maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Candidatos derrotados na Indonésia pedem que tribunal desqualifique presidente eleito

Candidatos derrotados na Indonésia pedem que tribunal desqualifique presidente eleito

Escrito por Stanley Widianto e Ananda Teresa

JACARTA (Reuters) – Os candidatos derrotados nas eleições presidenciais da Indonésia entraram com recurso no tribunal nesta quarta-feira contra a eleição do mês passado, acusando o Estado de intromissão e pedindo uma repetição da votação e a desqualificação do vencedor, Prabowo Subianto.

Os ex-governadores Anies Baswedan e Ganjar Prabowo disseram que a vitória retumbante do ministro da Defesa Prabowo foi apoiada pela pressão sobre funcionários regionais da administração do partido e do presidente Joko Widodo, com a ajuda social usada como uma ferramenta para garantir apenas um resultado.

Anis disse que as eleições mostraram que a terceira maior democracia do mundo corria o risco de regressar ao seu passado autoritário e alertou que isso poderia abrir um mau precedente.

“Esta prática seria vista como normal, normalmente”, disse ele ao Tribunal Constitucional.

A administração cessante de Jokowi, como o presidente é amplamente conhecido, rejeitou as acusações de interferência eleitoral.

Prabowo recebeu quase 60% dos votos, ajudado pelo apoio tácito de seu antigo rival popular, Jokowi.

Ele prometeu manter a agenda do seu antecessor de renovação de infra-estruturas, criação de empregos e desenvolvimento de indústrias transformadoras para melhor explorar os vastos recursos minerais da Indonésia.

Anis recebeu um quarto dos votos, enquanto Janjar Branwo, terceiro colocado, recebeu 16%.

Apelo à neutralidade

As contestações aos resultados eleitorais são comuns na Indonésia e espera-se que o tribunal emita a sua decisão em 22 de Abril.

A equipe de Anies instou o tribunal a excluir Prabowo da votação como beneficiário de práticas injustas e pediu-lhe que ordenasse que Jokowi permanecesse neutro em qualquer repetição e não usasse o aparato estatal ou o orçamento para ajudar um único candidato.

READ  Ucrânia: 200 corpos encontrados em um porão sob os escombros de Mariupol

A sua equipa jurídica disse que o conflito de interesses de Jokowi violava uma disposição constitucional que determina eleições justas e justas, bem como uma lei anticorrupção na governação do Estado.

Ele perguntou: “As eleições de 2024 foram realizadas de forma livre, justa e justa?” Anis perguntou ao tribunal. “Respondamos: Não. O que aconteceu foi o contrário.”

Prabowo enfatizou que venceu de forma clara e justa. A sua equipa jurídica disse na quarta-feira que a oferta feita pelos dois candidatos carecia de provas, acrescentando que nunca tinha havido uma repetição de eleições presidenciais na história da Indonésia.

A equipa de Janjar pediu ao tribunal que ordenasse uma repetição das eleições até 26 de junho, desqualificando Prabowo e o seu vice, Gebran Rakabuming Raka, que é filho de Jokowi, dizendo que a sua inclusão de última hora na lista influenciou injustamente a votação.

Acrescentaram que o “nepotismo e abuso de poder” de Jokowi em relação às eleições violaram a constituição, citando a nomeação de Gebran e a nomeação dos seus apoiantes para funções regionais.

“As violações eleitorais são surpreendentes para nós porque destruíram a nossa moral e são um abuso de poder”, disse Ginger no tribunal.

Gebran só pôde concorrer devido a uma mudança repentina nas regras do mesmo tribunal onde o genro de Jokowi, Anwar Usman, era presidente.

Anwar foi proibido de presidir disputas eleitorais desde que a Comissão de Ética o considerou culpado de violações.

Os apoiantes de Jokowi negaram que ele tenha abusado da sua posição para ajudar Prabowo.

O analista eleitoral Titi Anggraini disse que as queixas de Anis e Janjar sobre o papel do filho do presidente nas eleições podem ser difíceis porque o próprio tribunal permitiu que ele concorresse.

READ  Cabul - A polícia afegã disse que uma explosão atingiu uma mesquita na capital afegã

“As pessoas que lideram o seu caso estão no centro dos problemas que rodeiam as eleições de 2024”, acrescentou.

(Reportagem de Stanley Widyanto e Ananda Theresia; edição de Raju Gopalakrishnan, Clarence Fernandes e Alex Richardson)