Senhor Silva: depende do SUS e está em situação preocupante. Foto: divulgação

ITABIRITO (REGIÃO CENTRAL DE MINAS). Nesta terça-feira (1º), por volta das 9h, Geni Aparecida de Moura Neves, moradora do bairro Gutierrez, ligou para o Minuto Mais e relatou seu drama. O pai dela, Silva Pires Moura (82), está com hérnia encarcerada (leia os últimos parágrafos para saber mais sobre o problema). Ele precisa fazer uma cirurgia em um hospital com CTI. Isso porque o senhor Silva tem arritmia cardíaca e não pode ser operado no Hospital São Vicente de Paulo, em Itabirito, onde está internado.

Silva esteve em observação na Uindade de Pronto Atendimento de quarta-feira (26) a sexta-feira (28). Depois, foi mandado para o hospital, onde está até agora.

Os outros lados da história

Na UPA, ele estava sendo tratado para combater uma inflamação no sistema gastrointestinal. “Ele foi avaliado por três médicos. Era um caso clínico. Não sei se a situação dele evoluiu para hérnia encarcerada. Agora, o hospital é que responde por ele”, disse o coordenador da UPA, Alexander Rodrigo.

Todos os procedimentos estão sendo feitos via SUS, e Geni acredita que não estão dando a devida importância ao caso do pai dela, que corre riscos. “Será que esta matéria vai complicar a situação do meu pai no que diz respeito ao atendimento dele?”, questionou ela durante a entrevista, referindo-se ao texto do Minuto Mais.

Geni está desesperadamente tentando de todas as formas salvar a vida de seu pai. Ligou, inclusive, para o deputado Alencar da Silveira Júnior (PDT) que afirmou que está tentando ajudar. “Hoje é feriado por isso as coisas são mais complicadas. Mas amanhã, vamos saber o que pode ser feito”, afirmou o parlamentar.

O hospital não quis se pronunciar formalmente porque “a comunicação seria a única que poderia dar informação sobre o assunto”, disse a enfermeira-chefe que, apesar de ter dito isso, garantiu que tudo que o hospital poderia fazer, foi feito. “Ele já está cadastrado na Central de Leitos. Agora, devemos esperar pela vaga”, disse.

Segundo a enfermeira, “esse tipo de situação depende da gravidade do paciente, de avaliação do médico do hospital com CTI, e deve haver a vaga”.

A enfermeira pediu para que o Minuto passasse no hospital amanhã (dia 2) para conversar com a “comunicação” da instituição.

Entenda mais sobre o problema do senhor Silva

Segundo a cardiologista Ana Luiza Lima, em artigo para o site Tua Saúde, “a presença de uma hérnia abdominal é notada devido à existência de um inchaço ou um caroço na região da barriga, principalmente na região acima do umbigo, dentro do umbigo e na virilha. Este inchaço é formado quando o conteúdo da barriga, geralmente intestino, consegue ultrapassar o músculo da barriga, formando um saco herniário.

Geralmente, o conteúdo do saco herniário pode entrar e sair livremente, sem causar sintomas, ou causar um pequeno incômodo. Entretanto, quando o orifício da passagem dos órgãos fica mais estreito, acontece a chamada hérnia encarcerada ou estrangulada, que pode apresentar sintomas, como:

Dor forte no local da hérnia ou no abdômen;

Inchaço e vermelhidão no local da hérnia;

Náuseas e vômitos.

Esta condição é grave, e deve ser tratada com cirurgia o mais rápido possível, devido ao risco de faltar circulação de sangue para os órgãos, havendo risco de inflamação, perfuração e infecção, que é a necrose”.

Deixe seu comentário: