Escola PEC– projeto Cantinho Verde da Leitura. Foto: divulgação

O projeto “Escolas Sustentáveis”, que teve inicio em 2017, em Itabirito (MG), nas instituições Cemi, Manoel Salvador de Oliveira e Natália Donada, saiu dos limites itabiritenses e foi beneficiar escolas do município de Belo Vale (Região Central de Minas).

Escola Eugenio Sampaio – projeto Horta Orgânica Vertical. Foto: divulgação

Por meio de cursos, ministrados pela Agência de Desenvolvimento Econômico e Social de Itabirito (Adesita), professores da rede pública belo-valense foram capacitados para participar de editais.

Depois, os projetos (das escolas) prontos e adequados foram apresentados à empresa Vale, que financiou os trabalhos escolhidos.    

Segundo a Adesita, o “Escolas Sustentáveis” visa a promoção de ações efetivas para a inserção ou melhoria do processo de ensino em Educação Ambiental. 

“O objetivo do curso foi ajudar os participantes a identificar os conceitos envolvidos na elaboração de projetos, diferenciar as principais abordagens metodológicas, organizar o plano conforme as recomendações técnicas de elaboração de projetos, delinear requisitos para coordenação integrada de pessoas e recursos necessários a execução dos projetos de forma a garantir a qualidade das entregas”, informou a Adesita por meio de nota.

Escola José Fernandes – projeto Chá nas Escolas. Foto: divulgação

Para Matheus Andrade, técnico da Adesita e professor no curso de elaboração de projetos, “é muito importante entender como funciona a dinâmica da elaboração de projetos e participação em editais, pois é uma boa forma de alavancar recursos, sejam eles ambientais, esportivos ou culturais”.

Ainda segundo ele, “capacitar é uma das missões da Adesita”. 

Em Belo Vale…

Após a capacitação, foram recebidos oito projetos da rede de ensino municipal de Belo Vale.

Desses, depois de avaliação de uma banca formada por profissionais da Vale e da Adesita, quatro foram escolhidos, sendo eles de escolas da zona rural do município:

Escola Santana do Paraopeba, com o projeto: “Construindo com o que Destrói”.

Escola Santana do Paraopeba – projeto Construindo com o que Destrói. Foto: divulgação

Escola Eugenio Sampaio, com o projeto: “Horta Orgânica Vertical”.

Escola José Fernandes, com o projeto: “Chás nas Escolas”.

Escola PEC – Projeto Educar Para Crescer, com o projeto: “Cantinho Verde da Leitura”.

Cada um desses projetos recebeu um investimento da mineradora para ser implementado, além do acompanhamento da Adesita.

Para Marcelo Lima, líder do planejamento na Adesita, “os projetos ensinam e beneficiam não só a comunidade escolar, mas também toda a população do município, que verá as novas gerações consumindo de forma responsável”.