junho 13, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A crise econômica do Sri Lanka explicada

A crise econômica do Sri Lanka explicada

O descontentamento levou à pior crise econômica desde que a nação do sul da Ásia conquistou a independência em 1948, quando a inflação paralisante fez os preços das commodities dispararem.

Aqui está o que você precisa saber.

Especialistas dizem que a crise se arrasta há anos, estimulada por um pouco de infortúnio e muita má gestão do governo.

Na última década, o governo do Sri Lanka emprestou grandes somas de credores estrangeiros para financiar serviços públicos, disse Murtaza Javerjee, chefe do Centro de Pesquisa Advocata, com sede em Colombo.

Essa onda de empréstimos coincidiu com uma série de golpes de martelo na economia do Sri Lanka, desde desastres naturais – como monções pesadas – a desastres causados ​​pelo homem, incluindo proibições governamentais de fertilizantes químicos que dizimaram as plantações dos agricultores.

Esses problemas foram agravados em 2018, quando a demissão do primeiro-ministro pelo presidente provocou uma crise constitucional; No ano seguinte, quando centenas de pessoas foram mortas em igrejas e hotéis de luxo nos atentados da Páscoa de 2019; A partir de 2020 com a chegada de pandemia do covid-19.

Enfrentando um déficit maciço, o presidente Gotabaya Rajapaksa cortou impostos em uma tentativa condenada de estimular a economia.

Mas o tiro saiu pela culatra, prejudicando a receita do governo. Isso levou as agências de classificação a rebaixar o Sri Lanka para níveis próximos do default, o que significa que o país perdeu o acesso aos mercados estrangeiros.

O Sri Lanka então teve que reduzir suas reservas cambiais para pagar a dívida do governo, reduzindo suas reservas de US$ 6,9 bilhões em 2018 para US$ 2,2 bilhões este ano. Isso afetou as importações de combustível e outras necessidades, elevando os preços.

Além disso, em março, o governo lançou a rupia do Sri Lanka – o que significa que sua taxa foi definida com base na demanda e oferta nos mercados de câmbio.

A medida parece ter como objetivo reduzir o valor da moeda para se tornar elegível para um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) e incentivar as remessas.

No entanto, a desvalorização da rupia em relação ao dólar americano só piorou as coisas para os cidadãos comuns do Sri Lanka.

O que isso significa para as pessoas na Terra?

Para o Sri Lanka, a crise transformou sua vida cotidiana em um ciclo interminável de espera em filas por bens essenciais, muitos dos quais são racionados.

READ  Columbia diz que tesouro lendário de um naufrágio de “valor inestimável” será recuperado por um robô subaquático

Nas últimas semanas, as lojas tiveram que fechar porque não podem operar geladeiras, condicionadores de ar ou ventiladores. Soldados estão estacionados em postos de gasolina para acalmar os clientes, que fazem fila por horas no calor sufocante para encher seus tanques. Algumas pessoas até morreram enquanto esperavam.

Sri Lanka envia tropas para postos de gasolina em meio à crise econômica

Uma mãe na capital, Colombo, disse à CNN que estava esperando propano para poder cozinhar refeições para sua família. Outros dizem que o custo do pão mais que dobrou, enquanto os taxistas e taxistas dizem que as rações de combustível são escassas demais para ganhar a vida.

Alguns estão presos em uma situação impossível – eles precisam trabalhar para alimentar suas famílias, mas também precisam fazer fila para obter suprimentos. Uma varredora de rua com dois meninos disse à CNN que estava fugindo silenciosamente do trabalho para participar das aulas de jantar, antes de acelerar novamente.

Mesmo os membros da classe média com economias estão frustrados, com medo de ficar sem necessidades como remédios ou gasolina. A vida é dificultada pelos frequentes apagões que mergulham Colombo na escuridão, às vezes por mais de 10 horas de cada vez.

Cidadãos do Sri Lanka assistem a um ônibus em chamas durante um protesto do lado de fora da casa do presidente em Colombo, em 1º de abril.

O que acontece com os protestos?

Manifestantes em Colombo saíram às ruas no final de março, pedindo ação e responsabilidade do governo. A raiva e a frustração do público explodiram em 31 de março, quando manifestantes atiraram pedras e atearam fogo do lado de fora da residência privada do presidente.

A polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar os protestos e impôs um toque de recolher por 36 horas depois. O presidente Rajapaksa declarou estado de emergência pública em todo o país em 1º de abril, dando às autoridades poderes para deter pessoas sem mandado e bloquear plataformas de mídia social.

Mas os protestos continuaram no dia seguinte, desafiando o toque de recolher, levando a polícia a prender centenas de manifestantes.

Os protestos continuaram nos dias que se seguiram, embora tenham permanecido amplamente pacíficos. Na noite de terça-feira, uma multidão de manifestantes estudantis cercaram a casa de Rajapaksa novamente e exigiram sua renúncia.

READ  A África do Sul vota numa eleição que poderá provocar a maior transformação desde 1994

A lei de emergência foi revogada em 5 de abril.

Um manifestante do lado de fora da residência privada do presidente em Colombo, Sri Lanka, em 31 de março.

O que acontece com o gabinete?

Todo o Gabinete foi efetivamente dissolvido em 3 de abril devido a demissões em massa de ministros seniores.

Cerca de 26 ministros renunciaram neste fim de semana, incluindo o sobrinho do presidente, que criticou o aparente apagão nas redes sociais como algo que ele “nunca tolerará”. Outras figuras importantes, incluindo o presidente do banco central, também renunciaram.

Diante de um governo em desordem, o presidente tentou na segunda-feira uma remodelação do gabinete que esperava acalmar a oposição. Quatro ministros, incluindo o ministro das Finanças, foram nomeados para dirigir temporariamente o governo, enquanto vários outros ministros foram transferidos para novos cargos em um esforço para manter o país funcionando “até que um governo pleno seja formado”, segundo uma imprensa presidencial. liberação.

Mas apenas um dia depois, o ministro interino das Finanças renunciou – explicando que ele assumiu o cargo apenas por causa “dos muitos pedidos feitos”, e que ele percebeu que “medidas novas, proativas e não convencionais devem ser tomadas”.

A emenda não conseguiu parar o voo. A coalizão Frente Popular do Sri Lanka (também conhecida como Sri Lanka Bodogana Peramuna) perdeu 41 assentos até terça-feira depois que membros de vários partidos parceiros se retiraram para continuar operando como grupos independentes. A coalizão ficou com apenas 104 assentos e perdeu a maioria no Parlamento.

O que o governo disse?

O presidente Rajapaksa emitiu um comunicado em 4 de abril, mas não abordou diretamente as renúncias, instando todas as partes a “trabalharem juntas pelo bem de todos os cidadãos e das gerações futuras”.

“A crise atual foi causada por vários fatores econômicos e desenvolvimentos globais”, disse o comunicado. Como uma das principais democracias da Ásia, as soluções para isso devem ser encontradas dentro de uma estrutura democrática.

Mais tarde naquele dia, ao anunciar a remodelação do gabinete, o gabinete do presidente divulgou um comunicado dizendo que Rajapaksa “buscou o apoio de todas as pessoas para superar o desafio econômico que o país enfrenta”.

Em 6 de abril, o primeiro-ministro Johnston Fernando disse durante uma sessão parlamentar que Rajapaksa não renunciaria “sob nenhuma circunstância”. Fernando é membro da coalizão governista e é visto como um aliado próximo do presidente.

Anteriormente, Rajapaksa disse que estava tentando resolver o problema, dizendo em um discurso à nação no mês passado que “esta crise não foi criada por mim”.

READ  O Canadá envia forças armadas para a Colúmbia Britânica para combater os incêndios florestais que se espalham rapidamente

Em 1º de abril, o primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa – irmão mais velho do presidente e o próprio ex-presidente – disse à CNN que era errado dizer que o governo havia administrado mal a economia. Em vez disso, o Covid-19 foi um dos motivos.

O presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa (centro) discursa à nação em Colombo em 4 de fevereiro.

O que então?

O Sri Lanka está agora buscando apoio financeiro do Fundo Monetário Internacional e recorrendo a potências regionais que possam ajudar.

Durante um discurso no mês passado, o presidente Rajapaksa disse que estava avaliando os prós e os contras de trabalhar com o FMI e decidiu buscar um resgate da instituição com sede em Washington – algo que seu governo tem relutado em fazer.

O Sri Lanka também solicitou ajuda da China e da Índia, com Nova Délhi já emitindo uma linha de crédito de US$ 1 bilhão em março – mas alguns analistas alertaram que tal assistência poderia prolongar a crise em vez de resolvê-la.

Ainda há muita incerteza sobre o que vem a seguir; A inflação nacional de preços ao consumidor quase triplicou, de 6,2% em setembro para 17,5% em fevereiro, segundo o banco central do país. O Sri Lanka terá que pagar cerca de US$ 4 bilhões em dívidas no restante deste ano, incluindo US$ 1 bilhão em títulos soberanos internacionais com vencimento em julho.

A situação alarmou os observadores internacionais. Em uma coletiva de imprensa em 5 de abril, Liz Throssell, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, expressou preocupação com a resposta oficial do Sri Lanka.

Toques de recolher impostos pelo governo, apagões nas redes sociais e medidas policiais para acabar com os protestos podem impedir ou desencorajar as pessoas de expressar suas queixas, disse ela, acrescentando que essas medidas “não devem ser usadas para reprimir a dissidência ou impedir protestos pacíficos”. Ela disse que as Nações Unidas estão monitorando “de perto” e alertou contra “a tendência à militarização e o enfraquecimento dos freios e contrapesos institucionais do Sri Lanka”.

Julia Hollingsworth, Roxana Rizvi e Iqbal Atas, da CNN, contribuíram para o relatório.