Renê (vice) Rodrigo (presidente), Geraldo (secretário) e Max discursando na volta das sessões da Câmara

Oito dos 13 vereadores da Câmara de Itabirito (MG) fizeram uso da palavra durante a reunião ordinária de segunda-feira (5), quando depois do recesso voltaram a acontecer as sessões na Casa Legislativa. Foi a primeira reunião sob o comando do novo presidente Rodrigo Campos Chagas (PSD), conhecido como Rodrigo do Porco.

Sindicalista Robson Paulino e Leandro (presidente do PC do B): dois líderes contrários à Reforma da Previdência

Um dos assuntos mais discutidos na Câmara foi a Reforma da Previdência. A discussão foi fomentada por uma carta do sindicalista Robson Paulino, de Itabirito, que pedia aos vereadores que pressionassem os deputados a votarem contra as mudanças propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB). Tais mudanças, segundo o Governo Federal, têm o objetivo de equilibrar as contas da previdência.

Max Fortes (PSB)

O vereador disse que é a favor da reforma. “Mas ela não pode penalizar os trabalhadores”, afirmou.

O edil salientou que o deputado que ele apoia “Eduardo Barbosa (PSDB)” já se posicionou contrário às mudanças propostas por Temer.

Max também mandou um requerimento para a mineradora Vale com o intuito de que a maioria dos trabalhadores, que será usada na construção da barragem de Maravilhas 3, seja de Itabirito. “Melhor opção seria não funcionar a barragem, mas isso é impossível. Então, se vamos ter a barragem, que seja aproveitada ao máximo a mão de obra da cidade”, opinou.

Max Fortes

O vereador disse que estudos foram feitos e caso a barragem não seja construída, a mineração não poderá “viver” mais 20 anos como previstos. “E (com isso) os trabalhos de mineração em Itabirito teriam de ser cessados”, afirmou.

Max ainda elogiou o trabalho feito pela Prefeitura de Itabirito de combate à febre amarela. Segundo ele, na zona rural, a vacinação está sendo feita de porta em porta. O edil ainda apresentou números oficiais da campanha.

O vereador também elogiou a organização do Carnaval. “Este ano será melhor que no passado”, acredita. Segundo ele, as mudanças positivas em festas na cidade (Carnaval e Julifest) sempre esbarraram em resistência de parte da população. “Se o modelo atual não der certo, a gente o refaz. O que não podia é continuar do jeito que estava (com falta de segurança)”, disse o vereador.

Ricardo Oliveira (PPS)

O vereador foi enfático na defesa de reajuste salarial aos servidores públicos da Prefeitura de Itabirito. “Foi prometido (pelo prefeito) reajuste para este ano (2018). Até agora, nenhuma postura”, afirmou.

Ricardo Oliveira

O edil reclamou do valor do cartão alimentação, de R$ 100, que recebem os servidores. E disse que os salários estão devassados há 5 anos na Prefeitura de Itabirito.

Ricardo ainda falou a respeito de obras de drenagem que precisam ser feitas nas ruas Raimunda Lemos Baeta e bairros como Lourdes e Marzagão, por exemplo.  

Geraldo Mendanha (PSD)

O vereador elogiou a contratação, como diretor da Câmara, do ex-vice-prefeito Rildo Xavier.

Elogiou também os trabalhos de combate à febre amarela realizados pela Prefeitura de Itabirito. Para ele, a equipe da Secretaria Municipal de Saúde, liderada por Wolney Oliveira, “trabalha com afinco”.

Geraldo Mendanha

O edil disse que foi até a Unidade Básica de Saúde, da Vila Gonçalo, para tomar a vacinar. Chegando lá, ficou sabendo que ele já tinha sido vacinado há anos. Por causa disso, o vereador ressaltou a organização do sistema público de saúde em Itabirito.

Se posicionando contrário à Reforma da Previdência, o vereador disse que o assunto deve ser tratado “com carinho”. E ressaltou a perda do poder de compra dos brasileiros no decorrer dos anos. “Quem se aposentou com dois, três salários mínimos, hoje recebe um salário”, afirmou.

O edil elogiou o evento Samba de Boteco. “Alguns ao invés de desfrutar, acabam estragando a festa. Tenho certeza que no Carnaval haverá bastante segurança”, disse referindo-se a contratempos que se deram na edição da festa em São Gonçalo do Bação.

O vereador também fez elogios ao Império da Saudade, e ao organizador da agremiação: Gilberto Turum. Segundo, o edil, a intenção do Império era sair como escola, mas sairá como bloco.  

Léo do Social (PHS)

O vereador reivindicou o complemento da Rua Francisco Mendanha, no bairro Santo Antônio.

Ele salientou que houve um acidente no local justamente porque a rua termina em uma pirambeira. Na área, segundo o edil, ainda há acúmulo de mato, e animais peçonhentos sempre surgem.  

De acordo com o vereador, em todo o bairro Santo Antônio, o mato está crescendo rápido e a Prefeitura não está dando a manutenção necessária.

Falta de drenagem na Rua Raimunda Lemos Baeta, no bairro Dona Luzinha, também foi assunto da fala do vereador. Segundo ele, a água empossa sobremaneira na área e a “aquaplanagem”, que se dá nos carros, pode causar acidentes.

Léo do Social

Tais reivindicações foram motivos de requerimentos por parte do edil.

Léo ainda pediu uma análise da água que “nasce” na área da Ponte da Açucena, no bairro Boa Viagem, para saber se ela é própria para o consumo. Bem como pediu que o Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) coloque informações sobre a água no local para que povo possa saber o que está bebendo.

Sobre as licitações da Prefeitura de Itabirito, o vereador disse que é importante que sejam fiscalizadas pela Câmara, uma vez que, segundo ele, há empresários que estão participando do processo licitatório “somente para subornar e dar propina”.

Rocha do PT

O vereador Rocha fez um forte discurso de ataque às reformas de Temer, bem como com explanações a respeito do Carnaval de Itabirito.

Para ele, a Reforma da Previdência é uma falácia. Ele diz que a previdência pública brasileira tem superávit (ganha mais do que gasta). Segundo ele, receitas da Previdência Social são usadas para pagar dívidas da União. “Por que não se cobra de quem deve (empresários em dívida com a União)? Por que tem de colocar na conta do trabalhador? 90% dos beneficiados recebem um salário mínimo. Cabe a cada um de nós cobramos dos nossos deputados uma postura contra a reforma. Essa reforma nos atinge e atinge à futura geração, e veio de um governo golpista”, disse Rocha.

Rocha do PT

Para ele, o governo Michel Temer “está a serviço das grandes empresas e contra os trabalhadores”. “É um governo de pouco, para poucos”, acredita.

Por parte do edil, houve críticas também à escolha de Cristina Brasil como ministra do Trabalho, citando escândalos envolvendo o nome dela.   

Sobre as barragens em minerações (especificamente sobre a implantação de Maravilhas 3, em Itabirito), o vereador disse que vê a implantação do empreendimento “com muito receio”.

Ele se lembrou das 19 mortes que se deram com o rompimento da barragem na Samarco, em Mariana.

Disse que a Vale foi coresponsável, uma vez que pertence ao mesmo grupo empresarial da empresa Samarco. Disse também que a tragédia matou parte considerável do Rio Doce. “Não é um discurso contra a Vale. E sim um discurso de coerência”, afirmou ele.

Rocha elogiou a mudança dos trios elétricos do Centro para a área do Julifest. Contudo, questionou o fato de que nessa área haver cobrança de ingresso no Carnaval. “Que coloque cordas, camarotes, segurança. Mas deixe o povo entrar. O Carnaval é do povo. Trata-se de uma área pública que o capital privado tomou posse. Para um jovem do Padre Adelmo, por exemplo, o Carnaval termina à meia-noite porque ele não teria condições de participar da festa”, acredita.

Rose da Saúde (PSDC)

A edil pediu a reconstrução da Ponte do Cabral (que foi construída pela Prefeitura, mas caiu alguns dias depois). Elogiou o discurso de Rocha do PT, dizendo ter sido um dos mais acalorados da história da Câmara.

Parabenizou as “pregoeiras” da Prefeitura, e enfatizou a respeito da importância de os vereadores fiscalizarem o processo licitatório.  “Têm ‘caras’ que estão lá para subornar”, disse. (Mesmo assim) Elas (as pregoeiras) têm “um trabalho muito sensato”.

Rose da Saúde

Disse que concorda com a mudança no Carnaval, mas não concorda com o fato de ser cobrada entrada na área do Julifest. “O pobre tem de ficar na rua (Centro) porque não pode pagar”, disse ela.

Rose festejou a iniciativa da Prefeitura de trazer de volta o Carnaval “à moda antiga”. “Graças a Deus”, afirmou ela a respeito do resgate carnavalesco.

Rose ainda elogiou o jovem, Danilo Siqueira Santos (18), morador do Santa Tereza, em Itabirito, por ter tirado nota 1.000 na redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Renê Butekus (PSDB)

O vereador fez uma enfática defesa do Carnaval de Itabirito, bem como de todas as mudanças na festa realizadas desde 2017. “A conta é simples, antes o folião gastava de R$ 100 a R$ 150 para ter um abadá. Hoje paga-se R$ 20 por dia para entrar na área da festa. Para quem quiser ‘open bar’, deve pagar, algo em torno, de R$ 80 por dia”, disse o vereador.

Segundo o edil, as criticas se devem ao fato de que a oposição “não teve capacidade para criar (as mudanças)”. “Eles querem achar agulha no palheiro”, acredita.

Renê Butekus

Renê acusou, ainda, vereadores de oposição de praticarem “lobby” nos processos licitatórios.

O vereador elogiou o secretário de Segurança e Trânsito da Prefeitura de Itabirito, Carlos Henrique Luke e disse que ele “está dando um show”.

O vereador ainda enfatizou que a licitação para a contratação de uma empresa de informática (Sulatech), que gerou polêmica nas redes sociais, não havia absolutamente nada de ilegal. “Mas era imoral. Por isso, o prefeito pediu o cancelamento dessa licitação”, garantiu o vereador.

O edil, mais uma vez, criticou a empresa detentora da concessão do transporte público de Itabirito (a Serra Verde) e disse que agora estão todos estão vendo que de fato há irregularidades. “E falavam que eu estava fazendo lobby para outra empresa”, salientou.

Arnaldo (PMDB)

Em contraponto à vereadora Rose, o vereador Arnaldo disse que não viu nada de mais no discurso de Rocha do PT. “Foram apenas opiniões”.

Lembrou que ex-ministros do PT também são mal escolhidos. “Tanto que muitos estão na cadeia”, afirmou.

Arnaldo

Contudo enfatizou que não se provou nada contra a ex-presidente Dilma (PT) e, somente ela, é uma injustiçada. “A história vai reconhecer a injustiça que foi feita contra ela”, acredita.   

Arnaldo lembrou também que quem escolheu Temer (bastante citado na reunião) foi o PT.

Sobre Maravilhas 3, afirmou que a continuidade da mineração na cidade depende da construção da barragem. Mas que o assunto deve ser discutido com muito cuidado.