Cabaré - Eduardo Costa e Leonardo."Foi maravilhoso", disse entrevistada. Foto: divulgação

O último dia do Julifest 2017, domingo (16), em Itabirito (MG), com o espetáculo Cabaré, de Leonardo e Eduardo Costa, foi ovacionado pelo público. “O show foi maravilhoso. Tudo que tem Eduardo Costa, é maravilhoso”, disse Adriana Basílio Oliveira (34), de Itabirito, que, de 1 a 10, deu nota máxima para festa de um modo geral.

Nathália e Josiene, de Ipatinga: festa nota 1.000. Foto: Minuto Mais

Segundo o cabo Alberto, da Companhia de Missões Especiais, de Lagoa Santa, da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), cerca de 30 mil pessoas assistiram ao espetáculo Cabaré.

Definitivamente, o show é mega e independentemente de se gostar ou não de música sertaneja, o espetáculo é um dos maiores da atualidade no Brasil.

Dos 18 entrevistados pelo Minuto Mais, no domingo, somente um falou mal da festa deste ano de maneira veemente. A má qualidade dos banheiros do evento e a falta de telão nos shows foram os pontos fracos do festival. Apesar disso, de um modo geral, os elogios foram entusiásticos.

O fiasco da apresentação de Anitta, na sexta-feira (14), aparentemente, foi uma exceção. Entre os entrevistados pela reportagem, as notas para o evento, de um modo geral, variaram de 8 a 10.

Ianny Góis, à direita, com amigas, na madrugada desta segunda-feira (17). Foto: Minuto Mais

“Pensa em um trem bom. De a 1 a 10, Julifest 2017 foi nota 1.000”, disse Josiene Pinheiro Silva (29), de Ipatinga (MG), que pela primeira vez veio ao festival itabiritense. Ela foi a primeira entrevistada pelo site e, pode-se dizer, foi um “termômetro do sentimento” do público para a “avalanche de elogios” que estava por vir.

Em nenhum momento, houve da parte da reportagem a intenção de enaltecer ou denegrir a festa. O que será lido pelo internauta, a seguir, são opiniões na íntegra de pessoas que participaram do evento. Os entrevistados foram escolhidos aleatoriamente.

“Foi nota 1.000 o Julifest. Ano que vem, quero voltar”, disse Nathália Oliveira Santos (21), também de Ipatinga (MG).

“Achei ótimo. O espaço é que já está ficando pequeno. Vim todos os dias. Nota 8. Ainda há muita coisa para melhorar, como os banheiros”, afirmou o diretor da Rádio Estrada Real de Itabirito, Lauro Bastos Bittencourt (55).

Richard, do Portal News, “só Itabirito consegue fazer uma festa como o Julifest”. Foto: Minuto Mais

“Vendemos tudo. Tivemos de pegar emprestado de outras barracas. De 1 a 10, nota 11 para a festa. Vendemos mais de R$ 50 mil. Isso sendo pessimista. Sinceramente, acho que chegamos a R$ 100 mil de vendas em todos os dias da festa”, disse Ronaldo Galo Ferreira (52), presidente da Associação Comunitária do Bairro Gutierrez.

“Muita coisa pode melhorar. A segurança atrás das barracas, por exemplo. E o pessoal da segurança deveria ter mais informações de quem são os presidentes das associações. O lado bom, pra mim, foi a união dos presidentes das entidades de bairros. O público foi muito bom. As vendas foram boas, mas não tenho noção de quanto nós vendemos. Domingo foi o melhor dia. Nota 8 para a festa de um modo geral”, opinou Dalvanice Estevam Costa Moura (45), presidente da Associação Comunitária do Bairro Floresta.

“A festa foi muito boa. Os banheiros é que estavam ‘osso’. Nota 8 para o Julifest de um modo geral”, afirmou Eduardo dos Reis Braga (27), de Itabirito.

Adriana Pinto, à direita, com amigos na madrugada de segunda-feira (17), no Julifest. Foto: Minuto Mais

“A festa foi boa demais. O problema foram só os banheiros. É o segundo Julifest que participo. Nota 9”, disse Gustavo Salvador, nascido em Itabirito e morador de Guanhães (MG).

“Domingo foi o dia que mais gostei. Faltou telão para a gente ver melhor os shows, e os banheiros não estavam bons. Nota 8”, disse Thaís Lima (22), de Itabirito.

“O melhor show foi o de domingo. Só faltou um telão”, afirmou Paola Silva (19), de Itabirito.

“O Julifest é um evento que todas as cidades querem copiar, mas só Itabirito consegue fazer com tanta qualidade. Este ano, a festa foi extremamente boa. Superou as minhas expectativas. Isso tendo como base um senso bem crítico. Nota 10”, disse Richard Michel (17), repórter do Portal News, de Itabirito.

“Primeira vez que venho ao Julifest, quero voltar outras vezes. Nota 9”, afirmou Rômulo Miguel (40), de Belo Horizonte.

Adriana Basílio (de echarpe vermelha): “Eduardo Costa é maravilhoso”. Foto: Minuto Mais

“Não gostei da festa este ano. Péssima. A acústica dos shows estava horrível. Tinha de ter uma tenda para proteger as pessoas na hora do almoço. Colocaram um cercado (durante o almoço) que parecia que a gente era porco. Nota 6”, opinou Rafael Pereira Braga (19), de Itabirito.

“No show do Nando Reis (sábado), o som estava muito baixo. Podia ter um telão durante os espetáculos. Nota 8”, afirmou Ianny Góis (20), de Itabirito.

“O ponto alto do Julifest foi o Beco do Rato (sábado à tarde). Anitta, eu detestei. O show de domingo (Cabaré) foi excelente. O do Nando Reis, meu filho veio e me disse que foi maravilhoso. Nota 8 para festa. Nota 0 para os banheiros”, disse a empresária Adriana Pinto (42), de Itabirito.

“Nota 10. Vendemos muito. Sexta-feira e domingo foram os melhores dias para as vendas”, afirmou a pipoqueira Maria Aparecida (44).

Balanço da PM

O cabo Alberto, da Companhia de Missões Especiais da PMMG, avaliou a festa como sendo “tranquila a princípio”, transcrevendo exatamente o que foi dito por ele.

Segundo o PM, no sábado (15), o show do Nando Reis reuniu 15 mil pessoas. “No domingo, houve dois começos de briga que nós separamos. A quantidade de furto não foi significativa. No domingo, por exemplo, foram duas ocorrências de furto de celulares e uma de carteira”, disse.

Minuto Mais é boicotado pela Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura de Itabirito

Por não fazer jornalismo chapa-branca e por trazer a verdade dos fatos, a opinião real das pessoas de Itabirito e as mazelas do prefeito Alex Salvador (em que pelo menos em uma situação de crimes eleitorais durante campanha, o prefeito foi sentenciado pela Justiça, em primeira instância, com a cassação do mandato), o Minuto Mais foi boicotado pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Itabirito no Julifest 2017.

Diferentemente de outros veículos itabiritenses, o Minuto não conseguiu credenciais para a cobertura da festa.

A crença errônea de que o site é de oposição ao prefeito é tão veemente que contaminou a Secretaria de Comunicação, órgão da Prefeitura, que, em um amadorismo jamais visto na história de Itabirito, não teve nem sequer a sensibilidade mínima para perceber que a festa é, 1º, pública (e não particular do prefeito Alex) e, 2º, uma oportunidade de pautas favoráveis à administração.

É a primeira vez que a Comunicação da Prefeitura de Itabirito boicota o Minuto Mais. Quando era AgitoMais, a reportagem tinha acesso ao Julifest, mesmo trazendo matérias políticas (absolutamente verdadeiras), quase que mensais, noticiando as falhas do prefeito Manoel da Mota.

Com o prefeito Juninho Salvador, um entusiasta da imprensa livre, o acesso ao Julifest também nunca foi negado.

Contudo, Alex encara a Prefeitura como sendo “o quintal de sua casa”. Quintal esse que somente os puxa-sacos têm acesso. Quem traz a verdade, simplesmente a verdade, como o Minuto Mais (com amplo direito de resposta aos envolvidos) e o jornal O Grito, não tem direito a uma simples credencial, por exemplo.

Todavia, o site continuará trazendo a verdade com ou sem credencial de Julifest.