Max Forte, vereador. Foto: Minuto Mais

ITABIRITO (MG) – De autoria do vereador Max Fortes (PSB), foi aprovado em segunda votação, na reunião ordinária da Câmara de Vereadores, desta segunda-feira (2), o Projeto de Lei 39/2017 que muda as regras para a contratação de empregados da Coca-Cola (empresa que fica no município). Com a aprovação do projeto, 80% das futuras contratações feitas pela empresa de bebidas devem ser destinadas obrigatoriamente para pessoas de Itabirito.

Contudo, a multinacional foi enfática ao responder aos questionamentos do Minuto Mais sobre o projeto. “A Coca-Cola Femsa Brasil informa que, desde o início da operação de sua fábrica em Itabirito em 2015, as contratações de mão de obra local têm sido priorizada. A engarrafadora esclarece que teve acesso ao Projeto de Lei 39/2017 e ressalta que o projeto não está de acordo com o estabelecido no Termo de Compromisso assinado com a Prefeitura de Itabirito em 2011 e aprovado pela própria Câmara dos Vereadores do município”, informou a Coca-Cola.

Isso quer dizer que a empresa não vê com bons olhos a nova lei a ser aprovada.

Contudo, o vereador está ciente dos possíveis desdobramentos da história. Max não descarta a hipótese de o Município ser acionado pela Coca-Cola na Justiça. “Estou fazendo a minha parte, a Câmara está fazendo a parte dela, bem como a Prefeitura. Não tem sentido uma empresa que recebeu benefícios do Município não empregar o nosso povo. A Coca-Cola é a única firma que foi incentivada e não tem em seus quadros 80% de itabiritense. Ela diz que dá preferência para o povo da cidade, mas nem 30% dos empregados são de Itabirito. E outra coisa: já existe uma lei municipal ‘Empresa Ativa’ que norteia essa questão. Não quero criar dificuldades para a empresa. Mas ao mesmo tempo, não posso ver a dificuldade do povo e nada fazer”, disse Max.

Tramitação

O projeto segue para a redação final e em sequência para a sanção do prefeito Alex Salvador (PSD).

O que muda

A atual municipal lei que norteia as contratações na Coca-Cola, de 2011, fala em disponibilizar as vagas da empresa preferencialmente para Itabirito, mas não estabelece uma porcentagem mínima.

O novo projeto vai ao encontro à atual “Lei Empresa Ativa”, que regulariza em exatos 80% o percentual de contratações de pessoal em empresas que receberam cessão de terrenos (ou outros incentivos) da Prefeitura de Itabirito (caso da Coca-Cola).

Esta lei (Empresa Ativa) norteia as regras para a contratação de funcionários em firmas beneficiadas pelo Município.

Empregados de outras cidades

Segundo o vereador Max, pelo projeto que está sendo discutido, caso não haja em Itabirito o profissional procurado pela empresa, a fábrica de bebidas pode procurá-lo em outras cidades. “Entretanto, em parceria com a Prefeitura e a própria Coca-Cola, cursos para a capacitação do povo de Itabirito serão criados para suprir a falta itabiritense do profissional requisitado”, disse o vereador.

A previsão é que sejam criados algo em torno de mais 100 empregos na Coca-Cola nos próximos anos. No ano passado, dos 390 empregados da Coca-Cola, somente 90 eram de Itabirito. “A intenção da lei é mudar essa realidade. Isso é urgente principalmente para minimizar os impactos da crise econômica brasileira”, afirmou Max Fortes.