Fila de carros em postos de combustível, na asa norte, durante a paralização dos caminhoneiros. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

Por Mariana Ribeiro, do Poder360 – O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, fechou 2018 acumulando alta de 3,75%. O resultado ficou abaixo do centro da meta do governo para o ano, que é de 4,5%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (3%) ou para cima (6%).

Os dados foram divulgados nesta 6ª feira (11.jan.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado veio em linha com as expectativas dos economistas consultados pelo Poder360, que projetavam alta média de 3,7%.

A inflação de 2018 ficou acima da registrada no ano anterior. Em 2017, o IPCA fechou o ano abaixo do piso da meta pela 1ª vez desde a criação do plano de metas, em 1999. Ficou em 2,95%, enquanto o limite mínimo era de 3%.

Arte Poder360

MENOR DEZEMBRO DA SÉRIE

No último mês de 2018, o IPCA foi de 0,15%, menor taxa para 1 mês de dezembro desde o início do Plano Real, em 1994.

Em novembro, foi registrada deflação de 0,21%. Já em dezembro de 2017, a taxa havia ficado em 0,44%.

Arte: Poder360

O QUE INFLUENCIOU O RESULTADO DE 2018

De acordo com o IBGE, o índice do ano passado foi influenciado, principalmente, pelos grupos habitação (alta de 4,72%), transportes (alta de 4,19%) e alimentação e bebidas (alta de 4,04%). Juntos, os 3 grupos são responsáveis por 66% do IPCA.

Em habitação, o destaque foi a energia elétrica, que ficou 8,70% mais cara. Ao longo do ano, entraram em vigor bandeiras tarifárias que acarretaram em cobrança adicional na conta de luz. A bandeira amarela vigorou durante 2 meses e a vermelha, durante 5 meses.

Nos transportes, que detêm cerca de 18,5% do IPCA, os maiores pesos vieram de: passagem aérea (16,92%), gasolina (7,24%) e ônibus urbano (6,32%).

Já na alta de alimentação e bebidas, que corresponde por 1/4 das despesas das famílias, há influência importante da greve dos caminhoneiros, que paralisou o país no final de maio. O movimento “impactou os preços de diversos produtos, levando o grupo a apresentar variação de 2,03% em junho, a 2ª maior para 1 mês de junho desde a implantação do Plano Real”, explica o IBGE.

Os preços dos alimentos para consumo em casa subiram 4,53%, enquanto a alimentação consumida fora de casa apresentou variação de 3,17%. Entre os itens que ficaram mais caros no ano, destacam-se:

  • tomate: 71,76%
  • frutas: 14,10%;
  • refeição fora: 2,38%;
  • lanche fora: 4,35%;
  • leite longa vida: 8,43%;
  • pão francês: 6,46%;
  • carnes: 2,25%.

O grupo saúde e cuidados pessoais fechou o ano com alta de 3,95%. A pressão veio das mensalidades dos planos de saúde, que ficaram 11,17% mais caras. Foi o maior impacto individual de 1 item no índice anual.

Arte Poder360

2019 E SISTEMA DE METAS DE INFLAÇÃO

Neste ano, o país persegue uma meta de inflação inferior a 4,5% pela 1ª vez desde 2005. Em 2019, o BC (Banco Central) tenta garantir que a taxa fique em 4,25%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Para os próximos anos, o centro da meta é ainda mais baixo: 4% para 2020 e 3,75% para 2021, ambos com margem de 1,5 ponto percentual.

O sistema de metas de inflação foi criado em 1999 com objetivo de dar mais segurança e previsibilidade à economia. Ao CMN (Conselho Monetário Nacional) cabe fixar a meta e a banda de tolerância. Hoje, o alvo é definido pelo conselho com 3 anos de antecedência.

O BC, por outro lado, é responsável por adotar as medidas necessárias para alcançá-la. O principal instrumento da autoridade monetária para balizar a inflação é a taxa básica de juros.

A Selic é definida pelo Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, que se reúne a cada 45 dias para analisar o cenário macroeconômico e definir a taxa que passará a vigorar. Hoje, está na mínima histórica, de 6,5% ao ano.

Desde a implementação do sistema, o limite máximo não foi respeitado em 4 ocasiões: em 2001 (quando o teto era de 6% e a inflação ficou em ​7,67%), 2002 (teto de 5,5% e inflação de 12,53%), 2003 (teto de 6,5% e inflação de ​9,3%) e 2015 (teto de 6,5% e inflação de 10,67%).

O mínimo, por outro lado, só não foi cumprido em 2017, quando a taxa verificada foi de 2,95% enquanto o piso era de 3%.

Conteúdo produzido pelo Portal Poder360 – www.poder360.com.br. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida mediante autorização expressa.