junho 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A disputa entre a Disney e os preços de fretamento se espalhou para os aparelhos de televisão com ESPN e ABC em um hiato

A disputa entre a Disney e os preços de fretamento se espalhou para os aparelhos de televisão com ESPN e ABC em um hiato

1º de setembro (Reuters) – Walt Disney (DIS.N) e Charter Communications (CHTR.O) trocaram tiros sobre um acordo de distribuição não resolvido depois que vários canais, incluindo ESPN, fecharam na quinta-feira clientes do serviço de cabo Spectrum da Charter.

A Disney retirou ESPN, ABC e outros canais a cabo do Spectrum, que atende grandes mercados, incluindo Nova York e Los Angeles, em meio à cobertura do torneio de tênis Aberto dos Estados Unidos, bem como de outros eventos esportivos ao vivo, incluindo futebol universitário.

Charter mostrou uma mensagem na tela pedindo aos espectadores que contatassem a Disney. “Oferecemos à Disney um acordo justo, mas eles estão pedindo um aumento excessivo”, dizia a carta.

“O aumento do custo da programação é o maior fator no aumento dos preços da TV a cabo, e estamos lutando para manter a linha de preços de programação que empresas como a Disney nos cobram”.

A disputa gira principalmente em torno da rede esportiva ESPN, que não possui serviço de transmissão ao vivo e é um grande atrativo para os canais via satélite, apesar de perder assinantes todos os anos devido a interrupções.

Na sexta-feira, a Disney disse que ofereceu ao fretamento “as melhores condições em termos de preço, distribuição, embalagem, publicidade e muito mais”.

“A empresa charter se recusou a celebrar um novo acordo conosco que reflita os termos de mercado existentes”, disse a Disney em seu comunicado.

A gigante da mídia acrescentou que está pronta para retornar à mesa de negociações para recuperar o acesso aos conteúdos.

Uma tela mostra o logotipo e o símbolo da Walt Disney Company no pregão da Bolsa de Valores de Nova York, em Nova York, EUA, em 14 de dezembro de 2017. REUTERS/Brendan McDiarmid/Foto de arquivo Obtenção de direitos de licenciamento

Charter disse na sexta-feira que a ESPN era a “espinha dorsal” de seu negócio de vídeo. As ações da empresa caíram 2%, enquanto as ações da Disney caíram 2,7%. Outras empresas de mídia, incluindo Warner Bros. Discovery (WBD.O) e Paramount Global (PARA.O), perderam entre 4% e 6%.

READ  Os consumidores não se sentem tão mal com a economia desde novembro

“Estamos extremamente decepcionados com nossos fãs e telespectadores em todo o país porque Spectrum e Charter não conseguiram resolver sua disputa com a Disney, resultando na perda da cobertura da ESPN dos jogos de quinta à noite”, disse o USTA em comunicado na sexta-feira. .

“Esperamos sinceramente que esta disputa seja resolvida o mais rápido possível.”

A Rosenblatt Securities disse que a Disney pode ter “mais a perder” do que a Charter. A corretora institucional disse que a Disney poderá perder bilhões em lucros a cada ano com seu negócio tradicional de televisão se um acordo não for alcançado.

“A batalha prolongada com a Charter pode acelerar os planos DTC (direto ao consumidor) da Disney.” A Disney tem relutado em implementar rapidamente um plano DTC para a ESPN porque precisa de dinheiro de seu mecanismo de lucro para financiar seu serviço de streaming deficitário, o Disney+, disseram analistas.

O CEO Bob Iger disse em julho que a Disney quer encontrar um parceiro estratégico para a ESPN formar uma joint venture ou comprar uma participação para ajudar a levá-la diretamente aos consumidores.

“Charter e Disney são parceiros ideais para criar uma televisão linear híbrida e um modelo direto ao consumidor”, disse Richard DeGeronimo, presidente de produtos e tecnologia da Charter, na sexta-feira.

A empresa, que atende mais de 32 milhões de clientes em 41 estados, paga cerca de US$ 2,2 bilhões em custos anuais de programação à gigante do entretenimento.

(Reportagem de Chhavi Mehta, Jaspreet Singh, Zaheer Kashwala e Akanksha Khushi em Bengaluru; Preparação de Mohammed para o Boletim Árabe) Edição de Nivedita Bhattacharjee, Arun Kuyur e Maju Samuel

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba