maio 28, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A China não verifica os produtos da Micron em uma revisão de segurança e está bloqueando algumas compras

A China não verifica os produtos da Micron em uma revisão de segurança e está bloqueando algumas compras

PEQUIM (Reuters) – O órgão regulador do ciberespaço da China disse neste domingo que os produtos fabricados pela fabricante de chips norte-americana Micron Technology Co (MU.O) falharam em sua revisão de segurança de rede e impediriam que grandes operadoras de infraestrutura comprassem da empresa.

A decisão, anunciada em meio a uma disputa sobre tecnologia de chips entre Washington e Pequim, pode envolver setores que vão desde telecomunicações a transporte e finanças, de acordo com a ampla definição da China de infraestrutura de informação crítica.

“A análise constatou que os produtos da Micron apresentam sérios riscos de segurança de rede, que representam riscos significativos à segurança da cadeia de suprimentos de infraestrutura de informações críticas da China, afetando a segurança nacional da China”, disse a Administração do Ciberespaço da China (CAC) em comunicado.

A Micron disse que recebeu uma notificação do CAC de que concluiu sua revisão dos produtos da empresa vendidos na China e espera “continuar a participar das discussões com as autoridades chinesas”.

O CAC não forneceu detalhes sobre os riscos encontrados nem quais produtos da Micron seriam afetados.

Os analistas da Jefferies esperavam um impacto limitado na Micron, já que seus principais clientes na China são empresas de eletrônicos de consumo, como fabricantes de smartphones e computadores, e não fornecedores de infraestrutura.

“Como os produtos DRAM e NAND da Micron são muito mais baixos em servidores, acreditamos que a maior parte de sua receita na China não é gerada por empresas de telecomunicações e pelo governo. Portanto, o impacto final na Micron será muito limitado”, disseram eles em nota. .

READ  Relatório do PIB mostra economia dos EUA contraindo novamente: atualizações ao vivo

A Micron fabrica chips de memória flash DRAM e NAND e compete com as sul-coreanas Samsung Electronics Co Ltd (005930.KS) e SK Hynix Inc (000660.KS), bem como com a japonesa Kioxia, uma unidade da Toshiba Corp (6502.T).

As ações da SK Hynix e da Samsung subiram 1% e 0,5%, respectivamente, no início da segunda-feira, enquanto o mercado mais amplo (.KS11) subiu 0,6%. As ações da Toshiba estão estáveis.

Christopher Miller, professor da Tufts University e autor de “Chip Wars: The Battle for the World’s Most Important Technology”, disse que o momento do anúncio do CAC foi significativo, pois ocorreu durante a cúpula dos líderes do G7 no Japão. “

A Micron anunciou na semana passada um plano para investir até 500 bilhões de ienes (US$ 3,70 bilhões) no Japão em tecnologia UV, tornando-se a primeira fabricante de chips a trazer tecnologia avançada de fabricação de chips para o país, agora buscando revitalizar o setor de chips.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse no domingo que as nações do G7 concordaram em “reduzir o risco e diversificar nosso relacionamento com a China”. Os líderes também concordaram em lançar uma iniciativa para combater a “coerção” econômica.

“Esta questão pode ser um teste inicial dos esforços do G7 nesta frente”, disse Miller.

A China anunciou sua revisão dos produtos Micron no final de março. A empresa disse na época que estava cooperando e que suas operações comerciais na China estavam normais.

Na disputa entre os governos dos EUA e da China, Washington impôs uma série de controles de exportação de tecnologia de fabricação de chips para a China e se moveu para impedir que a Yangtze Memory Technologies, rival da Micron, compre certos componentes dos EUA.

READ  O dia da decisão da greve do UAW chega enquanto a negociação esquenta

Autoridades dos EUA, incluindo membros de um comitê seleto do Congresso dos EUA sobre a concorrência com a China, não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A Micron obtém cerca de 10% de sua receita da China, mas não está claro se a decisão afeta as vendas da empresa para clientes não chineses no país.

De acordo com a Jefferies, ela gerou US$ 5,2 bilhões em receita da China e Hong Kong no ano passado, cerca de 16% de sua receita total.

De acordo com analistas, a maior parte dos produtos da Micron que chegam à China são comprados por empresas não chinesas para uso em produtos fabricados lá.

A China, em setembro de 2021, impôs regras destinadas a proteger a infraestrutura de informações críticas, que exigem que seus operadores cumpram requisitos mais rígidos em áreas como segurança de dados.

Pequim definiu amplamente setores que considera “críticos”, como comunicações públicas e transporte, mas não especificou exatamente a que tipo de empresa ou escopo de negócios isso se aplica.

(Reportagem de Kevin Yau; Edição de Elaine Hardcastle)

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.