Casa do Presépio em Itabirito, Foto: Beto Novaes/EM

O presA�pio da casa de dona Maria de Lourdes, no bairro Capanema, em Itabirito (MG), definitivamente, jA? se tornou atraA�A?o turA�stica. Montado todos os anos pela famA�lia dela, o trabalho atraA� a atenA�A?o do povo da cidade, turistas e da grande imprensa. Confira, a seguir, na A�ntegra, matA�ria veiculada neste domingo (24) pelo jornal Estado de Minas, e assinada por um dos jornalistas mais respeitados do periA?dico: Gustavo Werneck.

PresA�pio em casa de Itabirito reA?ne 10 mil peA�as e atrai atA� estrangeiros

As peA�as de tamanhos e materiais variados ocupam 53 metros quadrados da varanda em forma de ‘L’. Maria de Lourdes, dona do imA?vel, mantA�m as portas abertas para receber os visitantes

Gustavo Werneck – Estado de Minas

ItabiritoA�- As portas estA?o sempre abertas, gente do mundo inteiro A� bem-vinda e hA? sempre um cafA� coado na hora com pA?o de queijo quentinho para receber os visitantes. Na casa de Maria de Lourdes da Silva Martins Cardoso, em Itabirito, na RegiA?o Central, o perA�odo natalino comeA�a bem cedo, lA? pelo mA?s de junho, e termina quase na hora de iniciar o outro. Verdade. A� que o presA�pio, senhor absoluto da varanda e agregador de toda a famA�lia, demanda muitos meses para ficar pronto e outro tanto para ser desmontado. De tanto gosto em recriar a vida de Jesus, Maria e JosA�, a artesA? moradora do Bairro Capanema ganhou o apelido de a�?Dona do PresA�pioa�? e fica feliz da vida. a�?A� minha alegria, tradiA�A?o que vem da minha avA?. Respiro isso aquia�?, conta Maria de Lourdes, casada hA? 36 anos com Faustino, mA?e de Kelly Cristina, Maria Izabel, Danielli, JoA?o Paulo e Pedro Paulo e avA? quatro vezes. a�?Todo mundo ajuda. Fazemos sempre juntosa�?, revela com entusiasmo.

O amor da artesA? pelos presA�pios comeA�ou na infA?ncia em Pocrane, no Vale do Rio Doce, onde nasceu, sob orientaA�A?o da avA? Joana Da��Arc. Depois, ao mudar para Belo Horizonte, o afeto se intensificou com os cuidados da mA?e Almerita e mostrou que a recriaA�A?o das cenas da Natividade ganhava mais sentido com uniA?o familiar e participaA�A?o da vizinhanA�a. a�?MorA?vamos perto da Toca da Raposa e vinha atA� jogador de futebol ajudara�?, recorda-se Maria de Lourdes mostrando uma das peA�as mais antigas: um pastor de ovelhas de louA�a. Perto dali, hA? trA?s figuras de crianA�as, uma delas a menina varrendo a casa, que sA?o o xodA?, pois pertenceram A� avA?. a�?Olha aqui! JA? perderam atA� a cor. Por isso, deixo mais afastadas, para nA?o quebrara�?.

O entra e sai na casa A� constante, chegam mineiros e estrangeiros, o que aumenta a excitaA�A?o natural da A�poca natalina. a�?JA? veio atA� um japonA?s. NinguA�m entendia nada o que ele falava, mas saiu satisfeito. NA?s sempre convidamos para ir atA� a cozinha, e fica tudo bem. Teve tambA�m duas pessoas de Honduras, com um guia. PresA�pio tambA�m A� um tipo de acolhimento, nA?o importa a religiA?o. Fazemos com carinho para todo mundo se sentir bema�?, diz Maria de Lourdes, que acaba de entrar nos a�?sessentaa�? e nA?o perde o pique. a�?Meu desejo A� manter a tradiA�A?o, daA� a importA?ncia de os netos Giullia Eduarda, Francisco Gabriel, Giovana e Marjorie e as crianA�as vizinhas participarem. Gosto de um presA�pio em movimento, que estA? sempre se modificando. O melhor mesmo A� inventar algo diferente a cada ano. Natal A� renascimento, esperanA�a, vida que se renova.a�?

UniA?o

Os nA?meros referentes ao presA�pio de Maria de Lourdes sA?o superlativos: cerca de 10 mil peA�as de tamanhos e materiais variados, colecionados durante dA�cadas, ocupando 53 metros quadrados da varanda em forma de L, na Rua GonA�alves Dias, 102. Antes, a estrutura entrava pelo quintal, mas as chuvas de dezembro acabaram reduzindo a empreitada. Enquanto atende a uma famA�lia de Itabirito que acaba de atravessar o portA?o, Maria de Lourdes pede A� neta Giullia Eduarda, de 15 anos, para fazer as honras da casa e atuar como guia. A adolescente sabe de cor e salteado a histA?ria do presA�pio, conhece as passagens da vida da Sagrada FamA�lia e faz comentA?rios divertidos sobre a vida de uma cidade.

O comeA�o, logicamente, A� pela gruta onde o Menino Jesus nasceu, com a manjedoura forrada de palha, JosA� e Maria, o burro, o boi, os pastores e as ovelhas. Mas tem muito mais. Giullia mostra o restaurante, o circo, o hotel, a escola, o bazar e a fazendinha. Numa esquina, estA? o posto policial, perto uma cena de resgate aA�reo, depois vem a devastaA�A?o ambiental e a recuperaA�A?o do verde, um pA� de jabuticaba carregado de frutos e o cinema com uma surpresa: na tela tem filme de verdade, com um DVD portA?til funcionando o tempo todo, informa Pedro Paulo, de 28, artesA?o, mA?sico, operador de mineraA�A?o e fA? nA?mero 1 do presA�pio da mA?e. a�?A� sA�mbolo de vida renovadaa�?, diz Pedro Paulo.

Giullia continua a mostrar o presA�pio. a�?A A?tica estA? fechada, pois A� horA?rio de almoA�o e o funcionA?rio saiu. Os meninos jogam bola num campinho de vA?rzea e o engenheiro verifica onde serA? a futura obra. E tem os deficientes fA�sicos, pessoas atendidas no hospital, mA�dicos e enfermeirosa�?, informa a adolescente com toda seriedade, apontando ainda a igreja cheia de fiA�is, um salA?o de festas com mA?sicos e uma cantora de microfone em punho, a universidade, o lago com peixinhos de verdade. Nesse momento, a avA? chega e completa. a�?Esse lugar A� fundamental e estA? de acordo com as palavras do papa Francisco de defesa da preservaA�A?o ambiental. A novidade deste ano A� a fonte jorrando A?gua. E tem A�ndios, negros, alemA?es, enfim, todo mundoa�?, afirma Maria de Lourdes. Ao lado, Faustino, tambA�m artesA?o, se mostra orgulhoso das casinhas de madeira cobertas com sementes secas, emendadas com rejunte e cola e pintadas com verniz. O efeito bem bonito chama a atenA�A?o pela semelhanA�a impressionante com um telhado de verdade.

Uma das caracterA�sticas marcantes do presA�pio de Maria de Lourdes A� envolver o mundo contemporA?neo no cenA?rio da Natividade, cercando a gruta onde Jesus de acontecimentos que ganham pA?ginas dos jornais, alA�m de prA�dios e serviA�os que fazem a dinA?mica de uma cidade a�� tanto que hA? uma minibanca com jornais e revistas. Desta vez, ela reservou espaA�o para uma fato de repercussA?o internacional, a tragA�dia de JanaA?ba, no Norte de Minas, que resultou em 13 mortes, sendo nove crianA�as, uma professora e auxiliares. Mas ninguA�m pense em chororA?, pois a mensagem A� de vida. Com retrato da professora e das crianA�as, hA? um grupo de meninos e meninas numa ciranda, a�?como devem estar brincando no cA�ua�?.

O tatuador Thiago Luiz MendonA�a Damasceno, admirou o capricho com que o presA�pio A� feito. Na sua primeira visita, achou a�?emocionante, com narrativa incrA�vel e de um a simplicidade A?nica. Tem alma, crA�tica social, artea�?. Ao lado, a mA?e de Thiago, Marilene, elogia a beleza e garante ser tudo diferente do que jA? viu, com o que concordam o filho Igor e a neta Ana Clara. Depois da visita, o caminho natural A� descer as escadas, se impressionar com a quantidade de panelas e apreciar o pA?o de queijo. O curioso A� que, nos cantos, hA? imagens de reis magos e presA�pios de outros tempos. a�?Fazemos nossa novena de Natal e rezamos na noite de 24 para 25. Sou muito catA?licaa�?, conta Maria de Lourdes, mostrando que, em todos os ambientes, a boa acolhida realmente representa o genuA�no espA�rito do Natal.