Governo do Espírito Santo intima Samarco por danos no Rio Doce

Segundo o jornal Estado de Minas, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) do Espírirto Santo intimou nesta terça-feira, dia 10, a empresa Samarco em função dos impactos ambientais causados pela lama de rejeitos que atingiu o Rio Doce.

A determinação do instituto é para que a Samarco promova todo o apoio necessário aos municípios e aos cidadãos capixabas que forem atingidos pela onda de lama, com a realização de ações que minimizem os impactos ambientais decorrentes da impossibilidade de tratamento de água nos locais afetados pelos rejeitos.

Conforme o Iema, a Samarco deve dar início imediato às seguintes ações:

Antes e depois da lama de rejeitos da Samarco no Rio Doce Espirito Santo
Antes e depois da passagem da lama da Samarco no Rio Doce

Distribuir água potável para consumo humano e animal;

Monitorar a qualidade da água do Rio Doce e também do mar a ser atingido pela lama para verificar a presença de contaminantes e identificá-los;

Disponibilizar aeronave para sobrevoo dos profissionais envolvidos nas ações preventivas e de mitigação da onda de rejeitos;

Disponibilizar uma equipe multidisciplinar para monitorar os impactos na fauna, flora, água e para as pessoas, emitindo laudos técnicos para o Iema com informações que ajudem a minimizar os impactos, inclusive, com avaliações de cenários futuros.

Depois que o rejeito passar pelos municípios, a Samarco deve providenciar também a limpeza de toda a área afetada pela lama, enquanto for verificada a presença de poluente.

O Iema determina que a empresa apresente um plano de monitoramento da persistência dos poluentes nos meios atingidos em até 120 dias, assim como um plano de reparação inicial dos danos no prazo de 30 dias.

Deixe seu comentário: