Em respeito à vítima, o nome e o rosto dela não foram expostos pelo Minuto Mais. Foto enviada por meio do WhatsApp

ITABIRITO (MG) – Clima de terror na madrugada desta terça-feira (10) por volta de 1h, em uma chácara do bairro Novo Itabirito.

PUBLICIDADE
WhatsApp Minuto Mais

Rodrigo Silva Rabelo (37) manteve sua ex-esposa como refém. Ele a imobilizou, utilizando para isso uma faca. Não se sabe o motivo da violência. A Polícia Militar foi acionada. Os PMs optaram pela munição de elastômero (balas de borracha). Durante um tempo, ele manteve sua ex-esposa nessa situação. Em meio às negociações com a PM, Rodrigo deixou sua esposa e partiu para cima dos policiais. Quatro tiros acertaram o autor. Se fosse munição convencional, ele estaria morto. A atitude da PM mostra o preparo dos homens da Polícia Militar de Minas Gerais na hora de fazer escolhas em nome da segurança pública.

Sabe-se que parte da sociedade gostaria de ver o autor morto. Mas a PM tem critérios, deve seguir a lei, e fazer as melhores escolhas. A munição de borracha também traria menos riscos à vítima.

“A atitude dos policiais foi corretíssima, 100% certa. Eles poderiam utilizar a munição convencional, mas optaram pelo elastômero. ”, avaliou o tenente Peterson, a pedido do Minuto Mais.

A mulher em questão já foi vítima da violência de Rodrigo. Disse ela aos policiais que possui uma medida protetiva contra ele. Contudo, não apresentou o documento.

Estranhamente, e seguindo exemplo de muitas mulheres vítimas de violência, ela não representou contra ele.

A informação que se tem é de que a mulher não se feriu. Já o homem foi levado para a Unidade de Pronto Atendimenrto (UPA) e, depois, para a Delegacia de Polícia Civil de Ouro Preto.

Matéria atualizada às 20h12, de 10/7/2108.