junho 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Antigos leitos de rios em Marte e a possibilidade de vida

Antigos leitos de rios em Marte e a possibilidade de vida

O rover Curiosity Mars da NASA usou duas câmeras para criar esta selfie na frente do Monte Mercu, um afloramento rochoso de 6 metros. Uma nova análise realizada por pesquisadores da Penn State revela que muitas das crateras encontradas hoje em Marte poderiam ter sido rios habitáveis. Fonte da imagem: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Resultados do rover Curiosity indicam a presença de muitas crateras Marte Eles podem ter sido rios correntes, indicando possíveis condições para a vida antiga.

Uma nova análise de dados do rover Curiosity revela que muitas das crateras de Marte hoje poderiam ter sido rios habitáveis.

“Encontramos evidências de que Marte era provavelmente um planeta de rios”, disse Benjamin Cardenas, professor assistente de ciências da Terra na Penn State e principal autor de um novo artigo que anuncia a descoberta. “Vemos sinais disso em todo o planeta.”

Simulação e resultados de corrosão

Em um estudo publicado em Cartas de Pesquisa GeofísicaOs investigadores usaram modelos numéricos para simular a erosão em Marte ao longo de milhares de anos e descobriram que as formações de crateras comuns – chamadas formas de relevo de assento e nariz – são provavelmente restos de leitos de rios antigos.

Este estudo foi o primeiro a mapear a erosão do antigo solo marciano, treinando um modelo de computador em uma combinação de dados de satélite, imagens do Curiosity e varreduras 3D dos estratos – ou camadas de rocha, chamadas estratos, que foram depositadas ao longo de milhões de anos. – debaixo de. Fundo do mar no Golfo do México. A análise revelou uma nova explicação para as formações comuns de crateras marcianas, que nunca foram associadas a sedimentos erodidos de rios até agora.

Morfologia de Marte Monte Mercu

Morfologia do assento e da encosta representada em Marte e morfologia do nariz da Terra no afloramento Monte Mercu em Marte. Fonte da imagem: NASA/Caltech-JPL/MSSS

“Temos tudo para aprender sobre Marte, compreendendo melhor como estes depósitos fluviais são interpretados estratigraficamente e pensando nas rochas de hoje como camadas de sedimentos que foram depositadas ao longo do tempo”, disse Cárdenas. “Esta análise não é um instantâneo, mas um registo de mudanças. O que vemos hoje em Marte são os restos de uma história geológica ativa, e não uma paisagem congelada no tempo.”

Estudos anteriores contraditórios

Estudos anteriores de dados de satélite de Marte identificaram formas de relevo erosivas chamadas cristas fluviais como potenciais candidatas a antigos depósitos fluviais. Usando dados recolhidos pela sonda Curiosity na Cratera Gale, a equipa encontrou sinais de depósitos fluviais não associados a cristas fluviais, mas sim a formas de relevo que nunca foram associadas a depósitos fluviais antigos.

“Isto sugere que podem existir depósitos fluviais não descobertos noutros locais do planeta, e que uma porção maior do registo sedimentar marciano pode ter sido construída por rios durante um período habitável da história marciana,” disse Cardenas. “Na Terra, os corredores fluviais são muito importantes para a vida, os ciclos químicos, os ciclos de nutrientes, os ciclos de sedimentos. Tudo indica que estes rios se comportam de forma semelhante em Marte.”

Projeto de modelo e comparações de terreno

Ao projetar seu modelo computacional, Cárdenas e sua equipe descobriram um novo uso para varreduras de estratigrafia de 25 anos. Cardenas explicou que pesquisas recolhidas por empresas petrolíferas sob o fundo do mar no Golfo do México forneceram uma comparação perfeita com Marte.

A equipe simulou a erosão semelhante à de Marte usando varreduras 3D de camadas reais registradas na Terra. Quando executaram a simulação, o modelo revelou uma paisagem marciana erodida que formava bancos e narizes topográficos, em vez de cordilheiras de rios, e parecia quase idêntica às formas de relevo observadas pela sonda Curiosity dentro da Cratera Gale.

“A nossa investigação sugere que Marte poderia ter tido muito mais rios do que se pensava anteriormente, o que certamente apresenta uma visão mais optimista da vida antiga em Marte”, disse Cárdenas. “Ele oferece uma visão de Marte, onde a maior parte do planeta já teve condições adequadas para a vida.”

Referência: “Topografia associada à exumação de camadas aluviais que preenchem crateras em Marte” por Benjamin T. Cárdenas e Caitlin Stacy, 8 de agosto de 2023, Cartas de Pesquisa Geofísica.
doi: 10.1029/2023GL103618

A outra coautora do artigo é Caitlin Stacy, doutoranda em ciências da terra planetária na Penn State. a NASA Uma bolsa de negócios do sistema solar financiou este trabalho.

READ  Uma nova técnica selvagem pode finalmente medir o indescritível neutrino: ScienceAlert