Imagem: jus.com.br/R7

Emiliano Silva Salvador de Oliveira (irmão do prefeito de Itabirito, Alex Salvador – PSD), Sanders Jones de Assis (ex-secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Itabirito), Octávio João Baêta Júnior (ex-secretário de Obras da Prefeitura de Itabirito), Otácio João de Souza e Bruno Santos Souza (da empresa Souza e Braga), Virgílio Orlando de Carvalho e Renzo Rocha Lucciola (da empresa Etros Engenharia – e não “Ethos” como divulgado outrora pelo Minuto Mais) conseguiram habeas corpus e não mais cumprem prisão preventiva em regime fechado no Presídio de Itabirito (cidade da Região Central de Minas).

Sendo assim, o alvará de soltura foi expedido em favor dos citados. Todos eles investigados pela Operação Pedra Vermelha, do Ministério Público (MP).

O habeas corpus dura pelo tempo em que for definido na decisão e, geralmente, dá a garantia de que os investigados respondam em liberdade ao processo até que todos recursos se esgotem.

Operação Pedra Vermelha

A Operação Pedra Vermelha foi criada “para combater fraudes à licitações destinadas à contratação de empresas que executam serviços de transporte escolar, de pavimentação e ‘tapa-buracos’ em Itabirito, bem como desvios de recursos públicos na destinação de verbas integrantes do Fundo de Desenvolvimento de Itabirito – Fundi”, afirma o Ministério Público (MP).

Ainda segundo o MP, “os crimes praticados pelos integrantes da organização criminosa provocaram danos ao erário no montante de cerca de R$ 201.260.620, 61 em razão de fraudes a licitações e contratos nulos firmados entre as empresas investigadas e o Município de Itabirito entre 2013 a 2018”.

Nos dois últimos parágrafos, as partes do texto entre aspas são de autoria do MP.

Atualização da notícia: A reportagem obteve a informação de que nem todos os citados saíram da prisão. Todavia, a liberação de todos os citados nesta matéria deve acontecer no decorrer da tarde desta sexta-feira (6).