junho 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Alice Bialiatsky: ativista ganhadora do Prêmio Nobel condenada a 10 anos de prisão

Alice Bialiatsky: ativista ganhadora do Prêmio Nobel condenada a 10 anos de prisão

legenda da foto,

Alice Bialiatsky fotografada em novembro de 2021

Um tribunal da Bielorrússia condenou o Prêmio Nobel da Paz Ales Bialiatsky a 10 anos de prisão.

O grupo de direitos humanos Viasna disse que ele foi condenado por contrabando e financiamento de “atos que violam grosseiramente a ordem pública”.

Apoiadores de Bialiatsky, 60, dizem que o regime autoritário do líder bielorrusso Alexander Lukashenko está tentando silenciá-lo.

O Sr. Bialiatsky foi um dos três vencedores do Prêmio Nobel da Paz de 2022.

O Sr. Bialiatsky estava no tribunal ao lado de dois colegas ativistas, Valentin Stefanovic e Vladimir Labkovich.

Stefanovic foi condenado a nove anos de prisão, enquanto Lapkovic foi condenado a sete, segundo o Viasna, grupo fundado por Bialyatski em 1996.

Os três se declararam inocentes.

A esposa de Bialiatsky, Natalia Pinchuk, disse que o julgamento foi “claramente contra os defensores dos direitos humanos por seu trabalho de direitos humanos” e o descreveu como um veredicto “dura”.

Referindo-se às cartas do marido da prisão, onde ele estava detido desde a prisão, ela disse: “Ele sempre escreve que está tudo bem. Ele não reclama de sua saúde – ele tenta não me chatear.”

Kostya Staradopets, porta-voz da Viasna, disse que as sentenças proferidas aos três ativistas “quebram nossos corações”.

Falando ao programa Newshour do Serviço Mundial da BBC, ele disse: “Sabíamos que nossos três colegas seriam condenados a longas penas de prisão, mas, de qualquer forma, isso ainda é um choque, parte nossos corações, não apenas [prison] Prazos longos, mas as condições também são muito terríveis.

A líder da oposição exilada na Bielo-Rússia, Svetlana Tikhanovskaya, disse que o veredicto foi “simplesmente terrível”.

“Devemos fazer tudo o que pudermos para combater esta injustiça vergonhosa e libertá-los”, disse ela.

Berit Reiss-Andersen, presidente do Comitê Norueguês do Nobel que concede o Prêmio Nobel da Paz, disse que o veredicto foi uma “tragédia” para Bialiatsky e chamou as acusações de “motivação política”.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Analina Berbock, chamou as acusações de “farsa”, dizendo que os três estavam sendo punidos “simplesmente por seus longos anos de luta pelos direitos, dignidade e liberdade do povo da Bielo-Rússia”.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, disse que o veredicto foi “outra decisão escandalosa do tribunal bielorrusso nos últimos tempos”, pedindo a libertação dos “condenados injustamente” em um post no Facebook.

Seus comentários vêm na mais recente condenação da Polônia ao judiciário bielorrusso. A Polônia expulsou o adido de defesa bielorrusso do país no mês passado após o julgamento e prisão do jornalista polonês-bielorrusso Andrzej Bokzobot.

Segundo Viasna, existem atualmente 1.458 presos políticos na Bielo-Rússia. As autoridades afirmam que não há nenhum.

Ao conceder o Prêmio Nobel da Paz de 2022 a Bialiatsky, Beret Reiss-Andersen, chefe do Comitê Norueguês do Nobel, disse que o governo bielorrusso “tentou por anos silenciá-lo”.

“Ele foi assediado, preso, encarcerado e teve seu emprego negado”, disse ela.

O Sr. Bialyatsky é um veterano do movimento de direitos humanos bielorrusso, tendo fundado a Viasna em 1996 em resposta à brutal repressão dos protestos de rua naquele ano pelo Sr. Lukashenko, que é presidente da Bielo-Rússia desde que o escritório foi criado em 1994.

vídeo explicativo,

ASSISTA: DESTAQUES Uma entrevista exclusiva do líder da Bielorrússia com Steve Rosenberg da BBC de 2021.

Lukashenko, um aliado próximo do presidente russo Vladimir Putin, foi descrito como o último ditador da Europa.

Cada vez mais dependente de Moscou para apoio econômico, político e militar, ele hospedou as forças russas e permitiu que usassem a Bielo-Rússia como trampolim para a invasão da Ucrânia.