abril 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Biden rejeita a tentativa de Trump de proteger os registros de audiência da Casa Branca, incluindo o dia dos ataques de 6 de janeiro

Em uma carta aos Arquivos Nacionais, Dana Remus, consultora da Casa Branca, escreveu que a insistência de Biden no privilégio administrativo “não era do melhor interesse dos Estados Unidos e, portanto, não se justificava em relação a partes desses registros e registros”. O jornal New York Times A decisão de Biden foi anunciada pela primeira vez.

Os Arquivos Nacionais forneceram esses documentos à atual Casa Branca para revisão no final de janeiro e incluem “registros de visitantes mostrando informações de reuniões para pessoas habilitadas a entrar nas instalações da Casa Branca, incluindo 6 de janeiro de 2021”.

Remus explicou a decisão do governo, citando a decisão de Trump de bloquear os registros dos espectadores da visão pública sobre alegações de segurança nacional, enquanto o governo Biden “publica voluntariamente esses registros de espectadores mensalmente”, com algumas exceções.

“O governo Obama seguiu o mesmo procedimento. A maioria das contribuições que enfatizam o privilégio executivo do ex-presidente serão tornadas públicas sob a política atual”, escreveu Remus.

Não está claro quão detalhados eram os registros de audiência sob o governo Trump ou o que esses documentos poderiam revelar ao painel.

Citando a necessidade de informações do comitê, Remus escreve que Biden instruiu o Arquivo Nacional a fornecer esses documentos 15 dias após o ex-presidente ter sido notificado, “a menos que proibido por ordem judicial.

Remus observa que o painel concordou em não tratar tais entradas como “confidenciais” e abster-se de compartilhar ou discutir tais entradas “fora da seleção”, em conexão com reuniões designadas como Sensibilidade de Segurança Nacional (“NSS”) ou Alta Sensibilidade ( “SOS”).

É uma história de última hora e será atualizada.