fevereiro 29, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Cessar-fogo em Gaza: o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeita os termos propostos pelo Hamas

Cessar-fogo em Gaza: o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeita os termos propostos pelo Hamas
  • Lyse Doucet, correspondente internacional chefe e Kathryn Armstrong
  • BBC Notícias, Londres

Título do vídeo,

“Estamos caminhando para a vitória completa”, diz o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou os termos de cessar-fogo propostos pelo Hamas – dizendo que uma “vitória total” em Gaza é possível dentro de meses.

Ele falou depois que o Hamas fez uma série de exigências em resposta a uma proposta de cessar-fogo apoiada por Israel.

Netanyahu disse que as conversações com o grupo “não levam a lugar nenhum” e descreveu os seus termos como “estranhos”.

Estão em curso esforços para chegar a um acordo nas negociações.

“Não há outra solução senão a vitória total e final”, disse Netanyahu numa conferência de imprensa na quarta-feira.

“Se o Hamas sobreviver em Gaza, será apenas uma questão de tempo até ao próximo massacre.”

Esperava-se que Israel complicasse a contra-oferta do Hamas, mas a resposta foi uma condenação categoricamente, e as autoridades israelitas consideram claramente a tentativa do Hamas de acabar com a guerra nos seus termos completamente inaceitável.

Um alto funcionário do Hamas, Sami Abu Zuhri, disse à agência de notícias Reuters que os comentários de Netanyahu eram “uma forma de bravata política” e mostravam que ele queria continuar o conflito na região.

Uma nova rodada de negociações mediadas pelo Egito e pelo Catar deverá continuar no Cairo na quinta-feira, disse uma autoridade egípcia à BBC.

O Egito apelou a todas as partes para que demonstrem a flexibilidade necessária para chegar a um acordo pacífico, disse a fonte.

E a rejeição de Netanyahu a um plano “ilusório” contrasta fortemente com os comentários do Qatar, que descreveu a resposta do Hamas como “positiva”.

Um rascunho do documento do Hamas visto pela Reuters lista estes termos:

  • Primeira fase: Uma pausa de 45 dias nos combates fará com que todas as mulheres reféns israelenses, homens com menos de 19 anos, mulheres e crianças palestinas idosas e doentes detidas em prisões israelenses sejam transferidas. As forças israelitas retirar-se-ão das zonas povoadas de Gaza e terá início a reabilitação de hospitais e campos de refugiados.
  • Segunda Fase: Os restantes reféns israelitas do sexo masculino serão transferidos para prisioneiros palestinianos e as forças israelitas retirar-se-ão completamente de Gaza.
  • Terceira Fase: Ambos os lados trocaram restos mortais e corpos.

O acordo proposto aumentaria a entrega de alimentos e outras ajudas a Gaza. No final da pausa de 135 dias nos combates, o Hamas disse que as negociações para acabar com a guerra teriam terminado.

Um ataque do Hamas ao sul de Israel em 7 de outubro do ano passado matou cerca de 1.300 pessoas.

De acordo com o Ministério da Saúde dirigido pelo Hamas, a guerra de retaliação de Israel matou mais de 27.700 palestinos e feriu pelo menos 65.000.

Forças israelenses invadem Rafah

Netanyahu confirmou na quarta-feira que as forças israelenses receberam ordens de se preparar para a ação na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde dezenas de milhares de palestinos fugiram dos combates.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que a expansão do conflito em Rafah iria “aumentar exponencialmente o que já é um pesadelo humanitário” na cidade.

“Tememos a invasão de Rafah”, disse um deslocado à BBC Árabe na passagem de Rafah, perto da fronteira com o Egito.

“Dormimos com medo, sentamos com medo, não há comida, o tempo está frio”.

Os comentários do líder israelense foram um golpe no esforço contínuo dos EUA para chegar a um acordo que o principal diplomata americano, Anthony Blinken, descreveu como “o melhor caminho a seguir”. “.

Durante uma entrevista coletiva na quarta-feira, Blinken disse que havia “alguns pontos de partida claros” no contraplano do Hamas. Mas acrescentou: “Achamos que isto cria espaço para chegar a um acordo e trabalharemos incansavelmente até chegarmos lá”.

Sharon Lifshitz, que estava entre os sequestrados no sul de Israel e levados para Gaza em 7 de outubro, disse ao programa Newshour da BBC que a rejeição de Netanyahu aos termos do cessar-fogo do Hamas foi “definitivamente uma sentença de morte para mais reféns”.

A mãe de Lifshitz, Yocheved, de 85 anos, já foi libertada, mas o seu pai, Odette, permanece em cativeiro.

“Meu pai tem 83 anos, é frágil e não durará muito”, disse ele.

“Não sei se o primeiro-ministro está pensando nele ou se já pensa que é ele quem vai voltar no caixão”.

A posição de Netanyahu destaca o descompasso contínuo e fundamental entre os EUA e Israel sobre o futuro de Gaza.

Ele insiste numa instituição onde Israel mantenha o controlo geral da segurança e Gaza seja gerida por organizações locais que não têm ligações com o Hamas ou qualquer outro grupo.

A visão de futuro de Washington tem como horizonte um Estado palestiniano.

A questão urgente agora é se é possível salvar alguma coisa para continuar estas conversações, para conseguir outra troca de reféns e prisioneiros, para permitir mais ajuda à Faixa de Gaza, para conseguir uma pausa humanitária.

READ  Za'Darius não assinou com Smith Ravens