Mesa com autoridades. Foto: ACCI

É obrigatório fazer o cadastramento escolar: 1- Alunos que entrarão para o 1º ano. 2- Interessados em cursar o EJA (Educação de Jovens e Adultos). 3- Quem vai retomar os estudos. E 4- Alunos que vêm de outra cidade.

PUBLICIDADE
WhatsApp Minuto Mais

“Quem não fizer o cadastramento, pode ficar sem vaga”, disse a secretária de Educação da Prefeitura de Itabirito, Ana Góis.  

Os pontos de cadastramento em Itabirito (MG) são: 1- Cemi (no Centro de Itabirito). 2- Centro de Referência, no morro José Sans, também no Centro. 3- Escola Municipal Manoel Salvador de Oliveira, no São José. E 4- Centro de Referência na Praça João Paulo, no bairro Praia, perto da Farmácia Torres.

Outra forma de fazer o cadastramento é pelo site oficial (www.educacao.mg.gov.br). “O site é autoexplicativo”, afirmou a secretária.

O cadastramento obrigatório serve para escolas estaduais e municipais. E faz parte do planejamento do estado e dos municípios para que as vagas sejam disponibilizadas.

Atenção: A educação infantil também precisa de cadastramento escolar

Os pais dos pequenos que cursarão o maternal, o 1º período e o 2º período também precisam fazer o cadastramento dos filhos.

Contudo, esse cadastramento em específico não pode ser feito por meio do site oficial (somente nos espaços públicos já citados no 3º parágrafo).

Audiência Pública

Uma audiência pública aconteceu na tarde desta quinta-feira (7) por sugestão da promotora Vanessa Campolina Rebello Horta para explicar à população sobre a importância do cadastramento escolar.

A audiência foi no plenário da Câmara de Itabirito. O espaço teve todas as 63 cadeiras da parte de baixo ocupadas.

Uma das participantes foi a líder comunitária Rosana de Oliveira Galdino, conhecida como Dona Rosa, da comunidade de Água Limpa, em Itabirito.

“Por meio de mobilização, participando de audiências públicas e com a ajuda do Ministério Público, conseguimos transporte escolar para as crianças de Água Limpa que tinham de andar 5 km a pé para chegar à escola”, disse Dona Rosa.

Contudo, na audiência do dia 7, ela afirmou que só se esteve presente “para somar” e não para reivindicar. “Vim a pedido da promotora”, afirmou a líder comunitária.

Estiveram também presentes na audiência os vereadores Max Fortes (PSB) e Rocha do PT.