Devys Antony, administrador do Grupo Itabirito MG. Foto: reprodução de Facebook

As questões de Itabirito passam pelo tradicional Grupo Itabirito MG, uma “comunidade” fechada no Facebook, com 20.171 integrantes (número de sábado 6). Para uma cidade com pouco mais de 50 mil moradores, trata-se de uma multidão impressionante.

PUBLICIDADE
WhatsApp Minuto Mais

Perfis reais e fakes discutem questões itabiritenses e, algumas vezes, regionais. Cada um à sua maneira. Não existe unanimidade no grupo, mas aquele que ataca, normalmente, é, digamos, mais popular. Contudo, para atacar é preciso uma argumentação razoável. Caso contrário, o “feitiço vira contra o feiticeiro”.

O grupo causa “arrepios em políticos” (não somente nos eleitos, mas em todos aqueles que lidam com questões públicas). Ser execrado no grupo, não é nada agradável. Isso porque a execração ganha repercussão ímpar quando acontece na “ágora” de Itabirito.

Para falar sobre o grupo, o Minuto entrevistou, mandando todas as perguntas (de uma só vez) via WhatsApp, Deyvs Antony (33), formado em direito, o administrador do Itabirito MG. A seguir:

Minuto Mais: Administrar o Grupo Itabirito dá mais alegria ou dor de cabeça?

Deyvs: As duas situações coexistem em diversos momentos. É importante lembrar que o grupo surgiu para que pudéssemos inicialmente ter nosso grupo de amigos, de Itabirito, mais próximos. O grupo cresceu de forma que não imaginávamos, e foi necessário limitar a algumas diretrizes para não desordenar o convívio. Causa muita alegria em saber que a cidade está cada dia mais “politizada” e voltada às suas questões. Muitas melhorias foram alcançadas a partir de pontos levantados nas discussões do grupo. Entretanto, com esse número de componentes existem alguns desconfortos. Infelizmente, muitas pessoas se escondem atrás de uma tela de computador para denegrir, difamar pessoas, sem a coragem necessária de assumir as responsabilidades inerentes à exposição de suas ideias. Cabe lembrar que o grupo não é feito para nenhuma espécie de julgamento de pessoas, mas sim, assuntos relacionados ao dia a dia da cidade, nas suas mais variadas manifestações culturais, artísticas, históricas e até mesmo político apartidária.

Por que não podem ser publicadas notícias de política. Esse assunto não seria de interesse público e do público?

O grupo é relacionado às questões de Itabirito. Muitas coisas da política local são publicadas e esclarecedoras nas discussões. Assuntos relacionados às eleições de 2018, cenário estadual/nacional, entendemos por melhor proibir porque destoaria do objetivo do grupo. Tornaria um grupo em um verdadeiro classificados de candidatos aproveitando do espaço para promoção pessoal, sem o menor interesse e objetivo com o grupo. Sem contar na constante divergência de opiniões que levariam a publicações ofensivas. Infelizmente, não conseguimos avaliar todo o conteúdo e não queremos responder civil ou criminalmente pela “irresponsabilidade” de ninguém.

Sua mãe, vereadora Rose da Saúde, é candidata. Até postagens defendendo a candidatura dela são excluídas?

A Rose é minha mãe da porta da minha casa pra dentro e nas nossas relações mais pessoais e íntimas. Acordamos desde muito tempo a separar Rosilene – mãe, e a Rose da Saúde que é pessoa pública e detentora de mandato na cidade. Inúmeras postagens que foram realizadas no grupo com informações relacionadas à sua candidatura ao pleito de 2018 foram apagadas imediatamente por mim. Cabe lembrar que já houve algumas publicações e levantamentos no grupo cobrando informações e esclarecimentos dela enquanto exercício do mandato na cidade, e mesmo assim as publicações foram mantidas. Não existe essa de defender o santo de casa, pelo menos na responsabilidade de administrar um grupo. Posso expor até a minha opinião, entretanto, isso não abala meu julgamento dentro daquilo que é permitido ou não dentro do grupo. Regra vale para todos.

Você participa de outros grupos no Facebook? Se sim, a média de revolta (de postagens que visam rebaixar o próximo, fazendo juízo de valor), em Itabirito, é maior ou menor que em outros grupos?

Estou em outros grupos sim, mas não participo muito. Muitas vezes, vejo as mesmas publicações em um e outro, mas confesso que por acompanhar mais o grupo Itabirito MG não me sinto capaz pra qualquer julgamento. Muitos deles são verdadeiros classificados com muitas propagandas e informativos publicitários. Não existe essa de “grupo maior ou menor”. Eu acho que existe grupo específico pra cada coisa; grupo classificados de compra e venda e publicidades, grupo que permite manifestações político partidárias etc. O grupo Itabirito tem um grande número de pessoas e acho que no fundo muitas das discussões ali levantadas deram voz e vez aquilo que até então poderia ser desinteressante ao Poder Público.

Você já excluiu alguém depois de discutir com o internauta in box (por causa de assuntos que se deram no Itabirito)?

Já exclui muita gente, mas nunca fui de discutir não. Normalmente, quando ocorre algo fora da política do grupo eu tenho o hábito de advertir a pessoa individualmente, pedindo colaboração dentro do permissivo. Não sou intransigente não. E muitas pessoas que saíram e depois solicitaram retorno, retornaram e são muito bem vindas!

Você pode responder se sua ideologia é mais voltada para a direita ou para a esquerda?

Minha ideologia é o bem comum. Mesclo pontos positivos das duas correntes. O Brasil é um só, nossa cidade é uma só.

Você já fez, alguma vez, vista grossa para postagens de cunho partidário porque essa postagem defendia seu candidato, ou falava mal do adversário?

Ultimamente, tenho estado muito atento às publicações. Mas o julgamento de permanecer ou excluir não são minhas convicções pessoais. Lembro que as regras valem para todos, sejam por coisas ou pessoas da minha intimidade e/ou da minha antipatia.

Há mais administradores no grupo? Se sim, por que só você “aparece”?

Inicialmente o grupo contava com mais administradores. Como já disse o grupo nasceu a partir de um grupo de amigos que naquele momento estava morando e residindo fora da cidade e que, a partir dali, encontraria um modo de encurtar as distâncias. Marina Sardinha, Sabrina Leite, Leopoldo Gurgel e a professora Leda Bastos Bitencourt foram pessoas que engrandeceram o grupo na administração inicial. Por motivos dos mais diversos e pessoais, não permaneceram na administração, mas continuam sempre acompanhando e auxiliando nas suas possibilidades. Hoje o grupo conta com apenas dois administradores, mas contando sempre com a colaboração de todos na observância das permissivas do grupo.