inteligência artificial, uma tendência que deverá aprofundar a desigualdade, segundo o Fundo Monetário Internacional.

no domingo Postagem no blogA presidente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, apelou aos governos para que criem redes de segurança social e forneçam programas de reciclagem para combater o impacto da inteligência artificial.

“Na maioria dos cenários, a IA irá provavelmente agravar a desigualdade geral, uma tendência preocupante que os decisores políticos devem abordar proativamente para evitar que a tecnologia inflame ainda mais as tensões sociais”, escreveu ela antes do Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça. Foi configurado para ser No topo da agenda.

Georgieva observou que à medida que mais trabalhadores e empresas continuam a adaptar a IA, espera-se que isso ajude e prejudique a força de trabalho humana.

Fazendo eco de avisos anteriores de outros especialistas, Georgieva disse que os efeitos deverão ser sentidos mais profundamente nas economias avançadas do que nos mercados emergentes, em parte porque os trabalhadores de colarinho branco são considerados mais vulneráveis ​​do que os trabalhadores manuais.

Nas economias mais desenvolvidas, por exemplo, até 60% dos empregos poderiam ser afetados pela IA. Quase metade deles pode se beneficiar da forma como a IA pode ser aproveitada para aumentar a produtividade, disse ela.

“Na outra metade, as aplicações de IA podem assumir tarefas-chave atualmente executadas por seres humanos, o que poderia reduzir a procura de mão-de-obra, levando a salários mais baixos e a uma redução do emprego”, escreveu Georgieva, citando uma análise do FMI.

READ  Moedas de platina, 14ª emenda podem ser caminhos de saída

“Em casos extremos, algumas destas funções podem desaparecer.”

Nos mercados emergentes e nos países de baixo rendimento, espera-se que 40% e 26% dos empregos sejam afetados pela IA, respetivamente. Os mercados emergentes referem-se a lugares como a Índia e o Brasil que têm um crescimento económico sustentado, enquanto os mercados emergentes referem-se a países de baixo rendimento. Refere-se a Economias em desenvolvimento com rendimento per capita abaixo de um determinado nível, como o Burundi e a Serra Leoa.

“Muitos destes países não têm a infraestrutura ou a mão de obra qualificada necessária para explorar os benefícios da IA, o que aumenta o risco de que, com o tempo, a tecnologia exacerbe a desigualdade”, observou Georgieva.

Ela alertou que o uso da inteligência artificial pode aumentar as chances de agitação social, especialmente se os trabalhadores mais jovens e menos experientes explorarem a tecnologia como uma forma de ajudar a aumentar a sua produção, enquanto os trabalhadores mais velhos lutam para acompanhar.

A inteligência artificial tornou-se um Tópico quente No Fórum Econômico Mundial em Davos no ano passado, onde o ChatGPT conquistou o mundo. A sensação do chatbot, alimentada por inteligência artificial generativa, gerou conversas sobre como mudará a forma como as pessoas trabalham em todo o mundo devido à sua capacidade de escrever artigos, discursos, poemas e muito mais.

Desde então, as atualizações tecnológicas expandiram o uso de chatbots e sistemas de IA, tornando-os mais difundidos e estimulando investimentos maciços.

Algumas empresas de tecnologia já o possuem Ele apontou diretamente para A inteligência artificial como razão para repensar os níveis de emprego.

Embora os locais de trabalho possam mudar, a adoção generalizada da IA ​​poderá, em última análise, aumentar a produtividade do trabalho e impulsionar o PIB global em 7% anualmente ao longo de 10 anos, de acordo com um relatório de março de 2023. apreciação Por economistas da Goldman Sachs.

READ  CFO Roger Hoschild descoberto deixando

Em seu blog, Georgieva também destacou as oportunidades de aumentar a produção e a renda em todo o mundo por meio da inteligência artificial.

“A IA mudará a economia global”, escreveu ela. “Vamos garantir que isso beneficie a humanidade.”