junho 13, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A manifestante de TV Marina Ovsyannikova fala do esconderijo: “Eu sou o inimigo nº 1”

A manifestante de TV Marina Ovsyannikova fala do esconderijo: "Eu sou o inimigo nº 1"

Marina Ovsyannikova é mostrada aqui (em imagens estáticas tiradas de um vídeo enviado em 14 de março de 2022) dando uma declaração que foi gravada antes de acenar um banner anti-guerra ao vivo.

Marina Ovsianikova via Reuters

Marina Ovsinikova, uma jornalista russa que protestou contra a guerra na Ucrânia na televisão estatal ao vivo, disse à mídia internacional que continua patriótica por seu país e se recusa a sair, apesar do medo de sérias repercussões das autoridades.

Ovsianikova, falando do esconderijo, disse que não aceitaria a oferta de asilo do presidente francês Emmanuel Macron, embora se descrevesse como “inimiga nº 1” nos esforços da Rússia para reprimir a oposição anti-guerra.

Não quero deixar a Rússia. Ela disse a um site de notícias alemão Der Spiegel.

“Claro, estou com medo. Até… qualquer coisa pode acontecer – um acidente de carro, o que eles quiserem”, acrescentou, referindo-se ao Kremlin.

O editor-chefe do canal estatal russo Channel One ganhou as manchetes na semana passada depois de interceptar um noticiário ao vivo carregando uma faixa condenando a agressão na Ucrânia e gritando “Pare a guerra”.

O homem de 43 anos foi mais tarde Uma multa de 30.000 rublos (US$ 280) por um tribunal russo em troca de um vídeo que ela gravou antes do protesto no ar, que a mostra denunciando seu papel na transmissão de “propaganda do Kremlin”. Mas Ovsyannikova disse que teme consequências piores por vir.

“Eu sou o inimigo número 1 aqui agora”, disse ela, observando que o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, se referiu ao ato como um “motim” e notou rumores de que altos funcionários exigiram acusações criminais.

READ  Argentina desvaloriza o peso em mais de 50% como parte das reformas econômicas emergenciais

Na vida, é preciso interagir e tomar decisões muitas vezes complexas.

Agora é ilegal na Rússia se referir à invasão da Ucrânia como uma guerra sob uma nova lei destinada a suprimir a dissidência pública. A lei, que proíbe difamar os militares russos, acarreta uma pena de prisão de até 15 anos.

Ovsyannikova, que é meio ucraniano e meio russo, não foi acusado de outras acusações. Ela disse acreditar que teria sido imediatamente colocada em detenção de 15 dias se não tivesse filhos – um filho, 17, e uma filha, 11 -, mas continua “extremamente preocupada” com o futuro deles.

Ovsyannikova disse que seu filho, ele próprio um patriota, agiu com severidade, acusando-a de “arruinar toda a nossa vida”. Ela disse que esperava que ele entendesse seu gesto a tempo.

“Expliquei a ele que na vida você precisa interagir e tomar decisões complexas com frequência”, disse ela. França 24.

Nos últimos 13 anos, Ovsyannikova trabalhou para a agência de notícias estrangeiras do Channel One, uma estação estatal com milhões de assinantes que segue de perto a linha do Kremlin.

eu disse CNN Está se tornando cada vez mais difícil seguir a linha do partido em seu trabalho, pois ela observou o aumento da agressão russa ao longo dos anos, incluindo a anexação da Crimeia em 2014 e o envenenamento do líder da oposição. Alexei Navalny.

“Senti uma dissonância cognitiva, cada vez mais, entre minhas crenças e o que estávamos dizendo no ar”, disse Ovsyannikova. “A guerra era o ponto sem volta, onde era simplesmente impossível ficar em silêncio.”

Ovsyannikova disse que admitiu que poderia ter se juntado a um protesto público abc Ela acreditava que poderia fazer algo “mais significativo e mais impactante”. Até agora, mais de 15.000 pessoas foram presas na Rússia por protestar contra a guerra.

READ  A erupção do Monte Etna levou ao fechamento do aeroporto de Catania e ao cancelamento de dezenas de voos

Ela disse que só agora percebeu as “consequências de longo alcance” de suas ações.

Sinto vergonha por me permitir mentir da tela da TV.

No vídeo que foi gravado antes de ser transmitido, Ovsyanikova culpou diretamente o presidente russo Vladimir Putin pela guerra. Ela também destacou sua vergonha por seu papel na transmissão da “propaganda do Kremlin”.

“A responsabilidade por esta agressão recai sobre a consciência de apenas uma pessoa. Este homem é Vladimir Putin”, disse ela.

“Estou envergonhada por me deixar mentir na TV, envergonhada por deixar os russos se transformarem em zumbis”, acrescentou.

Ovsyannikova disse à Der Spiegel que estava “feliz” ao ler que seu protesto foi seguido por uma série de renúncias de jornalistas russos, incluindo grandes apresentadores de TV: Channel One Zhanna Agalakova, NTV Lilia Gildeeva e Vadim Glusker.