Justiça investiga crime de caráter homofóbico na Serra Verde em Itabirito

Funcionário acusa Serra Verde emm Itabirito de crime de caráter homofóbico - Foto Minuto Mais

Uma denúncia de crime de caráter homofóbico a ser resolvido pela Justiça de Itabirito. A vítima foi José Maria de Jesus Marins, 34 anos, homossexual assumido. Ele é fiscal de tráfico da Viação Serra Verde e é também vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) da empresa. Por ser da comissão, ele tem certa estabilidade na firma de transporte coletivo. Contudo, segundo José Maria, a Serra Verde tem feito esforços para que ele se afaste da companhia.

José Maria acredita que o real motivo para a insatisfação da empresa tenha a ver com o papel que ele desempenha na Cipa. Como membro dessa comissão, José Maria reivindicou banheiros decentes, horários flexíveis e transporte para funcionários. “Eu ainda passo as informações corretas aos usuários dos coletivos e, na maioria das vezes, discordo das atitudes que a administração tem quanto às ‘irregularidades’ na garagem. Acredito que por esses motivos, a gerência queira, a qualquer custo, me coagir para que eu peça demissão”, disse José Maria ao Minuto Mais.

De acordo com a vítima, foram três dias consecutivos de ofensas: 13, 14 e 15 de junho – sexta-feira, sábado e domingo respectivamente. “No dia 13, um dos chefes me tratou com grosseria por causa de um problema com o crachá de um dos membros da equipe que eu lidero. No dia 14, um auxiliar administrativo desrespeitou algumas determinações feitas por mim inerentes ao meu cargo e até me mandou ‘tomar naquele lugar’”, relatou.

Funcionário acusa Serra Verde emm Itabirito de crime de caráter homofóbico - Foto Minuto Mais
Funcionário José Maria acusa Serra Verde de crime de caráter homofóbico – Foto: Minuto Mais

Contudo, a ofensa que mexeu de fato com José Maria aconteceu no dia 15. Um funcionário da empresa conhecido como Marreco, o teria chamado de “‘veadinho’, ‘bundão’, boiola e ‘gaysão’”. Como se não bastasse, segundo a vítima, esse funcionário ainda saiu rebolando pelo pátio da empresa como se estivesse imitando José Maria.

Por causa desta última ofensa, a vítima procurou o gerente, conhecido como Luís, que o teria aconselhado a deixar a firma, já que ele estava se sentindo mal por lá. Indignado, José Maria recorreu à advogada Celina Rodrigues. O caso está na Justiça.

Segundo o presidente da Organização Não Governamental Ita GLBT, Leandro Dias, o movimento gay da cidade está completamente a favor de José Maria. “Vamos pressionar as autoridades para que providências sejam tomadas. Não queremos privilégios. Só queremos que as diferenças possam ser tratadas com respeito”, disse.

O passado de José Maria

A própria vítima acredita que parte do preconceito contra ele seja por causa de seu passado. Ele, durante anos, se travestiu e inclusive participou de um programa de televisão em rede nacional (na extinta Rede Manchete) no qual “discutiu” com Sarita (um dos transformistas mais conhecidos da cidade) o assunto: “quem fazia a melhor imitação de Madonna – ele ou Sarita?”.

O programa (Magdalena Manchete Verdade – apresentado por Magdalena Bonfiglioli, na década de 90) foi visto por milhares de pessoas na cidade. “Inclusive, por alguns desses que me ofendem”, disse.

Contudo, hoje José Maria não toma hormônios e não se travesti. Chegou até a ter uma namorada (mulher) recentemente, mas não nega que seja homossexual.

A homofobia (aversão a gays), por si só, não é crime. Contudo, quando associada à violência física ou psicológica pode se transformar em uma atitude criminosa.

Serra Verde

Para falar com a Serra Verde foi uma “via-crúcis”. Isso porque a firma, aparentemente, não possui site oficial e os telefones encontrados na internet supostamente da empresa não eram atendidos. Finalmente, o Minuto Mais conseguiu um número. Conversou por duas vezes com uma secretária. Nos dois momentos, os gerentes (que podiam responder a respeito do assunto) não estavam. Sendo assim, foram deixados dois recados. Não houve retorno. Caso haja, o site estará à disposição da viação para divulgar a versão da firma.

Deixe seu comentário: