abril 20, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A Ucrânia continua pressionando depois que a Rússia anunciou sua vitória em Bakhmut

A Ucrânia continua pressionando depois que a Rússia anunciou sua vitória em Bakhmut

Fora de Bakhmut, Ucrânia – Enquanto observava imagens de uma câmera de drone no céu, o comandante do batalhão ucraniano Oleg Shiryaev alertou seus homens nas trincheiras próximas que as forças russas estavam avançando em um campo em direção a um trecho de árvores fora da cidade de Bakhmut.

O comandante do 225º Batalhão da 127ª Brigada de Defesa Territorial em Kharkiv ordenou que a equipe de morteiros se preparasse. O alvo está bloqueado. Um tubo de morteiro explodiu com uma explosão laranja estrondosa, e uma explosão abriu uma nova cratera em uma encosta já cheia de bolhas.

“Estamos avançando”, disse Shiryaev, depois que pelo menos uma imagem de drone mostrou um caça russo abatido. “Estamos lutando por cada árvore, cada trincheira, cada abrigo.”

A recusa dá aos líderes em Moscou algo mais em que pensar antes que a tão esperada contra-ofensiva ucraniana pareça estar tomando forma.

A vice-ministra da Defesa da Ucrânia, Hanna Malyar, disse que a Rússia tentou criar uma impressão de calma em torno de Bakhmut, mas, na verdade, o bombardeio de artilharia ainda estava ocorrendo em níveis semelhantes aos do auge da batalha pelo controle da cidade. Ela disse que a luta está se desenvolvendo em uma nova fase.

A batalha não parou na região de Bakhmut. “Está acontecendo, está apenas assumindo formas diferentes”, disse Malyar, vestindo seu uniforme de assinatura em uma entrevista de um centro de mídia militar em Kiev. As forças russas estão agora tentando – mas falhando – desalojar os combatentes ucranianos das “alturas dominantes” com vista para Bakhmut.

READ  Wagner no Sudão: O que os mercenários russos estão fazendo?

“Nós os seguramos com muita firmeza”, disse ela.

Do ponto de vista do Kremlin, a área ao redor de Bakhmut é apenas parte dos mais de 1.000 km (621 milhas) da linha de frente que os militares russos devem manter. Essa tarefa pode se tornar mais difícil devido à retirada dos mercenários do grupo de contratação militar privada Wagner que ajudou a tomar a cidade. Eles serão substituídos por soldados russos.

Para as forças ucranianas, a ação mais recente foi oportunista – tentando arrancar pequenos ganhos do inimigo e assumir posições estratégicas, particularmente de dois flancos no noroeste e sudoeste, onde a 3ª brigada de assalto ucraniana estava ativa, disseram autoridades.

A Rússia havia imaginado a captura de Bakhmut como uma realização parcial de sua ambição de controlar a região oriental de Donbass, o coração industrial da Ucrânia. Agora, suas forças foram forçadas a se reagrupar, alternar combatentes e se rearmar apenas para assumir o controle da cidade. Malik Wagner anunciou a retirada após reconhecer a perda de mais de 20.000 de seus homens.

Malyar descreveu a luta de nove meses contra as forças de Wagner em termos quase existenciais: “Se eles não tivessem sido destruídos durante a defesa de Bakhmut, pode-se imaginar que todas essas dezenas de milhares teriam avançado profundamente no território ucraniano.”

O destino de Bakhmut, em grande parte arruinado, foi ofuscado nos últimos dias por ataques quase noturnos a Kiev, uma série de ataques de drones não reclamados perto de Moscou e expectativas crescentes de que o governo ucraniano tentará reconquistar o terreno.

Mas a batalha pela cidade ainda pode ter um efeito duradouro. Moscou aproveitou ao máximo sua captura, que é simbolizada pela vitória da mídia russa. Qualquer deslize no punho da Rússia seria um embaraço político para o presidente Vladimir Putin.

READ  Alemanha e Polônia buscam a causa das mortes em massa de peixes no rio Oder

Michael Kaufman, do Center for Naval Analytics, um grupo de pesquisa dos EUA, observou em um podcast esta semana que a vitória traz novos desafios à detenção de Bakhmut.

À medida que os combatentes de Wagner se retiram, as forças russas “serão cada vez mais firmes em Bakhmut… e terão dificuldade em defendê-la”, disse Kaufman ao “War on the Rocks” em uma entrevista publicada na terça-feira.

Ele acrescentou: “Então eles podem não se apegar a Bakhmut, e talvez tudo tenha terminado em nada para eles.”

Um oficial ocidental que falou sob condição de anonimato disse que as forças aerotransportadas russas estão profundamente envolvidas na substituição das tropas de Wagner que partiram – uma medida “provavelmente para antagonizar” o Comando Aerotransportado, que vê o dever como uma erosão adicional de seu status de “ex-elite”. . “No Exército.

Um analista ucraniano disse que as forças ucranianas capturaram fragmentos de território nos flancos – algumas centenas de metros (jardas) por dia – para fortalecer as linhas defensivas e procurar oportunidades para recapturar algumas áreas urbanas da cidade.

“O alvo em Bakhmut não é a própria Bakhmut, que foi reduzida a escombros”, disse o analista militar Roman Svetan por telefone. O objetivo dos ucranianos era manter as colinas ocidentais e manter um arco defensivo fora da cidade.

Serhiy Chervaty, porta-voz das forças ucranianas no leste, disse que o objetivo estratégico na região de Bakhmut é “restringir o inimigo e destruir o máximo de pessoal e equipamento possível”, evitando ao mesmo tempo um avanço russo ou uma manobra de cerco.

READ  Finlândia foi eleita o país mais feliz do mundo pelo quinto ano consecutivo | Finlândia

O analista Mathieu Polig se perguntou se Bakhmut teria lições ou significado para a guerra que se aproximava.

A superioridade militar é importante, disse ele, assim como a “superioridade da informação” — a capacidade de “criar um subterfúgio, de ofuscar seu poder, de ser capaz de se mover nas sombras”.

Essas táticas “podem determinar qual lado ganha uma vantagem que surpreende o outro e muda o rumo da guerra”, disse Poleg, consultor do programa Rússia e Eurásia do think tank Chatham House, em Londres.

___

Jami Kiten relata de Kiev, Ucrânia. Hana Arhirova e Ilya Novikov em Kiev, Jurass Karmanau em Tallinn, Estônia, e Jill Lawless em Londres contribuíram para este relatório.

___

Siga a cobertura AP da guerra na Ucrânia: https://apnews.com/hub/russia-ukraine

___

Uma versão anterior desta história foi corrigida para mostrar Oleg Shiryev como o comandante do 225º, não do 228º.